Sou oldschool demais para isso…

Olá a todos! Eu realmente deveria estar estudando no momento, até porque irei viajar de sexta até segunda para São Paulo (quem for daí é só dar um toque que podemos nos encontrar) e estou cheio de trabalhos para fazer e textos a ler, mas enfim, quando a vontade não vem, não adianta forçar, pelo menos sempre foi assim que o estudo funcionou pra mim (tirando na época do vestibular).

Hoje não irei falar sobre um anime em questão. Pra falar a verdade eu nem sei exatamente sobre o que irei falar. São coisas que foram surgindo na minha mente esses dias e que me pareceram que poderiam formar um post, então vamos lá!

Há quanto tempo você assiste animes? Claro que muitos iriam responder que assistem desde pequenos, seja na Manchete, no SBT, no Toonami ou talvez no Band Kids, mas o que eu quero dizer mesmo é desde quando você assiste animes por eles serem animes.

Pessoalmente eu posso dizer que estou nessa tem mais ou menos dez anos, assistindo animes como Love Hina em uma qualidade questionável.

Venho então com uma segunda pergunta, quando foi a primeira vez que você ouviu expressões parecidas com “Ah! Esses animes de hoje em dia não tem a mesma qualidade, bom mesmo era antigamente!”?

Desde os tempos mais remotos, desde que eu me conheço como fã de animes (o que é bem anterior à ser fã de mangas) já ouvia coisas parecidas. Lembro bem que na minha cidade, Manaus, existia uma exibição semanal de animes no chamado “Palácio Rio Negro”, que de fato é um palácio e já foi sede do governo do Amazonas. A primeira vez que fui lá, ainda na falta de muitas opções para ver animes, o que não faltavam eram os chamados “clássicos”, que ainda de qualidade muito questionável, eram expostos sem questionamentos.

O meu ponto aqui é que desde que o mundo é mundo e o anime chegou ao ocidente na forma de fansubs, mais especificamente no Brasil lá pela década de 90, sempre surgiram pessoas não satisfeitas com as produções atuais, saudosistas, oldschool.

A morte da indústria dos animes, como fonte de originalidade e criatividade, já foi dada como morta centenas de vezes, mas aqui estamos, baixando, comprando, assistindo e comentando animes. A situação está tão feia assim? Baka to Test é tão inferior assim à School Rumble? Code Geass não chega aos pés de Mobile Suit Gundam? Higashi no Eden é uma porcaria perto de Appleseed?

Sinto informar aos mais alarmistas, mas a verdade é que a indústria de animes está longe de se esgotar.

Na minha visão a questão não está no fato de serem mais criados animes bons, mas sim no fato de serem criados animes ruins demais. Apesar de termos tido um boom maior nessa produção, principalmente no início da década com a popularização dos animes no ocidente e Europa, ela ainda perdura. Digamos que hoje temos uma proporção de 1 anime ótimo para 30 ruins. No passado essa proporção era menor. Além disso, hoje mais do que nunca temos acesso informativo à tudo que sai. Tudo é alvo de uma discussão, mesmo que rápida. Antes o que encontrávamos normalmente já eram os animes bons, os ruins ficavam escondidos (claro que há exceções).

É quase um instinto acreditar que aquilo que veio antes ou aquilo que nós tivemos acesso antes é melhor que a geração atual. Isso se dá não só com animes, mas também com a literatura, filmes, música. O mundo realmente tem se tornado uma grande porcaria cultural? Estamos em rota de colisão? Duvido. Procure melhor, selecione com mais cuidado, leia as opiniões alheias, tire as suas próprias, saia do mainstream, certamente você achará algo que poderá chamar de um “novo clássico”.

Existe, é claro, alguns pontos da indústria que “danificaram” sua imagem. Após o boom de grandes vendagens, o acesso mais rápido e livre à internet e a mais recente crise mundial (além da estagnação econômica japonesa que se deu), fazer anime ficou certamente mais caro e arriscado. Aqui entrou a máximo do “copie o que está dando certo” em um nível nunca antes visto (não se engane, isso sempre existiu, só não dessa forma). Fez-se necessário que muitos estúdios se apegassem à públicos cativos para sobreviver (leia aqui: Otakus japoneses).

Ainda sim, por mais que a visão no horizonte seja turva, não acredito que devemos olhar o quadro atual com tamanho negativismo. No meio das pedras sempre irá existir uma pepita de ouro. É claro que existem dezenas de outros fatores que podem turvar nossa visão frente aos animes atuais, principalmente o fato de todos estarem crescendo e mudando. Isso faz parte da vida, mas é uma discussão para outro post.

Mas e você, o que acha disso? Existe um certo exagero dessas pessoas ou os animes estão vivendo uma verdadeira crise? Eu expus minhas ideias quanto a isso, agora gostaria de ouvir a opinião de vocês!

Esse post foi publicado em Animes, Artigo e marcado , , , . Guardar link permanente.

38 respostas para Sou oldschool demais para isso…

  1. Keroicon disse:

    Essa história de só os animes antigos serem bons eu já cansei de ouvir várias vezes. Já vi gente falando “Não assisto animes feitos depois de X ano”, o que eu acho uma burrice porque a pessoa pode até conseguir ver a grande maioria dos animes feitos até X ano, mas depois verá o que? Ou ela terá que ver todos de novo ou será obrigada a assistir os animes atuais e morder a língua.

    Em todas as indústrias existem coisas de baixa qualidade e cópias, a indústria dos games tem grandes semelhanças com a indústria dos animes(pelo menos é o que me parece). É normal.

    Eu não julgo o anime que eu assisto pela data que ele foi feito e sim pelo enredo, traço, a mensagem que ele passa, se ele conseguiu me emocionar…

  2. Pingback: Tweets that mention Sou oldschool demais para isso… | Gyabbo! -- Topsy.com

  3. Pingback: Lanterna Verde | Aquarian Publishing

  4. João Pedro Fagundes disse:

    Meu nome é João Pedro e assisto anime desde a muito tempo atrás e é a coisa que eu mais gosto de fazer. Cara eu tenho uma opinião diferente acho primeiramente que dizer que Gundam é melhor que Code Geass é um absurdo ( eu assisti todos os Gundams e na minha opinião o Seed é o melhor o antigo com o Amuro e o Char é um clássico, mas não é grande coisa ), Code Geass é o anime que possui o melhor final de todos e o Goro Taniguchi foi um gênio elaborando uma história complexa e inteligente. Para terminar acho Code Geass o melhor anime que eu já vi porque ele realmente foi o único em todos esses anos que me surpreendeu muito.

