Bakuman – Primeiras impressões

Olá pessoal! Mais um domingo, feriado prolongado para alguns, ótimo momento para relaxar e, por que não, começar a assistir um novo bom anime? Hoje, no dia em que é comemorado o aniversário da minha mãe (ela não vai ler isso, mas parabéns mãe!), venho com um dos posts mais esperados dos últimos tempos; Bakuman!

Mas não esqueça de votar na enquete do Censo Gyabbo! no menu à direita.Iniciado em 11 de Agosto de 2008 nas páginas da principal antologia de mangas do Japão, a Weekly Shounen Jump, Bakuman rapidamente estourou no gosto do público, apoiado inicialmente nos nomes dos seus autores Tsugumi Ohba (escritor) e Takeshi Obata (desenhista), já muito populares no meio e vindos de um grande sucesso que foi Death Note. Porém, posteriormente a série ganhou pernas próprias, saindo da sombra do Caderno da Morte.

Definir Bakuman não é uma tarefa muito difícil; se trata de um manga shounen que fala sobre o processo de criação de mangas (e autores) shounen, principalmente envolvendo a mecânica de funcionamento da Shounen Jump. Logo, temos aqui um manga metalinguístico.

O manga conseguia manter um ótimo nível de vendas, sempre figurando nas primeiras colocações dos rankings de vendas, mas muito se perguntava se um manga sobre fazer mangas daria certo em uma adaptação animada. Afinal, Bakuman se pautava muito em diálogos extensos e explicações técnicas, diferente de Death Note, que apesar de também contar com diálogos longos, ainda sim era um thriller policial.

Esse ano, depois de mais de 10 volumes compilados, foi anunciada a adaptação do manga, ficando a cargo do estúdio J.C. Staff, o que pegou muita gente de surpresa, já que se esperava a Madhouse no comando (e olhando para Iron Man eu só posso agradecer que isso não tenha acontecido).

Moritaka Mashiro, perto de se formar na escola, não tem nenhuma grande pretensão na vida. Faculdade, trabalho, futuro, tudo parece distante demais, Mashiro só não quer atrapalhar sua família. Se há algo certo na vida de Mashiro é seu amor por uma garota da sua classe, a bonita e singela Azuki Miho, fazendo com que ele passa boa parte das aulas desenhando sua amada no seu caderno.

Um certo dia Mashiro acaba esquecendo seu caderno na escola e sem querer que ninguém descubra sua paixão por Miho, volta lá para busca-lo, mas alguém já o havia encontrado. Takagi Akito, não somente estava com seu caderno e sabia dos seus sentimentos pela garota, mas também conhecia as habilidades com o lápis e o papel de Mashiro. Desta forma, surpreendendo Mashiro, o garoto mais inteligente da escola, que certamente teria um futuro brilhante nas melhores faculdades do país, confessa que seu grande sonho é se tornar um grande manga-ka e quer que Mashiro desenhe suas histórias!

É claro que Moritaka acha aquilo tudo uma maluquice e tudo ficaria de lado se Takagi não o fosse até a casa de Miho. Desesperado, Mashiro vai até lá e descobre que o sonho da sua amada é se tornar uma seiyuu. Em um momento de maluquice, o garoto acaba confessando seus sentimentos para ela e a pede em casamento. Que é aceito. Mas com uma condição, ambos só poderão se ver novamente e casar quando ela representar a heroína de algum manga da dupla.

Talvez você pense que isso tudo é absurdo demais, quem aceita se casar no colegial com uma pessoa que nunca havia falado antes? Mas a questão aqui não é o romance da série, a graça de Bakuman reside justamente na sua metalinguística, sem esquecer, porém, da humanidade de cada personagem.

Em termos de adaptação, o estúdio J.C. Staff fez um ótimo trabalho, seu Character Design consegui transmitir bem a arte de Obata e seu estilo de cores dá o tom certo para a série, que em momento algum procura ser extravagante demais (talvez por isso a preocupação com a sua adaptação que eu tinha).

A história de Bakuman começou, e o estúdio a iniciou muito bem, criando o background perfeito para os personagens, principalmente Mashiro e sua relação com o mundo dos mangas, mas a verdadeira saga da dupla em busca do sucesso ainda está por vir.

