Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai – Primeiras impressões

Olá pessoal! Infelizmente o feriado prolongado terminou e estamos de volta à batuta.  É engraçado voltar de um feriado no meio da semana e ter que retornar pra rotina normal, parece que estamos voltando de um fim de semana em um dia errado.

Coisas a fazer, mas o Gyabbo! não para! Hoje é dia de comentar mais uma das estreias da temporada de outono, mas antes, não deixe de votar na enquete do Censo Gyabo!, muito importante para o crescimento do blog. Só dois clicks no menu à direita.

Mas vamos lá! Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai.

Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai (“Minha irmã menor não pode ser tão fofa assim” em tradução livre) ou Oreimo como é chamada para facilitar é um anime produzido pela Aniplex e animado pelo AIC. Adaptado de uma série recente (lançada em 2008) de light novels, com 6 até o momento, possuindo também um manga que até o momento contabiliza 2 volumes.

Kirino e Kyousuke Kousaka são dois irmãos que há algum tempo não se dão muito bem. Na verdade ela é quem não dá bola alguma pro irmão, sem a menor pretensão de se aproximar dele. Kyousuke é um rapaz simples, meio calado, quase sempre com uma expressão de banalidade no rosto. Não se destaca dos demais, nem mesmo em casa, onde não ganha muita atenção dos pais, mas muito menos aparenta querer ser algo mais. Por outro lado temos Kirino, bonita, popular, expansiva e que trabalha como uma teen model.

Tudo seguia seu curso normal na vida dos Kousaka até o dia em que Kyousuke, sem querer, descobre que sua irmã na verdade é uma grande… otaku (E vamos parar com papo de “Otome”)! Sim, o grande segredo da garotinha fofa que todos adoram é o fato dela ser viciada em animes e, principalmente, games, visual novels, eroges, de preferência aqueles que envolvam o relacionamento entre uma irmã menor.

Quem acompanha o Gyabbo! há algum tempo pode se perguntar do porquê de eu estar assistindo um anime assim. Devo ser sincero e dizer que comecei a ver com certa relutância. O potencial desse anime ir para o lado errado era (na verdade ainda é) muito grande! Mas felizmente, pelo menos nos primeiros episódios, deixa-se claro que Kirino não tem nenhum complexo com seu irmão maior e muito menos com garotinhas de verdade. A discussão aqui poderia ser longa, mas no fim, ela só é viciada em algo socialmente não muito bem visto.

Adaptado pelo estúdio AIC, que recentemente fez o muito bom Nyan Koi!, temos uma animação com traços incrivelmente bem definidos (principalmente quando se assiste em HD), cores bonitas, personagens femininas arredondadas para aumentar o teor moe. Digamos que o estúdio sabe o público que quer atingir. Apesar de tecnicamente impecável e de combinar com a série, em alguns momentos as coisas podem parecer um pouco artificiais, mas acredito ser uma questão de costume.

Mas a verdade é que a diversão do anime, pelo menos para mim, não está na situação inusitada de se descobrir sua irmã aparentemente ‘paty’ ser uma otaku, mas sim no modo como ela lida com isso e como a própria sociedade a aceita. A questão não é escolher entre ser otaku ou ser “normal” (percebam as aspas), mas por que não se pode ser os dois?

Tenho certeza que muitos aqui já passaram por algo parecido.

Ser otaku (ou fã de anime e manga, como queira) não é tão fácil. Na verdade, ser de  qualquer minoria não é fácil. Certamente você já deve ter ouvido um “Mas você ainda vê desenhos?” ou um “Você tem xx anos e faz coisas assim?” ou até mesmo “Que idiota, fica se fantasiando de um personagem”. O grau de relacionamento entre o espectador (seja o otaku japonês ou o brasileiro, tão distintos) e a protagonista é grande. Kirino possui um pai conservador que aceita relutantemente o seu trabalho como modelo, imagine se descobrisse que ela é um “desses”? A tristeza por saber que algo que faz parte da sua identidade é mal visto ou odiado por aqueles que ama ou mesmo pelos que a rodeiam é triste, e até esse momento Kirino passou por isso tudo sozinha.