    Agora falando da indústria de animes, ela esta indo maré a baixo mesmo dos anos para cá animes originais que não tem mangá são muito poucos e isso causa um estrago danado na indústria e mesmo as histórias estão todas clichês demais, pode ver nos mais diversos tipos de estilos: shonen, shoujo, harém, seinen, mecha. É raro ver uma anime com algum diferencial hoje em dia, sabe aquela magia que tu sente quando tu assiste Saint Seiya, Yu Yu Hakusho. A CLAMP mesmo que eu sou fã demais depois de xxxholic e Tsubasa lançou Kobato que não me agradou nem um pouco a CLAMP é um dos mangakás que mais entrou e declínio com um começo bom com X e depois Sakura elas não tiveram mais criatividade para criar novos projetos.

    E a Shonen Jump coloca obras como One Piece, Naruto e Bleach para sustentar a empresa é certo que os mangakás irão ter que continuar estendendo a história por muito tempo porque se essas três obras acabarem a Jump e a Toei simplesmente iriam fechar.

    Mas realmente de de 2009 para cá a coisa anda feia mesmo o cara tem que se matar procurando para achar um anime decente espero que o autor de Death Note ( que agora esta fazendo Bakuman ), Goro Taniguchi e outros autores consagrados consigam dar a volta por cima e fazer projetos fortes e interessantes porque se formos pela nova geração de mangakás a coisa vai ir pro buraco.

  5. Fernando Eduardo disse:

    Eu assisto anime desde que eu comecei a assistir televisão. Assisto anime por ser anime, há alguns anos apenas.

    Essa história de old is cool sempre existiu, sempre vai existir.
    Meu conceito sobre isso é simples: toda época tem o seu anime épico que será lembrado no futuro como melhor, porém, na mesma época, tem os animes ruins, que são usados para lembrar que os animes mais velhos eram melhores. Logo, o que ocorre hoje, é apenas uma cópia do que ocorreu.

    Realmente há animes ruins, mas há animes como Death Note, Code Geass e outros.
    E digo o mesmo para os anime movies. Não tem como dizer que Summer Wars e Byousoku 5cm não é algo épico e que não será lembrado como exemplo.

  6. Lucas disse:

    Não sei se os animes estão em crise não, pois, dos 30 animes mais populares no MyAnimeList, apenas 2 (dois) são da década de 90, 10 (dez) são de 2000 a 2005 e 18 (dezoito) foram feitos após 2005. Mas se tem uma coisa que me desagrada, e eu diria ser uma crise dessa nova geração de animes, é a explosão do ecchi e do fan service.

    —–
    Sempre tive uma preferência por desenhos de aventura e foi nos animes que encontrei o meu recanto, mesmo não sabendo que eram animes (Dragon Ball, Fly, Guerreiras Mágicas, Sakura…). Só descobri o que eram animes, quando comprei uma determinada revista, que vinha com um poster do Dragon Ball. Desde aquele dia sempre sonhei em conhecer todos aqueles “desenhos” da revista. Mas como? Aqui no interior não tem disso e nem computador eu tinha. Ficou só na vontade mesmo. Quando ganhei um computador, o primeiro “anime por anime” que assisti foi Love Hina, em rmvb, 35mb, baixados com minha net discada. Depois, um colega meu, não sei como, arrumou Evangelion e Elfen Lied em qualidade super alta. Mas só comecei a assistir animes em grande escala a 3 anos, quando assinei Banda Larga.

  7. Meus caros, só digo uma coisa: A gente foi criado assistindo um modelo de anime bem tradicional, como Shurato, CdZ, DB, DBZ, que são shonens CLÁSSICOS e altamente modelados. Isso é fato. A questão é que crescemos e muitos esqueceram de evoluir e conhecer novos modelos. Antigamente, quando havia menor acesso aos meios de comunicação rápida como a Internet, ter acesso a animes era MUITO, leia-se bem, MUITO mais difícil e só chegavam a nós os animes mais clássicos, conhecidos, famosos.

    Hoje em dia, a gente aqui no Brasil (digo isso para os leitores brasileiros, não sei se há leitores de outros países) consegue assistir TODOS os animes da atual temporada. Querem um EXEMPLO E TANTO? Highschool of the Dead. Apesar do absurdo sucesso que tem, tanto no Japão quanto nos subs (ou tinha, afinal já acabou), talvez nunca nem passe perto de uma tradução para nós brasileiros (e portugueses também, porque não? xD)

    O crescente NuraMago, Bakuman, apontados inclusive pelo ilustre @alex_lancaster (Não é ironia, eu o respeito bastante) como as promessas, talvez também nunca passem por aqui. E observem, só estou tratando do meu nicho, shonens MAINSTREAM.

    E falando nisso, porque não citar o meu mangá preferido, Shijô Saikyô no Deshi Kenichi cujo anime não é respeitado nem em eventos? (Pelo menos aqui no Piauí não…) Será que tem chances de ser traduzido? Improvável demais.

    Resumo: Não é que os old school sejam melhores. Nós só tínhamos um menor acesso a animes, conseguindo ver apenas os que eram tomados como os melhores animes, os que dariam lucro. Com o advento da Internet, citada como meio de comunicação, viemos a ter acesso a temporadas completas de animes menos conhecidos, muitos, inclusive, que não chegam a ter o mesmo apelo dos que conhecíamos. Isso nos dá uma ~falsa~ impressão de que o oldschool é melhor. Só digo uma coisa para os otakus oldschool que se acham: Os dinossauros morreram porque não conseguiram se adaptar às novas exigências ambientais. Entendam como quiserem ;D

    Sem mais, tá aí, meu caro amigo twitteriano Gyabbo XD

  8. Talita Shiguemoto disse:

    Eu vejo anime desde os 5 anos, mas assistir sabendo que é anime faz uns 10 anos. O conceito de bom ou ruim é bem questionável, relativo. A maioria das pessoas acima de 18 anos já falara/pensaram “não existem animes bons como antigamente”, pessoas entre seus 14 a 17 anos acredito que não pensam tanto assim, bom desnecessários dizer dos nosso pequenos (lembrando que falo da maiaoria). Muitas coisas envolvem esse lance de old’s cool, o fato de que não tivemos a facilidade de acesso aos animes na nossa época, acabamos vendo os melhores, que foram comercializados mundialmente, por isso concordo com você, não é que não existam animes bons, existem sim, e muito bons! O fato é que agora precisamos procurar “agulha no palheiro”. Outra coisa é que o perfil das pessoas que assitem animes muda, logo o mercado tem que acompanhar esta mudança. É claro que a cada dia fica mais díficil inovar no meio de tanto material já criado, mas um bom mangá/anime não é feita só de uma idéia (ex:deuses e seus cavaleiros de armadura, mechas …) tem que saber levar o enredo, o estilo do traço, a profundidade na qual os assuntos são abordados, e assim vai…os autores de hoje tem potencial para isso, mas é como você disse, tem que procurar.

