Lei 156 – De que lado você está?

Olá, como estão? Me sinto um pouco ruim, acho que estou gripando, provavelmente por causa da chuva ontem que deu por aqui. Mas quem sabe uma boa noite de sono não consiga resolver os meus problemas?

Mas hoje eu venho aqui para comentar um assunto polêmico que repercutiu muito essas semanas na comunidade de anime e manga. A, agora, Lei 156 de Tóquio.

Conhecida pela comunidade como a “Lei Anti-Otaku” ou “Lei da Juventude Não-existente, a Lei 156 se trata de uma expansão dos poderes reservados ao Governo Metropolitano de Tóquio sobre representações gráficas (com exceção para fotografias de pessoas reais) que possam vir a prejudicar o crescimento saudável da juventudade de Tóquio.

A primeira questão a ser exposta, e que infelizmente não está sendo divulgada por onde o assunto é comentado, é que na verdade o Governo Metropolitano de Tóquio – GMT – possui esses poderes.

Apesar de a partir de em 1991 as grandes editoras terem criado, por iniciativa própria, um selo para títulos adultos, que deveriam ser acessados apenas por maiores de 18 anos, o GMT pode, de forma unilateral, qualificar qualquer material que, em sua análise, seja prejudicial ao crescimento saudável da juventude por sua capacidade de ser muito estimulante sexualmente, encorajar a crueldade, e/ou incitar o suicídio e o crime, em proibido para menores.

Com a regulamentação da Lei 156, o critério apenas se expande com outros itens, tais quais atos ou pseudo-atos sexuais que seriam considerados ilegais ou que envolvam pessoas que não poderiam se casar na vida real. Em outras palavras, o uso de menores/parentes (incluíndo nisso relações entre parentes de até terceiro grau como pais e filhos, irmãos, tios, netos, primos etc). Mas também é preciso lembrar que o casamento homossexual não é legalizado no Japão. A qualificação se dá caso haja uma glorificação desses atos ou os mesmos se deem de maneira exagerada de forma injustificada.

Outro ponto importante da Lei 156 é o quando se afirma a necessidade de cuidado nas regulamentações feitas, levando em conta o valor artístico, educacional, social e satírico que a obra possa ter.

Vamos parar e recapitular um pouco tudo. Primeira parte, a lei 156 não bane nada. Ok. Segunda parte, já existia dentro da lei de Tóquio a possibilidade de análise subjetiva dos seus governantes sobre o que pode ou não ser publicado para menores e o que deve ser qualificado para maiores. Ok. Terceira parte, a lei expande seus critérios afim de coibir a glorificação da violência, da sexualidade excessiva, da criminalidade e agora, de relações ou pseudo-relações envolvendo parentes ou outras formas ilegais, tais como parafilias do tipo pedofilia.

O que eu posso dizer? Até aqui tudo bem, sinceramente já tem algum tempo que a auto-regulamentação da indústria não vem funcionando tão bem como deveria nesses fatores. Aqui eu coloco minha opinião pessoal ao afirmar que não sentirei falta de coisas que envolvam a sexualização de menores e/ou a relação sexual entre parente, ou mesmo cenas de estupro. Não acho que isso irá matar a indústria, apesar de que o apelo que animes/mangas/games desse tipo trazem para um determinado público tem sim ajudado a indústria a fazer dinheiro e o baque econômico pode vir a ser sentido.

Você pode estar pensando aí com seus botões; “hey, talvez isso não seja tão ruim, afinal”; mas as coisas não são tão simples como podem parecer em uma visão superficial. Se as leis regulamentadoras sobre a exposição de materiais gráficos já existiam anteriormente, por que criar uma nova e com um texto recheado de definições vagas, dando margem à possibilidade das mais diversas interpretações? Possivelmente porque as coisas agora devem ser mais duras.

