Mercado brasileiro de anime e mangas

Olá todos! No dia em que o Gyabbo chegou às 1000 visitas (Obrigado a todos!), resolvi fugir um pouco do esquema que vinha escrevendo para falar um pouco sobre o mercado brasileiro de animes e mangas.

Há alguns anos atrás eu via no mercado brasil de animes e manga uma evolução. Acreditava eu, ingenuamente, que estávamos seguindo para uma verdadeira consolidação de uma nova forma de entretenimento que havia chego no Brasil. Pelo visto eu estava enganado.

Ainda em 2006 nós tínhamos três grandes editoras trabalhando com mangas, a Panini vinha se estabelecendo como uma boa editora depois de erros com Peach Girl e Gundan Wing. A Conrad, pioneira nesse mercado, trazia títulos diferentes como Battle Royale e prometia um trabalho espetacular com as chamadas edições definitivas, como as de Dragon Ball. A JBC, quase tão antiga nesse meio quanto a Conrad, repetia erros como lançar mangas em formato de meio-tankobon e não se dar ao trabalho de corrigir os chamados “quadrados brancos”, mas esperava-se que o crescimento da Panini a obrigasse a mudar. Agora em 2009 vemos que tudo isso não passava de esperanças.

Onde estará a segunda edição?
Onde estará a segunda edição?

A Panini realmente cresceu, hoje é na minha opinião a melhor editora, mas isso não faz dela uma editora realmente boa. Somente esse mês tivemos NOVE títulos reprogramados, em um total de 14. Se os problemas dela se limitassem à péssima distribuição, as coisas não seria tão ruins. Mas casos como a volta de Peach Girl e seu subsequente cancelamento com menos de 3 meses e o sumiço da segunda edição de Lodoss War – A Dama de Pharis mostram que a Panini está bem longe de ser uma boa editora, mas é das piores a melhor.

A Conrad foi das três a mais decepcionante. Escolhida por muitos como sua editora favorita (o que era o meu caso), passou por um grande litígio, chegando a ficar meses sem lançar nada. Recentemente conseguiu ser vendida para IBEP/Companhia Editora Nacional e retomou alguns títulos como DBED, Nausicaa e Bambi, mas seu futuro ainda é incerto, visto os outros títulos parados, como One Piece e Monster.

A JBC por sua vez, segue lançando mangas populares e ignorando a qualidade. Apesar de ter feito um trabalho decente com Death Note, repete erros como gírias excessivas (ler Tenjo Tenge é um desafio para pessoas fora do Sudeste), meio-tankos e preços abusivos (FMA?).

Se o mercado de mangas não parece nada promissor, com a qualidade dos mesmos não chegando nem perto das edições japonesas ou americanas, o de animes não muda muita coisa.

Na TV aberto tivemos recentemente o relativo sucesso de Pokemon na RedeTv, o que não pode ser chamado de um grande trunfo, visto que Pokemon já teve sua febre no Brasil e os episódios inéditos terminaram. Na Globo, a estréia de Yugioh GX ajudou a levar a emissora carioca ao primeiro lugar do horário, mas até quando?

O que poderia ser a nova febre de anime no Brasil, Naruto, está a anos esperando pelo lançamento da segunda temporada, tanto no SBT quanto no Cartoon Network.

Já nos canais fechados, temos um Cartoon Network que limou praticamente todos seus animes da programação, mantendo apenas shounens como o novo Bakugam. Chegou a passar Histórias de Fantasmas e Trigun, mas em um péssimo horário, obviamente como tapa-buraco. Jetix e Nickelodeon mantem alguns poucos animes, mas novamente, nada de expressão.

O Animax, canal que veio com a proposta de 24hr de animação japonesa, hoje em dia investe mais em programas e séries americanas, muitas vezes sobras de outros canais do grupo Sony (Como Lost). Vendo assim, é difícil voltar ao otimismo de anos atrás quando o Animax estreava no Brasil e o CN mantinha um bloco de animes na madrugada. Mesmo com um lançamento de peso como Death Note, percebe-se que a tendência é investir cada vez menos em animes.