  9. Ryo disse:

    Acho que ainda saem muitos animes bons, Rainbow é um ótimo exemplo de um bom anime recente.

    O problema maior não está somente nas produções atuais, mas acho que na geração atual de fãs. Não é nostalgia, mas a medida que o tempo passa, parece que o fútil se torna regra.

    Numa geração que considera K-ON – um anime extremamente sem contexto – como um dos melhores animes feitos recentemente, sinceramente, tem algo muito errado!

  10. Qwerty disse:

    Uma coisinha antes: old school quer dizer velha guarda em inglês.
    ______________________________________________
    A qualidade geral das animações japonesas se mantém a mesma há um bom tempo. Houve aumento da variedade e da quantidade de obras produzidas na última década. Mas as possibilidades da mídia estão cada vez mais limitadas, e o anime chegou a um ponto em que vale mais a pena a auto-referência [tanto de piadinhas internas, onde um anime cita o outro ao uso ad eternum de esteriótipos como cooldere, reverse trap e osananajimi] e o referencial é somente outras obras de animação – falta aos criadores tentar formular histórias fora da fôrma [acho que caiu o acento, mas colocando para evitar confusão] e buscar referenciais maiores, como os animes de qualidade fazem, como qualquer obra de qualidade faz.
    ______________________________________________
    Há um outro ponto válido a esta discussão, mas acho que vou formular melhor e publicar em outro canto.

  11. Fernando disse:

    Já li muita opinião não pensada. Essa de “blablabla não conseguimos nos adaptar” não existe, se for isso quero que alguém me explique o sucesso de naruto e Bleach, que são dois animes lixos de atualidade mas que fizeram muito sucesso (e fazem). Uma grande diferença é que antigamente tinha-se uma variedade de animes boms, alguns boms por sua própria excelência e outros por falta de recursos se tornavam “automaticamente” boms mas na verdade não são (Digimon, Pokemon e entre outros). Mas falar que DBZ não foi superado atualmente é querer força DEMAIS (nas mesmas epócas yu yu hakusho já era um exemplo melhor do que DBZ ou até CDZ), o pessoal acha que só porque foi parte da infância é melhor do que tudo hoje ffffff.

    Apesar que DE FATO antigamente tinha exemplo de animes BEM melhores do que muitos que temos hoje (mas não que hoje não se tenha animes melhores do que os antigos, apesar de poucos). A atualização dos estilos foi ficando retardada junto com os fãs e como já dizeram antes aí, a popularidade de estilos com ecchi, fan service e séries SEM CONTEXTO NEHUM como vocaloid, Luck star (bem ou mal esse é até assistível), K-ON, Tohou FODERAM com o universo japonês nos animes e etc. Quase tudo que é ruim os japoneses gostam. (E agora tem panty & stocking também, que apesar de ser engraçado existe “N” animes melhores pra se ver). Esse é o maior problema. O pessoal não se atualizou não, foi regredindo. Exemplo disso são que tudo que é modinha o pessoal segue. Fato.

    Apesar de praticamente todos os animes antigos (ou quase) terem sido superados atualmente vocês preferem apreciar o pior.

    Reclamam da falta de Shonens ótimos atualmente mas poucos assistem animes como Sengoku Basara (que é MUITO melhor do que os antigos e os de hoje como naruto) e Soul eater.

    Reclamam pela falta de drama ou envolvimento mas poucos assitem mononoke (não é princess mononoke).

    “saia do mainstream”, disse tudo.

    P.S: Quando Highschool of the Dead for um exemplo de anime bom me avisem xD

  12. Rafael disse:

    CARA muito bom esse seu post…. e pra mim o anime é algo igual ao futebol
    as pessoas vivem dizendo que na época de tal o fut. era melhor igual ao anime, cinema e outras coisas
    da pra entender q quem viu cavaleiros do zod., evangelion, drbal, sente falta de clássicos.

    Só que me diz quem viu Casshern sins já não pode-se chama-lo de clássico, Talvez não por ser um anime recente em vista a outros + em breve será..

    ONE PIECE, NARUTO, BLEACH, NUHARYON, dentre outros não dá pra comparar com SAKURA CC, YUYU HAKUSHO, ETC… mais são exelentes animes com ótimo futuro, uns se passerem muito com outros animes + Cavaleiros quantas cópias não teve, Evangelion, Samurai X….
    É irrelevante ficar pensando nas semelhanças o legal é ver as diferenças de um pro outro…

  13. Edvan disse:

    Assistia a animes a muito tempo, mas era tratado por aqui (diga-se Brasil) sempre de forma pejorativa. Tudo bem que como diz no texto, tambem não sabia o que era anime. Gosto dos classicos que por sinal marcaram bastante a minha infancia mas, se for analisar hoje a qualidade grafica que a tecnologia nos tras deixou os animes bem melhores. Quanto ao enredo e historias, tem muita coisa que é considerada boa…mas se for analisar friamente. Não é melhor que muitos dos animes considerados bons hoje. Referendando um comentario acima. Code Geas é incomparavel em sua tematica, como Death Note, Elfen Lied…cada um ao seu modo. Tudo bem que esses ja estão virando classicos por ja irem seus 3 anos alguns mais que isso. Sou fã de carterinha de CDZ, mas se olhar como critico Bleach tem mais a acrescentar e lutas mais memoraveis. Mesmo achando que ha varios outros melhores que ele.

  14. roberta disse:

    “saia do mainstream” +1

    Ainda existem otimos animes, esse conceito de antigo vs moderno está furado. Isso de “antigamente” é muito old, coisa de saudosistas. Cada epoca teve sua “bomba” e seus “clássicos”. Claro, é estranho se referir a animes produzidos nesse década como “clássicos”, mas com o tempo, muito deles se tornarão. E gostem ou não, Naruto, One Piece, Bleach e cia ltda se tornarão clássicos, ai entramos naquela discussão; “todo clássico é bom?” Enfim.

