Allison to Lillia

Olá a todos! Como estão, preparados para o carnaval que se aproxima? Nunca fui muito fã de carnaval, até por ser caseiro, e como estou de férias, nem o feriado vou poder aproveitar. Mas tudo bem, só não esqueçam; Se dirijam se tiverem bebido. E eu falo sério, sou contra álcool e tudo mais. Mas enfim, sei nem por que estou falando sobre isso, hoje pretendo falar de um anime que teve pouca repercussão quando estreou e depois; Allison to Lillia.

Allison to Lillia é um anime produzido pelo estúdio Madhouse baseado em duas light novels de um mesmo autor: A primeira de nome Allison, que teve quatro volumes e sua sequência, Lillia and Treize, que contou com seis volumes, juntas, venderam mais de 2 milhões de cópias. Foi dirigida por Masayoshi Nishida, já com certa experiência com animes, contando com um total de 26 episódios.

O anime pode ser dividido em duas partes (na verdade não é “poder”, ele É dividido em duas partes), cada uma com 13 episódios, representando cada light novel. Na primeira metade vemos as aventuras de Allisson e Wil ambientadas em um continente dividido por duas culturas distintas e que se encontram em uma frágil trégua depois de anos de guerra. No primeiro momento o espectador é levado a acreditar que o anime irá tratar somente sobre essa guerra, mas na verdade Allison to Lillia é dividido em pequenos arcos, cada um envolvendo algum aventura da dupla.

De início eu fiquei um pouco decepcionado, pois o primeiro arco, sobre um tesouro que poderia colocar fim na longa guerra, parecia render um anime de aventura bem interessante, principalmente se levarmos em conta que o mundo se aproxima aos anos 30. Mas apesar dessa decepção inicial, o anime consegue conquistar com aventuras curtas, passíveis de serem aproveitadas individualmente com um leve conhecimento dos fatos anteriores e com personagens que apesar do clichê, acabam se tornando bem simpáticos para o público.

A segunda metade continua da mesma forma, mas 15 anos se passaram desde a última aventura da primeira dupla, e dessa vez entra em cima Lillia e Treize da segunda light novel. Lillia é filha de Allisson e Treize também tem um papel bem importante, mas não vou entrar em detalhes pois além de ser uma pessoa péssima para fazer sinopses, poderia acabar dando spoilers desnecessários. A questão é que a nova dupla de protagonista não deixa o ritmo cair, na verdade eles são um clichê do clichê que já era a primeira dupla!

Como eu posso explicar melhor… o anime é cheio de falhas, desde sua animação ruim e um pouco feia (acredito que isso se trata por 2008 ter sido o ano em que a Madhouse produziu o anime de Batman e o ótimo Kaiba, deixando essa séria um pouco de lado), passando pelos milhares de clichês, indo pelo ritmo acelerado dos arcos, chegando ao final absurdo. Mas não sei o que acontecia, eu assistia e me divertia com aquilo. Não sei se pelos personagens, se pela ótima música de abertura, se pelas aventuras dinâmicas, só sei que Allison to Lillia, apesar de todas as suas falhas consegue entreter quem busca algo simples. Além disso, para não falar que não existem qualidade óbvias, a escolha da trilha sonora foi muito feliz, da abertura às musicas de ação, são todas muito bem escolhidas e colocadas. Outro ponto positivo é o uso de CG (outra coisa que deve ter tolhido boa parte da verba da animação) nos aviões e trens, realizados sem aquela extravagância que acontece muitas vezes com CG colocados em animes, como no caso de Letter Bee.

Há uma certa queda de qualidade do primeiro para o segundo arco, especialmente pela repetição da fórmula, mas nada que seja responsável por um drop se você já chegou até a metade. Acredito que esse seja um bom anime para colocar pra reproduzir em uma tarde entediante, a diversão fácil é garantida!

Esse post foi publicado em Animes e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.