É preciso ter em mente que o maior apoiador dessa lei é o Governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, que já declarou publicamente opiniões homofóbicas, racistas e nega crimes de guerra feitos pelos japoneses. O que esperar de um governo encabeçado por esse homem? A possibilidade de forte censura é grande, ainda que já se fosse possível fazer isso antes, a aprovação de uma nova lei dá ao governo um novo respaldo para seus atos.

É justamente essa possibilidade e a ambiguidade que a lei trás (além de nenhuma ação real contra a erotização de menores de carne e osso) que trazem temor não somente aos fãs, mas principalmente às editoras.

A possibilidade de ser qualificada como material danoso à juventude e relocado para as sessões de materiais para adultos representa uma grande possibilidade de queda no retorno financeiro desses materiais. Primeiro temos o acesso, naturalmente, mais restrito que esses materiais possuem. Além disso, a interpretação de um governo conservador baseada em uma lei vaga pode muito rapidamente destruir a reputação de uma obra e dificultar de forma incrível sua dispersão no mercado.

A questão não é uma luta pela liberdade de expressão, mas sim uma questão econômica.

É por isso que as Big 10  (Shueisha, Shogakukan, Kadokawa Shoten, Kodansha, Akita Shoten, Hakusensha, Shonen Gahousha, Shinchosha, Futabasha, e LEED Publishing Co., Ltd.) se uniram em um boicote ao Tokyo Internacional Anime Fair, evento realizado na cidade de Tóquio e bancado em parte pelo governo. Em pé de guerra já é possível ouvir declarações como as feitas pelo diretor sênior da editora Shueisha, Sr. Torishima: “Eu quero novos autores de mangas que produzam mangas que iriam impressionar  Shintaro Ishihara”.

Em um mundo feliz onde as coisas são feitas de maneira imparcial, eu provavelmente apoiria essa lei de maneira 100%. Mas é preciso fazer uma análise crítica do que pode estar por vir. Por trás dessa lei temos preconceito disseminado não somente contra otakus, muito menos temos o simples interesse de proteger a juventudade japonesa. Com esse post eu não vim aqui para me posicionar, eu sou a favor da lei, mas não confio em quem vai executá-la. O que eu pretendia com esse post era criar um pensamento crítico na cabeça de vocês.

Muito se fala por aí sobre a Lei 156, “Lei Anti-Otaku”, muito fim-do-mundismo de propaga com sérios delírios entre os fãs. Por isso eu peço que façam essa leitura crítica, leiam, debatam, reflitam, escrevam! Só não se deixem levar pelas primeiras aparências.

No fim o que podemos fazer é torcer. Não acredito em movimentos internacionais de fãs. Quem tem que resolver isso é o povo japonês com seus representantes. O Primeiro Ministro Japonês, Naoto Kan, já mostrou pessoalmente suas preocupações sobre a situação, pedindo muita cautela, sendo ele mesmo um dos defensores da indústria japonesa de quadrinhos e animações, entendendo sua importância para economia do país.

Torço para que isso resulte em uma mudança de mentalidade dos produtores, voltando-se para algo que muitos animes se esqueceram; contar uma boa história ao invés de pegar pelos olhos. Mais do que isso, que não se forme uma “caça às bruxas” baseado em preconceito. No mais, é esperar e ver.

Mas afinal, de que lado você está?

Leia também sobre esse assunto/Créditos/Fontes:

Shoujo Café

Mais de oito mil

MBB Anikenkai

OtakuPT

Blyme Yaoi

Dan Kanemitsu’s Paper Trail (Em inglês)

PS: Há muito mais sobre essa lei, como acesso à internet por celular de menores, notificações anuais, aprovações súbitas, o debate não termina aqui, poderia comentar muito mais, porém perderia o sentido que queria dar ao post, agora é com vocês.

 

Esse post foi publicado em Artigo e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

55 respostas para Lei 156 – De que lado você está?