    Acho que com a crise, teve um aumento de animes com tematicas moe, ecchi, crossdresses, temas que fazem sucesso, tendem a ser seguidos atualmente (vide Keion) em proporções bem maiores que antes, já que com a crise, ninguém quer errar. O resultadodisso é que, o anime não basta ser bom, tem que vender também. Anunciaram que, por causa das baixas vendas, o ótimo Aoi Hana, não ganharia uma seguência, infelismente. Esse é um dos varios exemplos de animes que não fazem parte do mainstream e pagam caro por isso, então, eu acho que antes de sair xingando que tal temporada tá uma merda, vale a pena fazer uma pesquisadinha. Porque ninguém (ou poucos) fala do fantastico anime Kaiba (traço lembra muito o Tezuka), Mononoke, Haibane Renmei? Mas isso falando no geral, pois acredito que há animes bons para todo o público (quer dizer, todo não, porque são produzidos pouquissimos — Por sorte KnT está voltando x,x), para quem é mais exigente, procurando embaixo do tapete com certeza encontra algo bem legal, como é o caso atual de Kuragehime.

    No mais, reclamar do que é produzido atualmente, é algo normal, todo mundo reclama que as novelas antigas eram melhores, que não se fazem mais filmes como antigamente e que as prateleiras de livros foi invadida por infant-juvenis.

  15. Lola disse:

    Assisto ‘anime por ser anime’ há uns 3 anos eu acho, já assisti muitos ‘clássicos’, porque achei que eu como aficionada por animações tinha que ver e acho importante sim ver os olds, mas também acho que apesar do excesso de ecchi e fanservice, se procurar da pra achar animes bons.

    Mas sinceramente, EU as vezes assisto animes que provavelmente não se tornarão clássicos nem daqui uns anos, só pra relaxar sabe.
    Sempre vai haver reclamações sobre isso, mas acho que quem gosta de animes deveria ficar feliz porque hoje agente pode selecionar o que quer ver, não esperar que escolham o que é a bola da vez, é só procurar.

    Adorei o post.

  16. Taiane Kimura disse:

    é como alguém citou, é que antes “só os melhores animes chegavam aqui e agora temos acessos a todos da temporada”. Acho que é um ciclo, futuramente vão falar que animes eram melhores no passado que no presente e assim vai.
    É como diz no texto do filtro solar “E quando você envelhecer, você fantasiará que quando você era jovem: os preços eram razoáveis, os políticos eram nobres e as crianças respeitavam os mais velhos.”
    ér, enfim, ótimo post x)

  17. Com certeza o problema é a proporção de bom/ruim que está pesando muito atualmente para os sem-conteúdo-mas-que-vão-vender Hoje, qualquer mangá ecchi vira OVA, OAD, Anime (KissXSis que o diga) e todos tem muita informação sobre tudo isso.

    Pessoalmente, clássico é clássico sendo feito a 20 anos, 10 anos, 6 meses atrás. Minha lista pessoal de clássicos com certeza tem mais animes de 2005 pra cá, afinal é o que eu conheço em maior quantidade.

    Porém, existe outro ponto que eu, como não-conformista, vou defender sempre. Os animes não estão morrendo, ok, porém todos sabemos que tá mais difícil achar material de primeira. Porém isso é motivo para não achar que as porcarias por aí totalmente irritantes? Isso impede de reclamar, e muito devido a quantidade ne, dos fanservices e ecchis inúteis? É uma questão de não engolir tudo o que sair ne.

    Simples assim ^^

  18. Rhyel disse:

    Eu assisto Animes desde de Zillion e Robotech, Cavaleiros do Zodiaco também e adoro os Animes atuais também, mas só alguns. Eu particularmente acho que as pessoas estão muito fatalistas ultimamente.

    Os fãs de Code Geass ignoram os problemas da segunda temporada. A série é ótima, mas fã exagera.

    Quem gosta de sangue, enche o peito para falar que K-On é uma droga.

    Por que alguém que gosta de Naruto e Bleach não gosta de Soul Eater? Vai entender.

    Eu gostaria que na minha época Kimini Todoke passasse na TV aberta. Seria legal ver como uma série assim seria discutida entre os estudantes que estão começando a namorar.

    Para os Animes baseados em mangá, antes ninguém tinha acesso ao Mangá aqui no Brasil e ninguém sabia o que iria ocorrer e a conversa sobre os próximos episódios era bem bacana, hoje todos já leram o mangá e a discussão fica em torno da fidelidade da adaptação.

    Outro anime recente original que eu gostei muito foi Academia do Oculto. Anime original que gerou pouca discussão e teve ótima dublagem e acontecimentos.

    Estes animes de baixa qualidade sempre existiram, só que hoje todo o mundo tem acesso a eles, e muitos simplesmente assistem todos, sem filtro e no fim assistem mais coisas ruins que boas e fica esta sensação que está tudo piorando.

  19. Ryo disse:

    A questão é: quem em sã consciência acha K-on um bom anime? Sério, pra assistir aquilo tem que desligar o cérebro da tomada, porque aquilo é sobre nada, personagens com personalidade clichê e sem desenvolvimento algum. O engraçado é que Keion é um dos animes mais cultuados por essa geração de “3 anos pra cá”.

    Eu diria que K-on é o símbolo da geração atual: Fútil e sem conteúdo.

    Como eu disse antes, animes bons ainda existem, é besteira dizer que não. O problema maior são os fãs que enaltecem coisas sem muito sentido.

  20. Oi Gyabbo, parabéns pelo post. Eu consideraria mt conservador pensar que só anime antigo é bom, isso é papo de velho perdido no seu tempo rs. Os artistas mudam, o estilo é outro, a criatividade não cessa. Não nego que há muita repetição, mas seria exagero pensar numa crise por causa disso. Até porque não é todo mundo que tem a exigência por “clássicos”, qualidade, inovação ou seja lá o que julgamos de melhor. Nem a indústria está interessada nisso. E não são apenas os otakus, mas todo mundo é superficial de alguma forma, seja com música, filme, televisão. A questão é respeitar mesmo, quem é oldschool vive com o discusso que o mundo tá estagnado, sendo que ocorre exatamento o oposto.

  21. oberdanorris disse:

    Realmente ótimo texto, parabéns aí Gyabbo.
    Estranhamente comecei colecionando mangás e só após dois anos que fui atrás de animes, e como muitos, comecei vendo Love Hina.
    Diferentemente dos oldschools não acho que os animes de antigamente sejam melhores, não em sua maioria, afinal quem realmente gosta de ver as batalhas invisíveis (de riscos) de Dragon Ball e as acham boa?
    Se víssemos os animes tidos como clássicos atualmente com o nosso critério atual, teríamos a mesma concepção?