É aí que entra Kyousuke. Não vendo nada demais, ele não se importa de sua irmã ter esse hobby, sendo a fonte de segurança que Kirino tanto precisava. Ela quer ter sua vida off, mas também não pretendo largar seu amor pelos eroges e animes, é parte do que ela é. Custará a ele ajudá-la, conhecendo melhor sua própria irmã neste processo.

Primeira imagem que deixo com a legenda (mas essa merece pra entender o clima do anime)

Entretanto o anime não é feito de seriedade, essas questão estão colocadas sutilmente e podem ou não serem aproveitadas, tudo depende do olhar do espectador. Se você quiser moe e mais moe, terá. Mas olhando um pouco mais poderá encontrar um anime com alguma camadas interessantes de se observar, além, claro, de uma boa comédia. O segundo episódio já me conquistou completamente com suas paródias e citações. Prato cheio para quem gosta de referências.

É complicado predizer o destino desse anime. Com apenas 12 episódios e o caráter moe voltado para otakus mais hardcore, a qualidade que existe no anime pode vir a se perder se tentaram um caminho tortuoso (vocês podem imaginar qual). Mas pessoalmente, pelo que foi feito com Nyan Koi!, acredito em uma ótima comédia que, se não marcará a história dos animes como um Lucky Star (marcou? Para mim sim), certamente será um marco nessa temporada.

PS: A voz da Kirino é feito por ninguém menos que Ayana Taketatsu, a mesma seiyuu que faz a voz da Azusa de K-ON!

Esse post foi publicado em Animes, Primeiras impressões e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

16 respostas para Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai – Primeiras impressões

  1. Amauri disse:

    Muito bom o Post porém creio que não vá assistir esse Anime devido a falta de tempo.

    Apesar de não fazer parte do meu gênero favorito parece ser bem interessante o lance de podermos nos identificar com a protagonista mesmo como espectadores.

    Só duas ressalvas: na legenda da foto que tem o “Just an anime” está escrito marece e o nome do Anime é Lucky Star

    Parabéns e até mais ^^

  2. Denys Fantasma Almeida disse:

    Obrigado pelas correções, Amauri.
    A verdade é que eu sou péssimo em revisão, vez ou outra encontro algum erro nos meus textos depois de reler, o que normalmente não faço depois de postar. Por isso gostaria muito que mais leitores apontassem esses erros, não tenho vergonha, importante é ter a humildade de corrigir.

    Gyabbo!

    PS: Encontrei vários outros depois de corrigir esses! Hora de corrigir mais!

  3. Bacanudo. A sua bio chamou mais atenção, though. Me segue lá no tuinter, passa o seu tb: @felclef.

  4. Panina Manina disse:

    Eu gostei muito da direção dessa série.
    Por mim, assistirei até o fim.

    Acho que agora deveria fazer essas impressões sempre com dois episódios para ter uma ideia melhor.
    De qualquer forma, a série a ser batida nessa temporada até agora é The World Only God Knows. Divertidíssimo o segundo episódio.

  5. Power Otaku ^_^x disse:

    Bem, até concordo com a Panina sobre os 2 epis. O primeiro episódio achei chato (especialmente os dialogos) pra caramba, já o segundo eu achei muito bom e acabou me conquistando pra assistir o restante. Aquela briguinha das duas lolis achei engraçada, ri bastante XD

    Só acho MUITO sem noção um pequeno detalhe. A menina sendo uma modelo… o irmão NUNCA, mesmo morando com ela, soube desse detalhe. Estranho não? Ou ele só vivia no mundo dele ou é um tapado daqueles mesmo…

    Ps: Pq em animes eu vejo quartos de um casal com 2 camas? Esses animadores nunca viram uma cama de casal na vida? /zoa XD

    • Denys Fantasma Almeida disse:

      O segundo episódio foi realmente bem melhor que o primeiro, principalmente na comédia, o encontro com aquela “loli” foi hilariante.

      A questão dele não saber é explicada no primeiro episódio, eles não tinham contato algum, ele só sabia sobre a vida dela quando passava pelos corredores. E não me parece, pelo gosto do pai, que esse fosse um assunto muito comentado durante os encontros familiares, essencialmente silenciosos.

      E pelo pai ser muito conservador, acho que seja por isso o fato do quarto deles terem camas separadas, não de casal.

      Gyabbo!