  1. Quadrinize disse:

    O melhor texto até agora sobre o assunto. 100% exatamente como eu penso. Só nos resta esperar para ver os efeitos que isso realmente trará para a industria.

  2. gilps disse:

    Muito bom! Também espero que a mentalidade dos produtores mude, pois o conteúdo dos animes vem cada vez mais, piorando o conteúdo ecchi vem aumentando tanto que é normal ter no mínimo 5 cenas com censura na transmissão de um episódio apenas.
    E a briga para não ficar atrás, esta aumentando tanto que é dificílimo tirar uma serie por temporada, que tenha uma historia que preste. As vezes a historia até presta mas pelo excesso de ecchi acaba que perdendo o sentido.
    Já estava na hora, de fazerem a classificação por idade, funcionar melhor!

  3. Tanko disse:

    Muito bom texto como sempre…

    Eu concordo em parte com a lei também, acho que material sexual explícito ou muito violento deveria ser 18+, como já é em quase todo o mundo. No entanto me aborrece toda essa margem gigante para arbitrariedades.

    Claro que atos “pseudo sexuais” também dão margem a n interpretações, então material considerado “shounen ai” ou yaoi em revista shoujo já vai poder dar problema dependendo de quem for avaliar.

    A Shounen Jump por exemplo, se tivesse que se auto-regular, teria que se tornar 18+ ou ser BEM amenizada. Isto é, se a Jump não fosse A JUMP, corria sérios riscos de ir para o buraco sim.

    Muita gente vai dizer que sou uma fujoshi histérica por isso, mas eu vi o que aconteceu em Osaka e não foi bonito. A revista yaoi DRAP precisou censurar (censurar mesmo, tapar os desenhos com algo BEM maior que uma tarja) vários quadros. Os materiais eróticos femininos são sempre mais perseguidos e por serem publicações menores, não têm como lutar contra certas imposições.

    Então acho que as perdas vão ser inevitáveis.

  4. @hiper4tivo disse:

    Sempre leis. Eu ñ acho que chega a ser uma mega censura anti-liberdade de expressão.

    Porém baseado nessa lei podem pegar o gosto e aos poucos começar a criar leis que venham restringir mais ainda, e chegar a esse ponto com certeza.

    Eu acredito mesmo que a pior coisa talvez não da lei, mas da questão sobre animes e mangas, é a mentalidade de que mangas e animes são pra criança.

  5. Almondaga falante disse:

    No Japão…

    Deve haver limite para os excessos. Personagens femininas em situações humilhantes e de conotação sexual abusiva é que não vão mudar a mentalidade da sociedade japonesa para o estereótipo de mulher abnegada e que não possui idéias progressistas de independência. O mangá pode até ser uma ferramenta de catarse individual para a repressão sexual ou para as exigências sociais da cultura japonesa, mas também é um formador de opinião. Há que ter bom senso.

    Enquanto isso no Brasil… Nesta quarta-feira o Senado aprovou salário de R$ 26,7 mil para parlamentares e presidente. Sendo assim: os deputados e senadores terão um reajuste de 61,8% e o presidente da República e o vice terão reajuste de 133,9%. Ah! Os ministros também foram beneficiados.

    E também aprovou, nesta semana, o Novo Código de Processo Civil (Relator: Valter Pereira – PMDB/MS). Dentre as mudanças está o fim da prisão especial para quem tem diploma universitário. (O presidente da República, juízes e membros do Ministério Público da União ainda mantêm o direito à prisão especial.)

    E não estou vendo ninguem preocupado e fazendo post contra isso. NÃO. Vocês estão todos preocupados é com o Japão. Faça me o favor viu. Depois reclamam que o Brasil ta uma merda, claro, só sabem se preocupar com futilidades.

    • Denys Fantasma Almeida disse:

      Você por acaso acompanha a vida das pessoas que comentam aqui ou a minha? Não, não acompanha. O fato por alguém se preocupar com um assunto que você consideral fútil não significa automaticamente que essas pessoas não discutam outras coisas também. Antes de ser ignorante julgando os outros sem ter conhecimento, reflita um pouco.