    As histórias não eram clichês, porque foram o início dos mesmos, os animes estavam em ascensão mas havia pouco do que se copiar qualquer coisa que saia dali era original, e obviamente é muito mais difícil fazer algo original atualmente após já terem animes de TUDO. Por isso respeito muito esses animes.
    E há bons exemplos disso, é apenas uma questão de procurar, mas acho que sobre isso muitos já falaram o que queria, de como só animes famosos vinham para cá e não conhecíamos direito a industria de animes…

  22. Hidekee disse:

    Eu vi o post no dia que vc postou mas só hoje pude ler com calma e atenção devida. Gostei muito do seu texto e realmente concordo com tudo que escreveu. E ainda posso incluir um detalhe: vamos envelhecendo e para muitos a “magia” vai sumindo com o tempo.

    Eu vejo anime sabendo que é anime a mto tempo mesmo, com Macross e Akira sendo meus primeiros com consciência de serem obras japonesas chamadas animes. Por isso que afirmo que não é isso tudo que o pessoal fala. O que foi citado de ter mais anime ruim, realmente tem, mas tem muitos medianos também, que apenas não brilham, só isso. Se comparar com a dificuldade que era achar um anime para nós a 10 anos atrás, por exemplo, hoje temos demais e acabamos ficando mais exigentes, o que é até natural. Tem muito anime bom, muito anime mediano, mas muita porcaria mesmo.

    Mas há um detalhe que vale chamar a atenção: com o tempo vamos criando conceitos e usamos esses conceitos de forma a prever coisas, daí vem os nossos preconceitos. Assim tem muito anime aí injustiçado apenas por “lembrar” ou “parecer” com outros animes. As pessoas nem dão uma chance e já caem de pau. Uma amiga odiava K-On por achar moeshit e considerar cópia barata de Beck sem nem ter parado para assistir. Recentemente deu uma “segunda chance” ao anime e acabou gostando muito e curtindo, pois percebeu que não era o hype todo mas não era a porcaria que considerava. Vai muito do que vc espera ao ver o anime. O mesmo aconteceu com um amigo que não ia ver Code Geass pq odiava CLAMP, sendo que as desenhistas sõ desenhavam, mas enfim, qdo o convenci a ver ele adorou e se arrependeu do tempo perdido.

    Até hoje tem muita gente que tem o problema de ver um anime com um monte de preconceito e simplesmente não aproveita da forma que precisa. Sinceramente, tem anime que não tem proposta alguma além de divertir com piadinhas ou contando a história de personagens como uma novela, mas aí vão uns desavisados esperando ver o suprasumo da filosofia da vida… E quebram a cara… E taxam o anime como um lixo, o que não é bem culpa do anime em questão na verdade…

  23. Ryo disse:

    O Gyabbo está ironizando no twitter sobre quem fala mal de keion…pfff

    Sinceramente, é um desrespeito comparar Naruto com Keion. Quem fala mal de Naruto, com certeza nunca viu Keion.

    Naruto é ruim, mas ainda sim tem uma história, algo a mostrar, as coisas acontecem em Naruto. Bom ou ruim, mas acontecem. Em Keion, o que acontece?

    Não adianta ficar de mimimi, chamar de wannabe ou coisa do tipo. K-on pode agradar alguns descerebrados, na verdade é até simpático, mas não passa disso.

    • Denys Fantasma Almeida disse:

      @Ryo

      Acho que você entendeu errado o que eu falei no Twitter.

      Primeiro, não comparei Naruto com K-ON!, até por que seria irresponsável fazer isso, a única coisa que eles tem em comum é o fato de serem ambos animes.
      Segundo, o que eu disse foi que anteriormente as pessoas que achavam seus gostos superiores aos das outras pessoas, usavam o anime Naruto como ponto de comparação negativa, sendo que o alvo hoje mudou, sendo agora voltado para o anime K-ON!
      Terceiro, K-ON! é um slice of life, um estilo onde pode haver ou não um enredo, um desenvolvimento, conflitos. A questão do slice of life é mostrar pequenos fragmentos da vida de determinados personagens. Sabendo disso, acredito que a sua crítica se esvazia. Talvez você possa criticar que K-ON! não é um bom slice of life ou que você não gosta de slice of life em geral.

      Gyabbo!

  24. Leo disse:

    “Sinceramente, é um desrespeito comparar Naruto com Keion. Quem fala mal de Naruto, com certeza nunca viu Keion.”

    Desculpaê, eu vi Naruto, acompanho o mangá, e acho K-on! muito melhor. Já tive minha birra com Naruto, que passou por causa de vários acontecimentos interessantes no Shippuden, mas ainda assim acho K-on! mais interessante, personagens mais carismáticas, a evolução da amizade entre o grupo, etc.. E olha que nem sou tão fã de slice of life, apesar de gostar de alguns outros animes do gênero.

    E eu acho essa questão de comparar antigos com atuais bem complicada. Tem gente que via anime quando era pequeno e hoje em dia se distanciou, daí acaba defendendo que os animes de antes eram muito melhores, mais ricos, com mais conteúdo.
    E também acho que tem a ideia de que antes os clichês ainda estavam sendo firmados, começando a se solidificar, e no cenário atual eles são usados à exaustão, o que pode dar uma sensação de falta de criatividade. Mas acho que é como você disse no post, eles têm que apostar naquilo que dá certo, que sabem que vai vender, então acabam fazendo obras menos criativas.

  25. BARA SHOUJO disse:

    Gyabbo owneeddd

    PAREM de falar mal de keion, vocês não tem argumento suficiente para defender a ideia de vocês, sempre precisar ficar fazendo comparação? Keion é slice of life, você queria que o anime falasse sobre o que? Quem assiste Keion, quer é se distrair e se divertir. Acho ridiculo certos comentarios, pois todo mundo tem seu gosto e o direito de criticar, mas poderiam pensar duas vezes antes de sair falando bobagem. O que você ganha criticando quem assiste Keion? Se você não gosta, um direito seu, mas não ofenda os outros. (eu realmente me senti ofendida)

    E essa pequena discussão, reflete bem essa coisa de oldschoool, “bla bla bla animes de hoje não prestam”, “tem muito hype? é modinha? não presta, naõ vou assistir essa merda”. Na boa, esses são o tipo de cometario mais comum. Vocês sabem desde quando sao produzidos animes? Sabe que sempre sairam MUITOS animes, mas que poucos chegavam ao nosso conhecimento? E que esse pouco, consequentemente, eram os “melhores” (logicamente, esse melhores é por maioria de votos,cada um tem uma impressão diferente). Acordem pra vida, hoje em dia vocês ficam com essa impressão que tem muito anime “merdinha” e inutil só pelo fato que você tem acesso á informações que antes não tinha e como disse o nobre colega ali acima; “só os melhores animes chegavam aqui e agora temos acessos a todos da temporada”.

