O efeito Dragon Ball Evolution

Olá todos! Estão bem? Eu estou muito feliz! Como vocês já devem ter percebido, sou Flamenguista, e hoje fomos campeões cariocas em um jogo bem emocionante, com direito a decisão nos pênaltis! Parabéns a todos os rubro-negros que gostam de animes e mangas!

Campeão Carioca de 2009
Campeão Carioca de 2009

Mas como eu sempre falo, o Gyabbo! não é blog de futebol, mas de animes e mangas. Por isso vamos ao que realmente interessa a vocês.

Recentemente eu fiz um post aqui no Gyabbo! falando sobre o fracasso que foi a adaptação Hollywoodiana de Dragon Ball. Seja em crítica ou em bilheteria, o filme foi um fracasso total e acho difícil termos uma sequência. Para quem é fã, como eu, o filme chegava a ser quase um insulto, um ataque à infância e pré-adolescência de muitos. Esse sentimento foi genialmente bem representado por alguns fãs nesse vídeo:

Mas apesar de tudo isso, em muito temos que agradecer a Dragon Ball Evolution.

“O que? Ele ficou louco?!”

Sim e não. O filme continua uma porcaria, mas a questão é que a franquia Dragon Ball ganhou um folêgo imenso com esse filme.

Vamos lá: A primeira questão óbvia foi a volta do anime à televisão japonesa. Dragon Ball Kai, uma versão remasterizada, sem fillers, redublado, com menos episódios e com abertura e encerramento novos, com uma belíssima animação (estou até agora achando uma pena não terem refeito a série com uma animação completamente nova), está conseguindo bons índices de audiência, se mantendo sempre no TOP10 japonês. Assim, apesar da censura, certamente pensando já na exportação, DBK foi uma grata surpresa dessa temporada.

DBK

Aqui no Brasil as coisas também são bem interessantes. A Playarte anunciou que irá lançar os DVD’s de Dragon Ball (Primeira fase), sem maiores detalhes ainda. Apesar de ser carera, a Playarte felizmente não é conhecida por cancelar seus DVD’s, mas será que essa empolgação com a franquia vai conseguir garantir o lançamento dos 153 episódios? Torço que sim, já que pretendo comprar os Boxes.

Além disso, em um post no seu Twitter, a Editora Panini afirmou que o filme alavancou as vendas dos mangas de Dragon Ball no Brasil, algo que certamente vem em boa hora, visto a volta da editora Conrad. De acordo com o Jbox, na 26° edição da Abrin – a maior feira de brinquedos da América Latina e a 4ª do mundo -, Dragon Ball foi uma das franquias mais fortes a serem trabalhadas no Brasil, com brinquedos que vão de quebra-cabeças, bonecos, fantasias a jogos de tabuleiro.

Foto do site Jbox

Foto do site Jbox

Por fim, tivemos a Globo levando ao ar nos sábados filmes da série, como o do Brolly, e a editora Abril lançando uma edição especial sobre a série da revista Mundo Estranho, com muita qualidade devo dizer, valendo a pena para quem for fã ou para quem quiser conhecer melhor a série. MundoEstranho

Dessa forma, por mais que o filme seja horrível, ainda sim é possível olhar o lado positivo dessa adaptação, entendendo que o mercado precisa de exibição massissa e só assim para que produtos de uma determinada obra possam se espalhar por aqui. É o mesmo pensamento que me faz ser a favor de animes na Tv Aberta, mesmo censurados (apesar de que ser contra a censura), pois isso tira um título de um nicho e o espalha para massa, possibilitando assim uma real possibilidade de boas vendas e dessa forma, de investimentos.

Fontes:

http://www.jbox.com.br

http://www.otakupt.com/

http://www.animepro.com.br

http://www.twitter.com/editorapanini

Esse post foi publicado em Artigo e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O efeito Dragon Ball Evolution

  1. tsu disse:

    Adoreeeei o vídeo XD

  2. Diego Hatake disse:

    Olha que coincidência, eu sou flamenguista! YEAH! XD
    Bem, se foi o filme em si, não sei, mas a ideia de que um filme seria produzido talvez tenha mesmo impulsionado o projeto do novo anime, pena que o resultado, bem, todo mundo sabe…
    Nunca fui fã de DB, até que gostava quando passava no SBT, mas tu sabe como o SBT tratou DB, fiquei sem ver trocentos episódios de tanto que o horário mudava. E depois, no Cartoon, não fiquei muito fã das intermináveis lutas de Dragon Ball Z. Quando o Goku se tornou adolescente eu não suportava mais e eu já tinha olhos pra outros animes. Mas esse “remake” eu até fiquei curioso de ver.
    E se o filme for pra inspirar algo, que inspire as pessoas a tentar fazer uma BOA adaptação. Se pra cada Super Mario Bros. existisse um Mortal Kombat (na época foi um sucesso e muita gente adorou, mas reconheço que se lançassem agora seria visto como mediano, ou pior)… Mas enfim, é só lembrar de trabalhar uma coisa chamada ROTEIRO, e tentar ser o mais fiel possível. Ah, e o anime ter certa verossimilhança facilitaria MUITO a daptação, e é isso que eu acho que matou o live americano de DB.

Os comentários estão encerrados.