      Gyabbo!

  6. Dan disse:

    Espero que a Lei seja para evitar que crianças pequenas tenham acesso a materiais fortes (cenas de mulheres sendo estupradas e multiladas por monstros e humanos por exemplo) e que não seja prejudicial a conteúdos homossexuais sem erotismo explícito (carinhos um pouco quentes entre pessoas do mesmo sexo); mas também seja para melhorar o conteúdo.

    A lei é boa em si, mas quem é vai executar é o grande problema… e acho que deveriam ser executadas por um comitê formado por pessoas da própria indústria.

    Se eu fosse o autor da lei, faria o seguinte para acabar com a polêmica: mangás 18+ seriam vendidos para pessoas que comprovam que são maiores de idade e na hora da compra deverão apresentar o RG e assinar um livro. E também seria via assinatura mensal, que pagaria também o estúdio e o governo.
    Quanto aos animes mais pesados segundo a lei, deverão ser exibidos num canal de tv por assinatura 24h, mas pagando a mais por ele, como temos aqui o PlayboyTV, SexyHot ou outro canal erótico. E parte do dinheiro, vai para os estúdios de animação tanto 18+ quanto aos estúdios não eróticos e o governo.
    Caso um criminoso se inspire numa obra 18+ para cometer o crime, a pena irá ser aumentada.
    Animes de conteúdos gay mais fortes e piadas de duplo sentido bem explícito só poderiam ser exibidos nas tv’s a partir das 23h, tanto na aberta ou fechada.

    —————–

    E uma questão dos uniformes escolares nos animes? Como ficou? Eu ouvi falar que ia ficar proibido o uso…

  7. Dan disse:

    Continuando…

    Boa parte do protesto envolve o medo que os lucros (já baixos) fiquem mais baixos ou negativos com a lei… mas aí eles podem repensar e buscar outros mercados asiáticos e do ocidente para equilibrar as contas.

  8. boogiepop disse:

    Almondaga, meio ingênuo da sua parte achar que ninguém aqui se preocupa com a legislatura brasileira. Aqui é um blog sobre animes, não leis brasileiras, qual cabimento teria uma discussão dessas? Fala sério, querido.

    Sobre a lei, eu acho CORRETO sim. Claro que há um jogo de interesses IMENSO, mas isso acontece EM QUALQUER LEI, em qualquer lugar do mundo, não exclusivamente com o Japão. E o Ishihara não está nem um pouco preocupado com o boicote. Claro que uma Shounen Jump não vai virar 18+, mas vocês já pararam pra pensar se isso realmente não tem nenhum impacto na mentalidade de uma CRIANÇA? Não na de vocês, que são marmanjos lendo mangá de censura livre que tem tripas e peitos, mas pra uma criança com 12 anos de idade? Adequação etária não é moralismo, existe por um motivo.

    Outro motivo pelo qual a lei tem vantagem é que a indústria não sabe negociar com os políticos. No fim, se houver punição pelo desrespeito à lei eles vão acatar de orelhinhas abaixadas.

    Ao meu ver, o problema tá sendo com a hipocrisia do Ishihara, querendo classificar os animes e mangás dessa maneira e enquanto isso os livros dele sobre incesto, estupro e etc são vendidos pra censura livre. Mas eu acredito que tudo tem um começo e isso é um passo importante, quem sabe com o tempo isso não se extende pra literatura também? =/

  9. Denys, parabéns, cê expressou perfeitamente o pensamento dos que tem uma visão mais crítica e racional sobre esse assunto e também está abrindo portas para que outros possam refletir melhor sobre essa questão.

    Eu, pessoalmente, concordo plenamente com o que você disse, mas eu não conseguiria expressar isso tão bem quanto você fez.