Os DVD’s de animes como FMA e Hunter X Hunter, ótimos lançamentos da Focus, foram cancelados por baixas vendas, sobrando apenas shounens de peso como são os casos de Naruto e Cavaleiros do Zodíaco, vendidos a preços altíssimos e alguns outros, como foi Akira.

Um dos poucos que se salvaram
Um dos poucos que se salvaram

Reflexo desse quadro que descrevi, hoje no Brasil temos três “grandes” portais de notícias para o público nacional: AnimePró, Jbox e ohaYO!. Admito que conheço pouco do último, de onde nunca fui um leitor. Sobre o AnimePró, apesar de ter retomado com suas notícias diárias, passou muito tempo quase que abandonado, hoje está reduzido a reproduzir notícias que saem antes em outros sites. O Jbox, que para mim era o melhor desses três, mostrou essa semana que não existem sites nacionais realmente profissionais para tratar de animes e mangas, caindo em uma pegadinha e reproduzindo uma suposta notícia adquirida em uma comunidade do Orkut. Preciso dizer mais alguma coisa?

Percebe-se assim que os tempos são mais negros do que  se anunciava a menos de três anos atrás, hoje em dia é difícil manter o otimismo que existia. Não sou tão radical como o que se diz nos EUA, onde a indústria inteira de animes já foi dada como morta por diversos fatores, de fansubs à crise mundial. Mas é perceptível que eu estava errado em pensar em uma grande evolução nesse nicho de mercado.

Fontes:

http://www.jbox.com.br/2009/03/08/naruto-inedito-no-cartoon-ja-em-marco/

http://www.jbox.com.br/2009/03/13/naruto-vs-cartoon-a-luta-continua/

http://animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=40&Data=032009

http://animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=41&Data=032009

http://shoujo-cafe.blogspot.com/2008/02/panini-e-o-desrespeito-ao-consumidor.html

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=8418389&tid=5311878177171766811&start=1

http://www.animeblade.com.br/noticias/1233863036/

http://www.animepro.com.br/forum/viewtopic.php?f=2&t=1032&start=15#p43257

http://www.jbox.com.br/2009/02/02/fullmetal-alchemist-na-piscina/

Esse post foi publicado em Artigo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

15 respostas para Mercado brasileiro de anime e mangas

  1. Leo-Kusanagi disse:

    As editoras brasileiras precisam entender que lançar tudo quanto é coisa e colocar nas bancas com uma distribuição maluca como a Panini faz ou ter um trabalho porco nos mangás como a JBC faz é uma coisa que deve ser acabada.

    O público tb precisa ser mais exigente, não aceitando comprar qualquer coisa que lançam por aí. Fiquei p* da vida quando vi que a JBC lançaria Hellsing em meio-tanko, tanto que mesmo sendo um dos meus mangás favoritos, eu não comprei só de raiva, e nem vou comprar. E o pior é que mesmo melhorando a edição eles continuam com essa onda do meio-tanko.

    Enquanto a Panini não arrumar a zona que faz com a distribuição setorizada e a JBC não parar de lançar meio-tanko, mesmo que tenha qualidade, o mercado vai continuar do jeito que tá. Gostaria que muitas séries viessem pra cá mas o mercado não está nada favorável pra certos mangás, principalmente os mais engraçados que não são apelativos.

    E nem vou falar do Animax e as séries americanas, aquilo não é mais um canal “de” anime, é apenas um canal que “tem” anime.

    E viva os anime blogs huahahahaha, pessoal precisa confiar mais na gente pra ver notícias, poxa XD

  2. Adriano disse:

    como assim 3 grandes portais de anime são animepro, jbox e ohayo? o primeiro ficou fraco, o segundo vive de chupinhar notícias dos outros sites e o terceiro a mesma coisa. cadê o anmtv e a henshin nessa lista?

    precisa se informar mais gyaboo.. eu se fosse vc arrumava esse post e revia suas fontes. como disse o amigo ai de cima sobre os blogs de anime viva eles.

    e que eu saiba o jbox é blog tb;

  3. Denys Fantasma Almeida disse:

    Adriano, obrigado pelo comentário antes de tudo.