Personagens, mangas, problemas, alegrias, toda uma vida em torno daquilo que nós, fãs de animes e mangas amam tanto, está logo à frente de Takagi e Mashiro e pessoalmente eu tenho que dizer: eu recomendo!

PS: Um movimento de gênio do diretor Kasai Kenichi (Aoi Hana, Honey & Clover, Nodame Cantabile) certamente foi criar uma falsa abertura, cantada pelo tão conhecido em terras brasileiras, Hironobu Kageyama, representando o anime do tio do protagonista. Veja e entenderá!

Esse post foi publicado em Animes, Primeiras impressões e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

15 respostas para Bakuman – Primeiras impressões

  1. Qwerty disse:

    O chara design e os valores envolvidos no projeto podem ser razoáveis, mas nada que passe perto da bela arte de Takeshi Obata.

    A direção e ajustes no roteiro, no entanto, são pontos positivos – ao menos no primeiro episódio.

    E sou pessimista quanto a achar que terão mais truques como esse da “falsa abertura”. Fica meio “bizarro demais”, se houvessem.

    Recomendo, “mas com moderação”.

    Cya,

    • Denys Fantasma Almeida disse:

      Sempre achei que o CharaDesign do Obata em Bakuman em um nível um pouco menor do que seus outros trabalhos, então não vi essa diferença tão grande entre o anime e o manga.

      Gyabbo!

  2. Assim que eu baixei e fui assistir, achei que tinha baixado o anime errado por causa da abertuda xD

    Mas ainda sim, fazia tempo que eu não ria assim de um anime, principalmente na cena da proposta de casamento ^^

  3. Viviane Barbosa disse:

    Tô uns 10 capítulos atrasada, ainda ñ vi o anime, mas AMO Bakuman! Vou ver agora mesmo! \o/

  4. Power Otaku ^_^x disse:

    Pra mim o traço do Obata fica melhor é em Hikaru no Go, do que em Death Note ou Bakuman.

    Bem, não entendo qual a rusga do pessoal com a abertura de Bakuman. Esperavam uma Op Shonen Battle? Sempre achei que ia ser uma musica leve com um tom light, já que os meninos estão tentando ser mangakás, e não salvar o mundo O_ox

    Então, o anime pra mim parece que seguirá uma adaptação bem fiel ao original, nada xerox, claro, mas acho que pode continuar agradando.

    Mas tem uma outra sombra negra na bola de Cristal da Vovó Uranai me incomodando (lutei com 5 caras e ganhei só para ver isso). Lembro de ter visto na Bola de Cristal dela (Twitter) o Lancaster falar que parece que o anime vai ter foco maior no romance virgem e puro do Mashiro e sua amada. Ai me preocupa bastante se forem fazer isso, pois aquilo é muito mongol no mangá… quem lê sabe do que estou falando. Mas se conseguirem consertar esse lance, fico agradecido. Mas meu medo do anime fracassar vai mais pra esse lado: Com o número definido de episódios que o anime terá, acho que não chegará até a “Saga do Romance Escroto” (fui eu que apelidei isso XP) de Bakuman (se eu fosse o diretor do anime, mandava pular isso, sério XP), mas dependendo de onde acabar, a coisa vai ficar bem incompleta, a não ser que o final do anime será definido pelo roteirista (o mesmo cara do sonifero K-On), criando aquele grande RAGE entre a MIMIMI-Fanbase XD. Imagina o Chaos nas redes sociais e nos blogs como o + de 8.000 XP

    Mas deixando esses detalhes pra lá (não vou lutar com mais 5 caras de novo pra saber se o final do anime vai ser bom), o anime tá só começando. E recomendo pra todas as crianças, mamães, iguanas, papais, cavalos-marinhos e o vovô e a vovó a assistirem Bakuman. Pode ser uma experiência divertida (só não esqueçam até onde HOTD foi divertido, pode acontecer de novo… (Sim, mencionei isso aqui pro Gyabbo dormir bem a noite XD).

    Ps: Queria tanto o mangá de Bakuman aqui no Brasil. Mas não vai dar tempo de chegar antes dos últimos 2 anos… aff – /zueira XP

  5. fanfinir disse:

    hahaha oremos!