    Concluindo, eu concordo com essa lei, mas estou bem apreensiva com o uso que possam fazer dela. Apesar de que acho que, não importando o tamanho das adversidades que essa situação gere, a indústria tem todas as condições de superar os problemas (e até saindo de uma forma melhor do que começou)

  10. Joe Pedrosa disse:

    Esse último parágrafo define grande parte da minha opinião. É claro que as boas histórias vão prevalecer. É isso! :-)

  11. Joe Pedrosa disse:

    Aliás, um excelente post! Parabéns

  12. Hidekee disse:

    Como eu venho discutindo com quem defende a lei, o Governo já detinha leis para punir excessos. Se considerava alguma das obras exibidas ou publicadas inapropriadas, deveria ter se mexido, fim de papo. Esta lei é uma piada pelos pontos só tocarem em obras 2D, deixando fotos (que considero pior ver uma loli real de bikini em pose sensual do que uma garota desenhada) de lado. Mas vc lembrou bem que isso pode ser um tiro no pé. O blog tsundere lembrou algo legal, que a lei se aplica apenas a obras produzidas no Japão, então ainda corre o risco de empresas começarem a migrar para a Coréia, ferrando mais ainda a economia japonesa que está nada bem das pernas.

    O real fato é que não adianta as pessoas reclamarem por aqui ou mesmo nos EUA da lei, pq para os japoneses isso não influenciará em nada. E como briga entre as editoras e o Ishihara não é de agora, isso é uma lei puramente para fins políticos mesmo, nada de “para o bem da juventude” como alguns acham, até pq nenhuma criança japonesa normalmente iria ver HOTD ou Queen’s Blade, já que os horários e canais são mais restritos.

    Sobre aumentar a qualidade… Não creio não, sendo bem cético. Não é impondo leis que vai se acabar com algo. Como vc quotou já tem gente pensando em obras de “resposta”. No Brasil mesmo tivemos as “pornochanchadas” ganhando mais força perante a perseguição de ditadura. Sei que não é o mesmo contexto, mas é um exemplo que de impor leis desse nível não melhora qualidade alguma. Melhora-se premiando quem faz coisa boa e dando incentivos ficais aos ganhadores. Qdo quem faz algo bom lucra, isso acaba se espalhando.

    Enfim, sono tá pesando, mas gostei do seu post, que foi bem esclarecedor mesmo.

  13. Feiquiboy disse:

    Sou contra essa Lei. Classificar algo como “sim” ou “não”, “bom” ou “mal” é uma medida muito extremista e autoritária.
    Ao meu ver, a medida mais ponderada seria fazer como no Brasil, EUA e Europa: utilizar o sistema de classificação etária das obras, de acordo com os diferentes níveis de violência, sexo e consumo de drogas. Claro, tal sistema é utópico, pois se basea na crença de que todos respeitarão à classificação. Mas, ainda assim, é o que mais se adequa a Democracia que, por sinal, tamém é uma utopia.

  14. Post muito interessante. Esclareceu muitas coisas sobre o assunto. Parabéns.

    É verdade que as histórias estavam ficando apelativas demais, mas tem algumas que, sem isso, não atingiriam o grande sucesso mundial.

    Vamos esperar pra ver o que os japonenes decidem.

  15. Toikak disse:

    Não sou a favor porque me parece um lei moralista demais e eu odeio esse tipo de coisa, além disso é uma lei que está muito vaga e pode gerar danos no futuro. Porém não sou contra até certo ponto, pois vejo nessa lei uma chance de diminuição de fanservice na obras, já que o aumento na faixa etária de ecchis e séries com mais violência vai fazer com que se diminua o público e com isso o lucro das editoras cairá, fazendo com que elas façam mais obras “saudáveis”. Eu não tenho problema com esses gêneros, mas, às vezes, quando eu quero animê mais sério para assistir, acabo encontrando dificuldades de achar um. Quase todos os animês atuais tem cenas pesadas de ecchi, que além de desnecessárias ainda chegam a ser abusivas. Criar uma série sobre ecchi tudo bem, mas siliconar todas as personagens femininas em centenas de animês já é demais. As garotas japonesas/coreanas tem medidas modestas, mas mesmo assim não deixam de ter muito charme.