    Tenho que lhe corrigir já que não afirmei que esses são os três maiores portais de anime, mas sim portais de notícias sobre o mercado nacional. Até concordo que o anmtv poderia entrar nessa lista, erro meu, mas preferi citar os mais antigos. E mesmo o anmtv caiu na tal “pegadinha dos narutards”, logo, a afirmação seria a mesma.

    Não colocaria porém o Henshin nessa lista, apesar de visitá-lo com frequência. Além de ser fraco na minha opinião, ele não tem um foco muito grande no mercado nacional, limitando-se principalmente aos produtos da editora JBC.

    Creio que você não entendeu exatamente o teor do post, que era justamente de criticar a forma como é levado o mercado e seu adjacentes. Ao citar os três sites, estou exatamente criticando-os pelo o que você mesmo citou e por outros motivos.

    Mas obrigado pela crítica, são sempre bem-vindas

  4. Realmente é triste o mercado brasileiro. Por outro lado é realmente difícil achar soluções para alavancar ele. Por mim acredito que primeiramente precisamos de um trabalho mais firme da imprensa especializada, já que é ela que informa as pessoas das últimas novidades sobre animes.

    E infelizmente se você pegar as maiores fontes de informações impresas e da rede verá que ainda temos pouco se comparado a EUA e principalmente Japão. A maioria se limita a falar das mesmas coisas (Naruto, Bleach, One Piece e shounens de um modo geral) sem dar atenção a variedade.

    É um erro querer que o mercado cresça sem exaltar diversos gostos. Na internet o Anime Blade é uma ótima fonte de informação sobre títulos diferentes, embora seja uma pena que o tamanho das notícias não abranjam muitos detalhes. Já o Anime Pró vive de notícias dos chamados populares, enquanto o Jbox, na minha opinião é um site de baixo nível, principalmente por causa dos comentários dos usuários.

    Fora isso, o Ohayo! e a Henshin colocam vez ou outro algo interessante, mas falta conteúdo de um modo geral. Disso sobra poucos sites confiáveis dentro da “grande” imprensa. Por outro lado existem blogs de grande qualidade espalhados pela rede, como por exemplo, o próprio Gyabbo!, o Shoujo Cafe, ANIME MANGA TV, Mithriil e vários outros.

    Acredito que os blogueiros ainda tenham muito a contribuir com o mercado brasileiro, mas é preciso um pouco mais de ação coordenada entre eles. Claro que só isso não basta, mas ter fontes que passam notícias e visões diferentes em relação aos animes ajuda a criar um pensamento diferente no povo. Ninguém comprará DVDs de animes se essa mesma visão pequena sobre o assunto prevalecer.

    Sem trabalho de divulgação e propaganda é impossível alavancar o mercado. É preciso mostrar que a indústria dos animes é um negócio sério, para não somente atrair o povo, como a imprensa especializada de um modo geral (grandes jornais como a Folha, por exemplo).

    Por fim, inicialmente vim aqui após ver o link postado no blog do Carlírio, o NETOIN!. Sou dono de outro blog de animes, o Subete Animes e gostaria de propor uma parceira com o seu blog. Se tiver interesse me manda um resposta por e-mail. Temos também o site do Kotatsu Shinbun, uma revista mensal ainda em fase experimental que visa reunir blogueiros no intuito de produzir conteúdo relacionado a animes. Mas enfim, gostei do seu blog e se achar interessante o conteúdo produzido por mim, proponho essa parceria.

  5. Adriano disse:

    Oi dênis

    Eu que peço desculpas em parte pelo meu comentário. É que a gente vê tanta coisa no meio dos sites por ai, eu mesmo já tive um e sei como é difícil por causa da competição e ver como os leitores são cegos menosprezando o certo pelo duvidoso e isso exatamente acontece no mundo anime onde todos os grandes sites competem (na minha opinião se resumem a 4, todos os que citei mas sem o ohayo e quando digo grandes falo em questão de importância mas confesso que hoje em dia com tanta coisa que a gente lê e vê, eu fico com os mais simples e menos chamativos sabe? eu como leitor sei o quem merece meu pageview e quem não merece, tanto que dos sites que vc citou na matéria eu só entro no animepro, e dos que ficaram de fora eu entro no anmtv e no blog do amigo nishima que comentou ai em cima. acho que é onde consigo me informar da melhor maneira sobre os animes sem precisar ler piadinhas do genero e outras bobagens que publicam como vc comentou.