  6. Flavia disse:

    Embora eu tenha achado a abertura de verdade muito fraca e monotona para Bakuman (o mangá parece bem mais empolgante), o que eu mais gostei no anime foram as cenas de humor. Sempre achei as caretas dos personagens, principalmente do Saiko, impagaveis. O melhor momento foi quando eles pediu a Miho em casamento… os dois com cara de ”hã?!” e o Saiko com aquela cara de retardado com a mosquinha passando xDD ri muito!

  7. Amauri disse:

    Concordo com o Power Otaku quando diz que o traço de Obata era melhor em Hikaru no Go, como era o primeiro trabalho deu pra ver que ele se empenhou de verdade mesmo. Em Death note continuou bom mas a mudança de Bakuman não está me agradando.

    Voltando ao Anime amigos… é totalmente inviável fazer um anime semanal com traços que façam juz a arte de Obata… portanto achei que o traço ficou até acima das minhas expectativas, lembrem-se que vários animes começaram com traços mais fracos e depois com a popularidade foram ganhando traços melhorados pelos estúdios de animação.

    Bakuman é tão bom que fiz também um post no meu blog e recomendo :)

  8. Alexandre disse:

    Eu gosto do que Obata fez em Bakuman – ele se adapta de série em série, e podem reparar – o que eles fazem no papel influi no estilo da história. Quando eles faziam mangá de gag, seu traço estava mais relaxado. Agora, eles estão com um mangá mais realista e o traço está mais contido, e por aí vai. Tem coerência.
    Mas enfim, eu não estou desgostando do anime. Mas acho que o lado sobre a produção de mangás tem sido deixado meio que no banco dos passageiros e isso me incomoda.

  9. Marcelo disse:

    Sem dúvida um anime (e mangá) obrigatório para todos (mesmo os que só curtem HQ), não é exagero dizer que Bakuman é um clássico!! Impossível não ser fã!

  10. Igor disse:

    A primeira vez que li o mangá nem sabia se estava lendo algo que valia a pena, afinal … quando te falam de “um mangá que conta a história de dois caras que lutam pra fazer uma mangá” a gente não sente aquuuuuuuuuuueeeela emcoção.
    Mas a cada página, a cada linha, não pude deixar de querer mais e mais. Virei noites a dentro lendo e relendo os mangás e acompanho fervorosamente agora. Posso ser “só mais” um entre os milhares de fãs, mas sem dúvida os autores fizeram um dos melhores trabalhos de todos os tempos e eu vou guardar os bons momentos que passei lendo Bakuman (mesmo caindo aos pedaços de tanto cansaço).
    Quanto ao romance Miho ~ Mashiro, acho que … apesar dos pesares, é isso que a gente quer ver … e é isso que dá suporte à história.
    Que venham mais espisódios de Bakuman !!! Que o mangá continue a rumar para a “as páginas sagradas da história” e que trabalhos de Ohba e& Obata estajam cada vez melhores (aguardamos novas histórias) . BAKUMAN 4EVER …

    Ps: Alguém aí está a fim de fazer um mangá ?? Rsrsrsr .. Vi que tem mesmo como participar dos “concursos” e mandar um “name” pra eles. Quem quer ? Eu desenho (médio) .. mas escrevo bem (F.A.T.O.) !!! Vontade e empenho não faltam … mas será que rola de ser “serialized” aqui no Brasil ?? O.o kkkkkkk

  11. Suzi disse:

    ^^ Eu gostei de Bakuman

  12. mafaldareluz disse:

    Cara, não esperava esse tipo de conteúdo numa história dos mesmos criadores de Death Note. Putz, achei uma grande sacada deles: bolaram uma história tão díspare do mangá/ anime hit. Qualquer coisa que cheirasse a Raito ou L seria comparado e eles poderiam perder muito com isso. Além do mais, provaram que podem mostrar outro tipo de enredo (até os traços de um mangá pra outro são diferentes). Muito legal.

    Eu gostei muito do anime. Apesar de achar o encerramento melhor que a abertura (lol), muito mais divertido! Gostei de como adaptaram algumas coisas do mangá. Achei empolgante mesmo! ^^

  13. Pingback: Os melhores de 2011 |

  14. 9Otaku9 disse:

    Adaptar Bakuma para anime?
    Aff… desnecessário.

    Leiam o manga.

Os comentários estão encerrados.