    Bem, eu sei que minha opinião não ficou muito concreta quanto ao meu posicionamento diante desta “nova” lei, mas ela é tão vaga que é quase impossível fazer uma boa análise.

  16. Hayate disse:

    Concordo com seu post.

    Essa lei até seria uma boa, o problema está em como ela foi redigida dando tantas brechas para diferentes interpretações, além das autoridades que irão executar essas leis.

    A última coisa em que estão pensando é na juventude. Se não administrado de forma correta isso pode custar muito caro para os japoneses, tanto financeira quanto culturalmente.

  17. Saudações

    Texto de grande importância e bem esclarecedor como já e do costume desta casa, Dennys.

    Grande parte do escrito aqui reflete a minha opinião sobre o assunto tratado.

    E quanto às leis brasileiras: não vou discutir este assunto em um blog sobre animação e cultura japonesa, vou!? Obviamente, não…

    Parabéns pelo texto, Dennys.

    Até mais!

  18. Fernando Eduardo disse:

    Em primeiro lugar, parabéns pelo post. Muito bem escrito.

    Eu não tinha nenhuma opinião sobre essa lei, até porque não tinha parado para ler sobre ela.
    Pelo que eu li em seu post, estou do lado da lei, pelo simples motivo que ela não será banido o material considerado inapropriado.

    De fato, um abalo econômico pode ocorrer, mas acredito e torço para que a indústria dar um jeito de contornar isso.

    Sem mais o que comentar ou acrescentar.

  19. Brenda disse:

    Concordo em parte. Acho que o sexualismo muito explícito realmente deve ser 18+. Mas como relações homossexuais, incestuosas ou violência, seria exagero. No máximo um 16+. Por que agora como ficará Vampire Knight, onde Yuuki é noiva de seu irmão? Naruto, Bleach, que até mesmo crianças assistem? Incesto, pedofilia, homosexualidade e violência são situações diárias, que são retratadas no anime/mangá. Temos também de ver que se trata de desenhos. Claro se fosse pedofilia com pessoas reais, como em filmes, o assunto seria outro. São assuntos polêmicos, mas são assuntos que devem ser discutidos, refletidos e espalhados. Dizem que a ignorância é uma benção, mas se informar é necessário. Se fosse o caso, não haveriam tantas palestras sobre diversos assuntos polêmicos na escola. Hoje em dia, a informação é poder! E expor esses assuntos, ajuda a viraliza-los!

  20. Keru-hime disse:

    Acho que o grande problema dessa lei não é o cerceamento de conteúdo sexual ou violento muito explícito, nem o controle sobre histórias que se valem de pedofilia, incesto e outras anormalidades em seus enredos. Porque afinal, qualquer pessoa com um mínimo de bom senso sabe que essas coisas tem que ser minimamente controladas. E que como foi bem dito no post, JÁ ERAM PASSÍVEIS DE CONTROLE.

    O problema que eu estou vendo (e que provavelmente as grandes empresas também estão enxergando), é que essa lei parece deixar brechas pra que TODO e QUALQUER conteúdo com o mínimo de sexualidade ou violência implícita ou explícita poderá ser censurado e considerado +18.

    Por exemplo, alguém pode se valer dessa lei pra dizer que em Bleach há muita violência, sangue e sexualidade (os seios enormes de algumas personagens saltando dos decotes, rs) e exigir que a Jump coloque o mangá como +18, ou que mude ele de revista, sei lá.
    E sem ideologias de “liberdade de expressão”, claro que o maior impacto seria econômico, não só no Japão, mas também fora, na comercialização do mangá pro mercado internacional. Afinal, ao invés de um produto de massa, ele teria que ser vendido como algo pra maiores de idade, e isso dá um prejuízo enorme.