    É obvio que entre, trocentos animes, a maioria não vai ser do seu agrado ou melhor dizendo, não vao ser animes com o selo de qualidade “classic recommended for bloggers” (estou sendo ironica).

    E isso é um gacho para pessoas que ficam criticando os animes ecchi e harem, se vocês não gostam, é um direito de vocês, mas ficar criticando e plantando a informação como se fosse verdade absoluta, é muito sem noção. Esses generos são genericos e em sua maioria inuteis, mas se existem zilhos de lançamentos do mesmo estilo, é porque ha publico consumidor para isso e é isso que as pessoas (em geral) querem; diversão+putaria+garotas bonitas loucas pra dar. E isso em todo o lugar do mundo, por isso o sucesso.

    E sim, também fiz uma forte critica a alguns bloggueiros ali em cima e por mais que eu esteja com vontade, não vou entrar no assundo: Orelmo. Eu nunca comentei e pretendo continuar uma leitora anonima do blog, mas dessa vez fiz uma exceção diante do pedido do Gyabbo no twitter. Aproveito a oportunidade para elogiar o seu texto, seu blog e sua postura como bloggueiro, sempre impondo seu ponto de vista, mas respeitando os personagens dos animes/filmes/doramas que comenta, mesmo não gostando deles. Pois é importante saber que possiveis leitores apaixonados por determinado personagem vai ler sua critica, se você “destroi” tal personagem, é logico que o leitor vai se sentir ferido com isso. Parabens e desculpe ter falado tanto.

  26. Rhyel disse:

    Eu por exemplo estou gostando muito de Samurai Girls, é harém. Sim, todo o ano tem o seu harém e neste Samurai Girls teve destaque por ser engraçado e ter bons traços e animação.

    Sobre Naruto, é só uma questão voltar assistir o desenho e assistir ele nas primeiras 3 temporadas e comparar com as últimas 3 temporadas por exemplo. Muita coisa mudou, principalmente o ritmo da história mudou e isto foi o principal motivo que afastou fãs como eu.

    Mesma coisa com Bleach o primeiro arco (acho que ocupou duas temporadas) me empolgou bastante, depois introduziram tantos personagens que a história ficou diluída demais conforme o tempo foi passando.

    Lembrei de outro anime recente que me empolgou fortemente, só o final alternativo que ficou horrível, mas no geral foi ótimo. Claymore. Infelizmente faltam animes de qualidade que tenham um pano de fundo mais medieval, perigoso e sinistro. O último bom das antigas foi o Record of Lodoss War, mas só aquele primeiro com a qualidade de animação melhor. Mas não fica passando na minha cabeça qual foi melhor se Claymore ou Record of Lodoss War.

    K-ON!! Eu não me lembro do equivalente K-ON das antigas, mas lembro que sempre que terminava de assistir o anime eu estava com um sorriso no rosto, e isto é muito bom.

  27. Leandro Nisishima disse:

    Li a postagem faz tempo, mas só agora resolvi parar para comentar. Na verdade o pessoal de um modo geral já disse muito do que penso sobre o assunto. Ok, devo começar dizendo que eu mesmo já acabei gerando forte discórdias com opiniões no meu blog, então seria suspeito para falar, mas sempre fui contra essa idéia do oldschool, e as críticas a indústria atual. Penso que é muito fácil culpar o moe, o slice of life e outras correntes atuais pelo fracasso dos animes de agora, por outro lado, é sempre bom lembrar que a crise na indústria e essa velha idéia “de os animes atuais estão uma droga” já é de pelo menos uma década atrás, e curiosamente surgiu com a popularização da internet e dos fansubbers. O que penso é que de fato a indústria atual vive um momento de crise (ou senão não teríamos os próprios produtores e nomes fortes da indústria falando isso), mas é péssimo que se use o argumento de que as histórias de hoje já não tem o “brilho” de antigamente e por isso temos essa crise (diria que ela está mais ligada ao modelo de negócios adotado atualmente, somado aos efeitos da crise econômica do ano passado, do que aos temas, até por que ainda temos animes aos moldes do oldschool que não dão retorno nenhum).

    Dito isso, e passando para o lado pessoal, hoje tenho que dizer que depois de assistir vários animes diferentes é bem verdade que pouca coisa me impressiona. Porém, não acho que seja necessariamente eles que estejam ruins. Essa semana reasisti Cavaleiros do Zodiáco (apenas para usar como exemplo), e sinceramente, se eu não conhecesse a série, o fator nostalgia dela, e assistisse agora para tentar entender o motivo de tanto fanatismo, certamente teria achado mais um anime genérico qualquer. E com isso estaria sendo atacado por estar falando mal de um clássico. O que acho engraçado é que hoje em dia se critica muitos animes por furos em seus enredos, mas pegue o exemplo de Cavaleiros e assista com um olhar crítico em excesso, é impossível não achar furos naquilo. O fato, é que por termos assistido ele quando crianças (e sendo criança é impossível notar erros de dublagens como “a armadura de ouro do cisne”) ficamos fascinados de forma que até hoje lembramos disso incoscientemente. E penso que não seria diferente se várias desses séries que assistimos hoje (já adultos ou adolescentes) fossem assistidas quando ainda éramos crianças, e vice-versa.

  28. Panina Manina disse:

    Bem, antes que minha opinião seja contaminada por ler meus comentários, deixe dar minhas primeiras impressões.

    O problema são alguns vícios nas obras, fanservice e clichês.
    Normalmente já abusam um pouco disso, mas é potencializado pela necessidade de vender. Tem um público seguro que compra esses clichês e fanservices, então investem nisso. Somado a péssima escolha de agradar o público. Isso é ridículo, deturpa a obra em prol do espectador.

    A origem de tudo isso é o espectador.
    Chega um ponto que você começa a selecionar, e quem gosta de histórias e um mínimo de qualidade (além de ter cabeça aberta) não fica preso aos animes. Tem livros, filmes, músicas… quem quer acha. Aliais, foi isso que me fez assistir animes, estava atrás de boas histórias e variedade.
    Assim, sobre o público, ou jovem ou que só quer desperdiçar seu tempo mesmo, e acontece tudo que listei lá em cima.

    Esse público que azeda tudo.
    Não adianta fazer um ano em temporadas somente e exclusivamente de obras boas, interessantes, varias, bem feitas etc e tal. Eles não vão assistir.
    Qualquer coisa que não seja o mesmo padrão óbvio, que tenha uma história mais trabalhada e bem feita, mesmo partido das ideias mais loucas, é taxado de underground = chato.