    do lance da pegadinha eu acho que no caso do anmtv ele saiu quase ileso pq falou com o canal e publicou aquilo lá.. acho que pros mais antigos ficou mais feio pq pediram desculpas e nem consultaram o canal pra confirmar. mas é lamentável que a maioria das pessoas sejam cegas, e como vc mesmo citou em seu texto, o internauta que confia cegamente numa página, não quer saber de outra entao tudo que ela fala é lei e ponto. e ai menosprezam o mais simples pq ele ou é blog ou na visão desse leitor ele não é confiavel. pra falar a verdade quem trabalah nos bastidores desses sites sabe a sujeira que tem e devido a muitas discussões que acompanhei de ataques entre sites de animes eu posso dizer que hoje em dia eu sei quais os que devo e não devo ler.

    a competição por quem tem a maior e melhor notícia é muito acirrada mas nos leitores inteligentes sabemos em quem devemos acreditar ou não. acho que tem site que acha que ter 80 comentários num post é sinal de status e isso pra mim é uma baita de uma idiotice. tem muito site melhor que as pessoas comentam pouco mas em conteúdo sério são nota 100, seja de anime, televisao ou cinema.

    O leandro falou algumas coisas que eu concordo, alguns blogs tomaram muita importância no mercado e isso vai de quem faz esses blogs que já são chamados de “sites” por causa da qualidade das informações.. isso pra mim basta pq não ligo pra visual de uma página, sendo limpo e seu conteúdo mais que perfeito tá ótimo vc tem gosto de visitar e comentar.

    mas fica válido que a gente se entendeu e gostei muito de ter vindo aqui e só te conheci pq fui comentar lá no anmtv e te vi comentando sobre mercado global e cá estamos. meus cumprimentos mais uma vez e desculpe qualquer inconveniente. reli seu post e concordo com vc em genero número e grau.

  6. Facílimo disse:

    dos sites so o ANMTV se salvou porque consultou o canal os outros sites cairam na besteira de confiar em terceiros.

    tsc tsc tsc

    desculpas não bastam, todos cairam na pegadinha, alguns apagaram os posts (esses nenhum não tiveram cara pra admitir que buscaram inspiração em outros sites)

    o jbox foi o mais afetado, afinal tanta propaganda no site só serve pra lucro proprio.

    tsc tsc tsc

  7. PunKie disse:

    Eu, particularmente, já desisti de toda a esperança no mercado brasileiro de animes e mangás….

    Parei de colecionar mangás, por não querer pagar o preço abusivo da JBC (meio tankobon a 6, 7 reais? WTF?), por falência da editora Conrad (ainda espero o retorno de Cavaleiros G e Vagabond, mas parei de esperar por Blade-A Lâmina do Imortal) e por pura e simples falta de confiança na Panini. Hoje em dia, leio mangás unicamente por meio de scanlations… Que, em alguns casos, são bem melhores que as editoras nacionais.

    Animes? Parei de assistir ao Animax quando percebi que eles não investiam em boa dublagem. Desisti da tv aberta e do mercado de dvd’s há muito tempo, também, por pura e simples falta de títulos. Como com os mangás, recorro aos fansubers pra ficar “atualizada” e ver minhas séries preferidas.

    Quanto a notícias, não há muito o que fazer. Acompanho o site do AnimePró (que foi onde fiquei sabendo dos dvd’s de Jaspion e Changeman, que com certeza irei comprar) somente para saber as novidades nacionais. Para todo o resto, recorro aos sites “fonte” de todas as notícias (Anime News Network, Mision Tokyo, Akibanana, entre vários outros) e a blogs específicos, como o Shoujo Café….

    Sinceramente, não tem como ser otimista assim….

  8. Diego Hatake disse:

    “…a Panini está bem longe de ser uma boa editora, mas é das piores a melhor.”