  6. Power Otaku ^_^x disse:

    Então, podemos dizer que a familia deles é TENSA AO INFINITO o_Ox

  7. Panina Manina disse:

    Realmente, também não entende porque duas camas de solteiro, mas isso é algo que os próprios japoneses não entendem. Estão ficando desesperados com a queda na natalidade e população.

    Sobre a Kirino ser modelo, isso é algo que ninguém sabia.
    Aparentemente, para ensaios leves, não precisa de autorização dos pais, ou ela pode ter pego com a mão com uma desculpa.

    Suspeito que parte do motivo do isolamento dela em relação ao irmão era vergonha.
    Ela tem muita vergonha de ser otaku e para ela deve ser um terror deixar um garoto descobrir, mesmo o irmão.

  8. Jeessy ~ disse:

    Eu gostei dessa anime, pelos episódios que já sairam dá pra ver que eles realmente vão abordar a relação da “otakisse” (?) dela com o mundo ao redor, o qual não sabe de nada (ainda!) e vai descobrindo aos poucos
    eu também pensei logo no começo, especialmente por ela gostar de eroge, que fosse se tornar algo ecchi, entretanto a única cena que teve um fanservice foi bem rápida e tensa, mas enfim
    eu crio expectativas quanto a ele também, acho que vai acabar sendo um marcante

  9. Jonas disse:

    Eu estava a ver a série e percebi que o autor não fez o anime que queria, ao menos ao meu ver; Ele fez o anime da própia vida dele, se você buscar mais informações sobre o autor (Fushimi Tsukasa) vai encontrar semelhança entre os dois (Kirino e Fushimi Tsukasa)

  10. senna889091 disse:

    Sobre “otame” acabei de descobrir segundo uma colega no japão que significa apenas “jovem garota”, “senhorita”, algo assim.

  11. JuDoKiNhA-Chan disse:

    Um dia eu resolvir colocar a minha “toquinha” da modoki… em plena cidade no rj… então umas garotas atraz de mim comentam…
    “Tem q ter muita coragem pra usar essas p**** de anime na cabeça, fala serio!”
    Eu claro cai na gargalhada né. Pena que não tem pessoas como eu no mundo tudo

    Anata no Blog Hontoni Kawaii ne… omedetou~

    Verei o Anime me interessou!!! Acabei de ver Angel Beats! e amei espero amar esse também… acredito que seje algo como Nogizaka Haruka no Himitsu em que alguem famosa de boa familia tem que guardar seu himitsu… ser otaku XD

    Ja ne~

  12. Miramoro disse:

    Acho que o anime realmente foi muito bom, as partes que mais me chamaram a atenção foi por a protagonista ser otaku, algumas partes que as meninas fazem cosplay ficou muito bom o desenhista também era bom, acho que o tipo de desenho que ele escolheu para fazer o anime se encaixou bem, não muito simples, nem muito complexo rsrs…acho um dos melhores que já assisti no tipo siscon, outro bom foi SISxSIS.
    Só acho que no ultimo episódio, tipo quando a Kirino diz que vai ter mais conselhos não acho que o Kyosuske deveria ter dito “OK” ele devira ter dito algo como “Ahhggr” rsrs, sei la essa foi minha impressão pelo menos. O final também foi meio forçado, acho que teve que terminar derrepente, não sei ao certo. Ouvi dizer que vai ter 5 OVAs para compensar esse final então ta ótimo.
    Se alguém leu isso tudo obrigado acho que me empolguei um pouco. :)

  13. Marcelo disse:

    Poxa um otimo anime porem naum recomendo asistir na hora de comer vc pode se engasgar de rir!!!^^

  14. Daniel OTAKU Com Orgulho disse:

    puts um dos lelhores animes q ja vi rachei de tanto rir pena q akbo. fico triste quando um anime assim chega no fim.
    achei q akbo derepente tb e queria q o Kyousuke ficac com a kuroneko pois rolo mo clima entre eles nos utimos episodeos.
    Ai JUDOKINHA C TA SERTO JA FUI PRA UMS EVENTOS VESTIDO D Cosplayer E AS PESSOUAS FALA MAS É SO VC NEM LIGA C ELES Não GOSTÂO È NÂO SABEM OQ TAM PERDENDO

  15. isaac disse:

    anime e muito bom bem bolado da ate vontade de mata a irmazinha dele

Os comentários estão encerrados.