    Podem comprovar perguntando para o leecher padrão.
    Toda temporada sempre tem um ou outro anime BOM. Pergunte se ele assistiu.
    Ou dirá que nunca ouviu falar, ou que é ruim e chato.
    Algo que me estressa muito é recomendar coisas para esse pessoal. Não importa o quanto eu escolha, tenha todo o cuidado de escolher algo legal que possa agradar, não vai se dar ao trabalho de saber do que trata.
    Agora, se eu recomendo um peito e bunda qualquer, vai ver na hora.

  29. Panina Manina disse:

    Ah, uma coisa que tenho considerado esses dias.

    É válido consumir as coisas como entretenimento, o problema é só consumir entretenimento.
    Como gosto de história, um bom roteiro, personagens bens escritos, cenários histórico e essas coisas me agradam sobremaneira. Mas para a maioria da população, história é chato e inútil, logo…

    Sempre deixo na casa do meu primo um monte de DVD com obras S-E-L-E-T-A-S.
    E não são chatas.
    Sempre fico trocando porque ele nem encosta nos DVDs.

    Então, um dia qualquer passo lá e tá assistindo Bleach… E olha que ele tem cabeça.

  30. Power Otaku ^_^x disse:

    “A questão do slice of life é mostrar pequenos fragmentos da vida de determinados personagens.”

    Sim, está correto Gyabbo. Por isso que acho a vida daqueles meninas de K-On muito chata, ainda mais levando em consideração que elas formam uma banda.

    Fico com Lucky Star XD

  31. Power Otaku ^_^x disse:

    Bem, só tenho a dizer que concordo com o seu texto Gyabbo. Parabéns XD

  32. Não sei se alguém já falou isso (pq eu tive preguiça de ler os outros coments), mas, eu particularmente acho que a maioria dos animes estão bons tanto quanto os antigos. Só a única coisa em que vejo mal é que nos animes pra garotos (não lembro o nome -.-” gomen!) agora o modelo de herói mudou drásticamente.
    Antes o herói era o cara que era meio fraquinho e lutava com um inimigo poderoso, e quando parecia que ele já tinha sido vencido, criava coragem e forças para seguir lutando.
    Agora o herói é aquele cara que é o mais forte de todos, não apanha nunca, e mata os inimigos com um naturalidade quase psicopata.

    Isso é só o que vejo de errado. O resto tá bem!

  33. Pss disse:

    Denis, não creio que haja uma crise. A proporção de 1 animê ótimo para 30 ruins vale para todos meio de entretenimento em qualquer época da história humana. A diferença é que o que resta para as gerações futuras é o que houve de melhor no passado (ounão), dando a impressão de que tudo produzido em épocas anteriores era melhor do que o de hoje.

    É difícil escrever um roteiro original, e um defeito que vejo no animês de hoje é que não somente os enredos se parecem (nos clássicos clichês) como o traço dos autores se torna cada vez mais genérico e parecido entre si. É claro que existem excessões, mas isso é resultado de um mercado cada vez mais sedento por materiais bons e semelhantes, e os consumidores são quem dita a tendência de produção.

    Existem alarmistas demais, e com certeza mais inovações (ou repetições antigas demais para lembrarmos que são cópias) surgirão.

  34. mateusmc disse:

    Eu acho justo até d+ apontarem a culpa pros animes ecchi, até pq é a verdade, tá acontecendo isso msmo, o pvo anda se esquecendo do q um anime bom é feito e estão atrás só do q menos importa, com isso somado a queda do mercado, fica arriscadíssimo fazer obras que poderão ter baixa renda e o pior, animes originais, criados sem ter base em mangás, novels ou o q for, um dos exemplos que deu muito certo foi Code Geass, um anime com enredo original e personagens cativantes. Mas me digam Code Geass tinha ou ñ tinha Ecchi? =/
    A verdade é q o anime ñ precisa se privar do fan-service pra ser bom, mas o próprio tem q ser usado com sabedoria, até pq eu acho um absurdo desfocar de um personagem pra mostrar calcinhas ou o q for, mas de td jeito tá aí, Code Geass tem um assunto sério cmo base, mas ñ estragaram o anime com Ecchi. Agora se me perguntarem se eu acho correto abordar ecchi em um anime com o tema de guerras e talz eu ñ apoio nem um pouco, mas ñ tenho queixas contra o q falei a pouco.
    Continuando, ñ venha me dizer q é só no Japão q existe aficionados por Ecchi (pensava q era aficcionados, o.O, nova lei ortográfica taí u.u), pois em qualquer fórum ou site relacionados a anime como a MyAnimeList tem comunidades com mta gente msmo, que gosta. Tipo eu, aceito normal, até pq eu gosto, ñ do gênero, mas das cenas e mesmo assim é raríssimo eu me ver assistindo um anime sem cabeça, eu só assisto Ecchis quando qro rir um pouco e msmo assim, procuro mto bem o título, pq há sim animes com Ecchi, mas q tem um roteiro, uma história, personagens decentes, um ex. é To Aru Majutsu no Index e o citado anteriormente.
    -Shounens mais vistos (One Piece)-
    E por último, quanto aos Shounens, a pessoa dizer que One Piece é lixo, é ignorância, vc pode achar Usopp um fdp, o design dos personagens tosco, mas q na verdade é um traço incomum, inovador e fodástico. Vendo os personagens, pode até ter falas clichês o q é comum no gênero e personagens com umas personalidades estranhas, mas ñ há qm possa dizer q a história de fundo dos personagens é banal, todas são histórias maravilhosas, só o Usopp q ñ tem a história aprofundada, mas deixemos o pior personagem do anime/mangá de lado.
    -Bleach-
    Bleach tem seus seus altos e baixos, uma coisa q odeio mto em Bleach é a comédia, mto bobinha, mas apesar disso Bleach tem uma ação mto boa, reviravoltas legais e mtos bons personagens e sua história ñ é ruim, Kubo tem um gosto admirável pelos seus personagens, msmo q qualquer mangaká goste dos respectivos personagens de suas obras, Bleach tem cada personagem bem elaborado.
    -Naruto-
    Passando para outro, vemos Naruto, simplesmente Naruto é o anime atual + bem recebido no mundo, mas ñ é por isso q devemos defender ele, Naruto é cheio de defeitos, consegue ter fillers piores q o de Bleach, erros infantis e td +, mas a gigantesca maioria dos seus defeitos são esqcidos em meio a boa dinâmica q o anime/mangá tem, mas há algo imperdoável, o pior personagem de Naruto é Naruto por incrível q pareça, señ for é um dos.
    -Reborn-
    Porra, Katekyo Hitman Reborn teria de td pra ser excelente se pelo menos foss de Máfia, a realidade é q ñ é, msmo a Amano Akira coloque relações e talz, ñ há armas de fogo em Reborn, ñ há chacinas, ñ tem violência exagerada, nem mafiosos fodas tem, eu vejo vilões comuns em td shounen. Resultado, Reborn ñ tem quase nada a ver com máfia, então pq tanta gente assiste? Simples d+, msmo com esta irregularidade grotesca, Reborn tem uma proporcionalidade gigantesca na exploração dos personagens, principalmente nos q valem a pena, q são os diferenciais, Hibari Kyoya e Rokudou Mukuro são dois deles, mas são os exemplos maior, suas personalidades são únicas e seus princípios… únicos tmbém. Ou seja, qm assiste ou lê ñ tem só bobagem na cabeça, tem um bom gosto sim. Além disso vale constatar q msmo a obra ñ sendo mafiosa, é mto interessante as características q fazem de Reborn irreal.
    -Soul Eater-
    Aq um dos q + tenho gosto de ler, cmo señ bastass a ação frenética q o anime possui, o autor consegue mesclar ecchi, comédia, aventura, ação e drama sem apelar e de forma única. O q tenho pra reclamar de Soul Eater? Só seu exagero de tosqueira, mas o q o consagra ao msmo tempo, Soul Eater em alguns momentos tem horas melhores no começo do q na parte em q se encontra o mangá, com umas pequenas perda de ritmo tmbém, mas sinceramente, é até ruim de alguém notar. Personagens excelentíssimos e cômicos, lutas de mto bom gosto, história e teorias envolventes, Soul Eater tem de td pra ser um bom anime.
    Deixaram H x H e Yu Yu quietos, ñ tenho + nda a declarar quanto a outros, só qria dizer finalmente (finalmente msmo, q comment gigante =)), q o q faz dos Shounens algo q ainda deve receber valor é a imensa criatividade de todos os autores e os inesquecíveis personagens q essas obras nos trazem, um prato cheio. Ñ dá pra explicar nem em “parágrafinhos”, nem em “parágrafões” a criatividade gigantesca de Eiichiro Oda, um verdadeiro mestre, One Piece é o q vende + ñ por ser shounen, ñ por ter clichês, mas por ser uma obra de arte q vale ouro diferente de Dragon Ball Z, q praticamente liderava vendas e hj em dia são comparados até d+.