    Taí, disse tudo. Eu acho que o mercado de mangás nem tem como crescer, já que do jeito que está eles já estão chorando! XD
    Sobre os DVDs eu compraria numa boa, baixo de fansubber mas nunca deixo de ter o original, maaaaaaaas o preço dos dvds de anime é simplesmente ABSURDO! Tem box de séries por 50 paus e o box da “primeira temporada” de Naruto tá quase 200! Assim não dá.
    E sobre o Animax, bem, é um canal PAGO. Se nós que PAGAMOS pelo canal não estamos satisfeitos, acho que deveríamos começar a reclamar, não?

    E é isso. Adorei esse texto.

  9. Adriano disse:

    Leandro vc esqueceu de falar do monopólio que rola no mercado. um site consegue exclusivas de determinado mangá pela editora concorrente ou uma outra de fora, também conseguem informação de dvds passadas exclusivamente pelas empresas que na prática, olham com inferioridade pra certos blogs por acharem que são inúteis e que um site é mais confiável e com certeza vai ser motivo de boas vendas.

    acho que ainda rola um preconceito grande contra os blogs. o site A tem padrinho jornalista que passa notícias pra ele e ai finje que tem contato pra dizer que sabe tudo e o tal jornalista só credita ele pq acha que aquilo é motivo de credibilidade e o resto não presta.

    tb tem gente por ai que vive criticando quem rouba e não credita mas apóia sites que vivem de cópia e manipulação.

    é por isso que o mercado de anime aqui nunca vai pra frente. tem que ter uma quebra nesse monopólio besta que alguns sites e pessoas do meio fazem e acho que só se unindo os blogs podem mudar alguma coisa.

    PunKie tem muita opção de leitura por ai em português e sérias. nao precisa correr só pros sites internacionais.

  10. Denys Fantasma Almeida disse:

    Devo ser sincero que sou novato em blogs de animes, mas desde que comecei a conhecer mais, vi que existem realmente MUITOS bons blogs, que fazem um material sincero, me surpreendi.

    Em cima disso que você falou, Adriano, adiciona que a forma como é esse mercado é levado faz parecer que as pessoas envolvidas fazem de tudo para manter isso como algo de nicho. Como o Leandro disso, é preciso variar, buscar sair do “mundo otaku” também, mas sem perder teu jeito

  11. PunKie disse:

    Adriano, eu acompanho há um bom tempo o trabalho dos scanlators nacionais, como Chrono, Si~lénsce, Kousen e Mangás Space. E sou fã dos caras.

    Eu estava me referindo, mesmo, às editoras nacionais. Ler Naruto ou Hellsing com uma tradução daquelas é… urgh.

  12. Adriano disse:

    oi Dênis

    pra quem já foi do meio ou é, sabe que existe muita coisa por trás dos bastidores dos sites e blogs mas isso acontece em tudo que é canto. dono do site de cinema A não suporta o dono do site B.. no meio anime a mesma coisa e todo mundo sabe quem mente, quem inventa..pelo menos se vc faz um trabalho sério vc fica craque, agora o leitor simplista costuma ser digamos.. idiota e vazio pq acaba fingindo ou não percebendo essas coisas e ai e como eu falei.. rola um menosprezo em cima do resto. o leitor inteligente procura opções e sabe quem faz o que da forma correta, procurando sempre se antenar em sites cujos assuntos são tratados com seriedade.

    claro que todo site tem seu público mas eu lamento pela parcela ”cerabralmente pobre e limitada” que preferem só um tipo de estilo e acham que o que site x diz é lei e o resto não conta. fiz parte de um grande site mas larguei por causa dessas picuinhas do mercado e isso que eu descrevi só rola quando o site é sério mesmo e compete firme e forte pela atenção com aqueles mais antigos. se vc tem ums site pequeno e blog, não vai sentir esse efeito pq seu trabalho fica mais pessoal do que aquele feito pras massas.

    eu condeno os donos de sites de animes menores pq? pq eles so sabem reproduzir dos maiores as notícias e pra mim se for pra fazer um trabalho desse nivel onde a maioria do contéudo é dizendo que o mané do site grande falou.. então pra que ter site num to certo? o legal é quando vc tem suas idéias sem precisar depender de ninguém. mas o que eu falei ai tem um porém: os donos de sites de anime tem pouca idade ocasionando um trabalho amador e ai num tem jeito. acreditam no que leram. mas os maiores tb não ficam atrás e vivem de fazer suas merdas e como falei do monopólio.

    mas vcs notaram que isso vai mudando? parece que os blogs, alguns pelo menos são considerados “sites” pelo público. parece um efeito estranho né? eu como já vivi no meio sei em quem devo confiar ou não e no mercado atual de anime com a lixarada e a competição.. procuro mais as opções mais discretas e sérias do que as de piadas.