    Não vou dizer que estou preocupada ou fazendo um cavalo de batalha disso, achando que “o Japão vai proibir os animes e mangás” (como vi em alguna sites por aí). Não é assim que funciona. Mas isso me lembra o caso do anime de Naruto aqui no Brasil. Durante um bom tempo o SBT o exibiu quase sem cortes, até que um advogado entrou com uma representação na justiça se valendo da classificação indicativa do governo, pra dizer que era um desenho muito violento pra passar de manhã. E aí o SBT foi obrigado a exibir o anime com o sangue retocado toscamente com um borrão rosa, e tentando sumir com o cigarro do Asuma com o mesmo borrão rosa :P

    Tudo bem que com o tempo a poeira baixou, e até o anime sair do ar (dizem que por dificuldade financeira, rs), os tais borrões sumiram e ninguém mais reclamou. Mas eu não sei como funciona no Japão, e nem quais as intenções desse político que inventou essa lei. Como já disseram, a lei em si não tem nada demais, o problema é quem vai a colocar em prática :P

    (perdão qualquer bobagem ‘^^)

  21. fanfinir disse:

    Não conheço realmente a dimensão do problema no japão e tão pouco sua repercussão de forma mais pormenorizada, mas creio que isso trará brechas para criar situações inusitadas onde batalhas judiciais serão travadas e o objeto em voga poderá ser colocado sob ‘os cuidados da lei’ onde simplesmente enquanto não houver sentença. por exemplo, uma anime, manga ou dorama, possam ficar impedidos de serem exibidos. Issso acarreta na menor das hipoteses a chateação por parte dos fãs e no pior cenario, perda de patroninadores, diminuição de oferta de produtos e merchandising, diminuição de oferta de animes, doramas e mangas daquela determinada linha barrada, demissão de equipes de criação e frustração generalizada. Oremos!

  22. Mat disse:

    “A lei possui uma clásula que exige cuidado na aplicação dela para que o direito de expressão e criativo dos autores não sejam prejudicados.”

    Enfim, seja como for essa cláusula , ainda acho essa lei desnecessária.

  23. Pss disse:

    Denis, eu acredito que uma lei a mais é desnecessária, se ela já existe, mas realmente a sociedade japonesa expõe seus jovens desnecessariamente a muita coisa.

    Sem falsos moralismos, sempre dá pra construir uma boa história sem pedofila e incesto, isso dá!

    Mas se a lei (que eu não considero uma censura, e sim uma correção de eixos – se fosse assim classificação indicativa seria considerada censura) ajudar a equilibrar os conteúdos dos mangás, que venha.

  24. Pingback: Lei 156 – A lei anti-otaku « O Gato de Schrödinger

  25. Almondaga falante disse:

    Me desculpe meu caro boogiepop mas o ingênuo aqui é você. Otakus são o mesmo em todo o lugar. Só sabem reclamar e não fazer nada, verdadeiros parasitas humanos. E me desculpem ser sincero, entendo o que quiseram dizer sobre aqui não ser o lugar adequado para o tipo de discussão que mencionei mais acima, mas também acho tolice e nonsense discutir sobre leis japonesas. Aqui deveria ser um lugar somente para falar sobre cultura japonesa e não leis. Só falando….
    E me desculpe Gyabbo, mas eu te acompanho pelo Twitter e você não fala de outra coisa a não ser anime e doramas. Não estou dizendo que ta errado, a vida é sua, é apenas minha opinião.

    Mas não quero ser apedrejado aqui, vamos lá.

    Aos que acham que esta lei do parlamento japonês cerceará a “liberdade de expressão”, recomendo que leiam a Lei nº 8.069, de 13/07/1990, que trata do Estatuto da Criança e do Adolescente. É o ECA brasileiro, mas o Japão também tem a sua lei de proteção à infância e adolescência.