    Grato pela atenção (se alguém ler).

  35. Jessy disse:

    Amei o seu post, eu realmente detesto pessoas que fica “blablablabla o mais antigo é melhor” “hoje em dia só tem modinha” “mimimi devia ter nascido em tal década pq não gosto de nada novo” e coisas assim, mas as pessoas que fazem esses comentários passam o dia todo na internet e só veem os animes mais conhecidos para tomarem como “base” pra suas afirmações. Eu acho que hoje em dia tem muita coisa boa sim, muita coisa melhor do que alguns animes antigos que tinham histórias um tanto ridículas e sem nexo algum, mas pelo que eu saiba animes para os japoneses são seus desenhos animados e eles nem sempre tem que sair por aí fazendo todo mundo chorar, eles são simplesmente forma de diversão, e tem vários estilos, se você não gosta de um harem, ecchi, fanservice, você não assiste, eu não precisei ver High School of the Dead pra não gostar e ainda assim na mesma temporada que ele saiu e nas próximas tiveram outros muito bons, eu particularmente gostei muito da história de Shinrei Tantei Yakumo e de Otome Yoaki Zakuro, mas deram tenção a eles? Não, por causa de um ou outro que era mais modinha. Sem contar que eu sou do tipo que normalmente prefere o mangá, então, por exemplo, Love Hina é um que todo mundo fala que é bom, ele é, mas a história do mangá é muito melhor e hoje em dia temos adaptações boas, assim como adaptações horríveis de mangás e jogos nas quais eles acabam com a história, então não dá pra falar que antigamente era melhor. Sem contar que as pessoas reclamam tanto dos clichês e tudo mais, então por que não vão criar a própria história e tentar fazer sucesso com ela sendo completamente original?
    E @Fernando, que eu saiba Vocaloid é um programa de computador sintetizador de voz e Tohou é um jogo e que existe desde o Windows 98, no dia que eles virarem anime você avisa (Y)

  36. Kauê disse:

    A sua advertência “saia do mainstream” é que denota o perigo. Enxergo o problema não com o emissor e sim com o receptor.

    Sempre existiu coisa boa e sempre existiu lixo. A diferença é que antes o bom tinha espaço, hoje você precisa chafurdar para encontrar qualidade. Não apenas nos animes, mas cinema e principalmente música.

    Pink Floyd e ABBA coexistiram na década de 70. Os suecos são, junto com os Bee Gees, os representantes maiores da disco music, a “doença social” nas palavras do Frank Zappa, a música mais baixa que poderiam fazer, uma ofensa à geração dos anos 60. Mas seu estrondoso sucesso não eclipsava completamente coisa de qualidade como um Pink Floyd ou um Simon & Garfunkel, músicos de qualidade indiscutível e também do mainstream, recordistas de vendas.

    Claro que hoje se faz coisa boa, mas não há espaço. Preciso me tornar um maldito pedante ‘alternativo’ se quiser gozar da boa cultura, pois a massa hoje só quer saber de Ore Imouto, Lady Gaga da vida.

    Acontece que a distorção na demanda altera a oferta, pois a indústria cultural funciona na base do lucro. Vira uma espiral que tende a zero se nada for feito.

  37. Kauê disse:

    Esqueci de completar:

    A crise qualitativa da indústria cultural atual é um nítido sintoma de problemas estruturais maiores, como a falência do sistema educacional em todo o mundo.

    Brasil é Brasil e dispensa comentários. EUA apesar do excelente meio acadêmico, está com sua educação básica perigosamente sucateada (e é de longe o maior produtor de cultura no mundo), os asiáticos obtém grande desempenho prático, mas o sistema deles é deficitário no sentido de preparar seres humanos pensantes e socialmente ativos, eles formam engenheiros.

    Existem alguns bastiões como a França, por exemplo. Basta dar uma olhada no mercado editorial deles em paralelo com o sistema educacional francês para notar um fator primordial na gênese do problema.

Os comentários estão encerrados.