    Tudo bem PunKie eu tb leio mangá assim. o preço e a tradução me fazem correr de comprar.

  13. 1 ano depois…

    Gostei bastante deste post, muito bom ver que especialistas estão descontentes com o trabalho das editoras brasileiras. Eu sempre fui cética desde que lançaram dragon ball naquele formato com poucas paginas e naquele papel branco… achava muito ruim mangá no Brasil. Ainda que sou designer, qd vejo esses erros de produção gráfica fico louca rs. Mas confesso que daquele tempo para cá melhorou um pouco essa parte de impressão e acabamento dos volumes, lembro que alguns mangás eram horríveis de manusear, chegava a vir umas folhas amassadas na cola da brochura. Só que ainda sinto falta das páginas coloridas.

    O público também parece não estar muito preocupado com isso, sabe? A maioria está satisfeita do jeito que está.

    Mas também não vou desmerecer tanto o trabalho que essas editoras tem feito, afinal elas ajudaram a divulgar mais a cultura pop japonesa no país e a forjar um nicho de leitores que nao existia antes. Veja que até mauricio de souza está na onda. Se há algo que deveria ser realmente melhorado, é essa questao de dividir os volumes + as gírias. As onomatopeias (pelo q vi em alguns titulos atuais…) estao intactas, nao fizeram o horrorshow de apagar o desenho delas e colocar em portugues, como fazem algumas editoras americanas. Ou não se atreveram em “renomear” personagens.

    Hoje dou um desconto, compro alguns mangás, apesar de nao colecionar tantos. Enfim… acho que esse mercado tende a se expandir, mas nao com a msma qualidade que há no japao. Pelo menos já tem um incentivo…

  14. Saudações

    Também, após longa data da postagem…

    Enfim…

    Serei bem franco: apesar dos pesares, ainda acredito no mercado brasileiro para mangás e animes ( muito mais para o primeiro do que para o segundo ). Isso porque vários títulos, de 2008 para cá, têm aparecido em terras tupiniquins para a alegria e conforto de muitos que aguardavam por tais publicações…

    É bem verdade que isso não significa, de forma direta, que se deve aceitar certos tipos de trabalhos realizados por aí, e isso com direito à preço lá no alto e tudo o mais. Nunca li mangá baixado da internet ( incrivelmente ), e sempre comprei os títulos de meu real interesse. O último que completei foi “Full Moon wo Sagashite”, e hoje estou colecionando “Elfen Lied” e “Honey and Clover”…

    Acredito fervorosamente que, atualmente, os blogs sobre a cultura japonesa possuem um papel fundamental e de grande importância no Brasil pois, em vários deles, é possível notar um trabalho levado à sério, explorando as mais diferentes vertentes da animação japonesa e, de alguma forma, auxiliando na escolha de muitos na hora de buscar por um material à comprar ( seja por meio de reviews ou de análises, por exemplo ).

    Recentemente, li “Sócrates in Love” graças à indicação do jovem Nisishima e, para a minha satisfação, o mangá é tudo o que ele havia dito e mais um pouco. Valeu cada centavo na compra de tal título…

    Essa é a idéia que queria passar, de momento…
    Acho que há um bom caminho ainda pela frente e, na conjuntura atual, basta dar algumas pinceladas sistemáticas ( !? ) que tudo tenderá à dar certo…

    Até mais!

  15. daniel disse:

    caraca que penna pensava que a panini estava melhorando mas quando fui procurar o gibi do naruto me choqueipior ajbc com dbz achei que ia ser bom mas nao vi nada de intereçante a new pop pra mim foi a unica que ta saindo da lama com 1litro de lagrimas eoutros titulos mas as outras ja estao uma bosta continuo comprando os animes de outras editoras mas nunca venho me agradando e nao sei se o mercado vai lonje estou muito decepicionado

Os comentários estão encerrados.