Manifestação Pacífica de Otakus (ou quase isso)

Eu não gostaria de fazer um novo post tão cedo, já que ontem mesmo falei sobre os animes que pretendo assistir da temporada de inverno, que pra mim é o tipo de post mais importante do blog. Mas como o caso de preconceito contra cosplayers em um shopping de Manaus teve uma repercussão enorme (graças principalmente à Sandra Monte e à Petra Leão), me sinto obrigado a comentar alguns desdobramentos.

Apoiado muito pela ideia da Sandra Monte, resolvi marcar um “cosplaço” no determinado shopping, afim de mostrar que os cosplayers não aceitariam ser tratados da forma preconceituosa como foram. Fiz o post aqui, comentei nas minhas contas do Twitter (@DenysAlmeida e @Gyabbo), postei em todas as comunidades otakus da cidade convocando cosplayers, otakus e simpatizantes à participar e mostrar sua revolta.

O resultado foi esse:

Pra quem não conhece, da esquerda para direita; Rômulo (conheci na hora, é um cosplayer, mas não pôde ir com o seu), minha irmã que só foi pra fotografar a manifestação e eu, com meu cosplay de Gohan Universitário (sem o emblema da escola por que consegui preparar com barbante). Sim, três pessoas. Só.

Depois de percebermos que ninguém mais apareceria, o Rômulo foi embora e eu e minha irmã ficamos passeando pelo shopping (eu procurando um HD externo). Não tive problema algum, só alguns olhares para a minha calça laranja, nada demais. Cheguei até a pedir informações a um segurança, tranquilo.

Aproveitei para pedir informações para uma mulher na central de informação do shopping. Ela me informou que não há nenhum regulamento contra qualquer tipo de roupa no shopping. Então entrar de cosplay não é proibido. O que ela informou é que por se tratar de um grupo distinto, o shopping pode pensar que se tratava de um evento não informado à gerência, o que não seria permitido.

Aqui chegamos a parte crucial da conclusão que tirei. O erro aconteceu pelo segurança ter pedido que os cosplayers se retirassem ou mudassem de roupa, quando nada disso é necessário (de acordo com as informações do próprio shopping). Só a informação que estavam ali apenas para passear ou alimentar, não para fazer um evento à parte, tudo estaria resolvido.

Infelizmente o caso foi resultado de preconceito, muito em parte do histórico que a cidade tem de enfrentamento de emos e galerosos, e falta de preparo do segurança em abordar os cosplayers, que também são clientes.

É preciso que esse preconceito seja desconstruído, cosplayer não pode ser sinônimo de galeroso (marginal), mas pra isso precisamos de uma união da cena otaku muito maior do que a que existe hoje em dia.

Esse post foi publicado em Eventos, Relativo e marcado , , , , . Guardar link permanente.

12 respostas para Manifestação Pacífica de Otakus (ou quase isso)

  1. lipe disse:

    Jurava que as pessoas iam se mobilizar e pans…
    Isso reflete o pensamento de muitos: reclamar muito e agir pouco.

  2. Eu disse:

    Pow faltou só a bandeira do PSTU!

  3. Maaaaah disse:

    O medo do desconhecido causa raiva e preconceito.
    A ignorância é uma benção para muitos…
    Certo mesmo é desfazer essa associação de que todos são galerosos/emos. Mas na paz, sem confusão, senão estaremos agindo que nem eles.

    Lipe, agir não quer dizer sair por aí com cara pintada e cartazes, o certo mesmo é dialogar com os gerentes do xops pra eles capacitarem os seguranças a não nos confudirem com os emos-galerosos.

  4. Akane disse:

    Acho que por isso mesmo isso é um sonho longe de ser realizado… Os ‘otakus’ de Manaus são desunidos demais. Nem quando acontece uma coisa dessas eles se unem, só sabem chorar e depois esquecem. (dentre diversas outras coisas, mas eu só acabaria pondo lenha na fogueira)

  5. sandra monte disse:

    Não são apenas os otakus de Manaus que são desunidos, mas de todo o país.

    Lamentavelmente, é cada um por si. Se as pessoas fossem mais unidas, certamente, as coisas melhorariam…

    Abraços,

    Sandra Monte

  6. Olá, Denys.

    Realmente, é muito triste ver que as pessoas ainda não entendem que reclamar não basta, você tem que se mobilizar para conseguir o que se quer. O mais triste de tudo isso é saber que as pessoas que tomaram essa atitude gostam de gastar seu tempo livro lendo histórias sobre personagens que não desistem de seus objetivos e lutam até o fim por eles.
    Quando será que as pessoas vão entender que esse tipo de atitude não é para ser apenas ficcional??
    Não digo que teria sido diferente se essa manifestação fosse promovida em SP, mas posso dizer que eu teria ido.

    Parabéns pela iniciativa.

    Abraços,

    Nínive Leikis.

  7. Denys Fantasma Almeida disse:

    Agradeço o apoio de todos, infelizmente a realidade aqui é complicada nesse quesito, mas como disse a Nínive, acho que o melhor é seguir o exemplo de tantas histórias que lemos e não desistir jamais. Estou com uns planos, se alguma coisas irem pelo caminho certo talvez dê pra fazer algo legal!

  8. Fernando disse:

    Pow, mas esse seu cosplay ai não tem nem como os cara pensarem em barrar, eh roupa do dia-a-dia uheuheuehuheuhe

  9. Denys Fantasma Almeida disse:

    É por respostas assim que a situação não está melhor. Não é o cosplay mais chamativo do mundo, mas é cosplay, é o que eu tenho, recebi os mesmos olhares que todos que são cosplayers recebem.

    Vamos unir gente, não procurar quem sofre mais ou o que.

  10. Srta.Uzumaki disse:

    Olá aqui é o animeoishii.blogspot.com
    não perca a nossa festa de natal, muitas atrações,
    prêmios e etc, não perca, todos ganham presente de natal!!
    convide quem puder *————*

    Data: 22/12(terça) até 30/12(quarta feira)
    esperamos sua participação!!! kissus’

    ps: alguns reclamam muito e fazem pouco, outros so entram pra bagunças, e só poucos mesmo que estão bem preocupados!

  11. Anakin disse:

    Mobilização é a chave da mudança. Boa iniciativa.

  12. Mário disse:

    FAIL.

Os comentários estão encerrados.