    Outro ponto importante é que a população cobrou um posicionamento do governo japonês sobre a questão. E o governo japonês, por sua vez, se posicionou e ainda ouviu a população sobre a matéria.

    Fonte: http://www.zashi.com.br/zashi_especial/548.php

    Entendam também que a comunicação sobre a sexualidade (incluindo a comunicação visual) está diretamente ligada ao desenvolvimento do comportamento sexual e afetivo da criança e do adolescente; e este desenvolvimento vai definir o comportamento do adulto que esta criança e adolescente se tornarão. Esta medida é válida para a prevenção de uma sexualidade precoce. É uma questão de educação sexual, não de deseducação sexual. Deseducação sexual temos aqui no Brasil.

    O problema é que tem muita gente que não sabe o que fazer com a sua “liberdade de expressão”. E não sabe porque nunca teve a sua liberdade de expressão cerceada. Atos Institucionais (AI) cerceiam a liberdade de expressão, não as leis. E isso eu aprendi com a história do Brasil.

    Mas se é uma lei anti-otaku ela nasceu no próprio seio da população japonesa, que chamou a atenção do governo para os mangás e animes, ao cobrar regulamentação para a matéria (ação=população / reação=governo). Deste modo, se havia no governo japonês uma tendência à coerção, eis uma boa oportunidade para agir (e ainda com o álibi “apelo da população japonesa”). Talvez esta parcela da população japonesa, que exigiu a regulamentação, não sabe o que fazer com a “liberdade de expressão”. Problemas domésticos das democracias (de proporções perigosas).

    • Denys Fantasma Almeida disse:

      Pelo menos você escreve bem. Acho que terá que pedir desculpas novamente, me seguir no Twitter (@Gyabbo) não é nem 10% do que faço da minha vida, até porque aquele Twitter é do blog, logo, é óbvio que na maior parte do tempo eu só fale sobre animes (doramas nem tanto). Pesquise melhor. Quer dizer, pesquisar sobre a minha vida? Deixa pra lá.

      Aqui é um lugar para discutir temas que de alguma forma envolvam animes, mangas, doramas e outras formas de entretenimento pop japonês. Essa lei influencia diretamente essa indústria, nada mais natural do que comentá-la aqui.

      Acho que você deveria ler melhor o meu post, não parece ter entendido bem o meu posicionamento. Para clarificar um pouco, cito a fonte que você usou para caracterizar melhor uma das principais críticas (apesar de eu não ser exatamente contra a lei como afirmei no post, talvez você tenha deixado passar). “A Assembleia de Tóquio, no entanto, adiou a votação para junho, alegando que havia pontos que não estavam claros“. Fizeram isso, mas ao aprovar a lei não a clarificaram.

      Enfim, recomendo realmente que todos conheçam o ECA, importante para que possamos discutir melhor políticas públicas para a juventudade brasileira. A “comunicação sobre a sexualidade” está ligada ao desenvolvimento sexual e afetivo (coisas bem diferentes) de um jovem, não coloque “diretamente” pois teríamos uma questão de causa e efeito, e as coisas não são tão simples assim, principalmente em se tratando da sexualidade humana.

      Gyabbo!

  26. Robson disse:

    Eu acho que uma coisa muito importante foi esquecida de comentar aqui, e talvez até os japoneses tenham esquecido.
    Educação nós aprendemos em casa e na escola. As crianças se espelham nos pais.
    Não adianta nada, fazer filho e abandonar a criança na escola o dia inteiro e deixar-las fazer o que querem e depois querer que o governo tome providencias contra as editoras dos mangás preferidos da pirralhada.
    E quanto a lei, depois de desistir de assitir Seikon no Queizer e Yosuga no Sora (é assim que escreve?) por serem muito apelativas e sem conteudo, penso que ela está vindo tarde até.
    Mas é aquele negocio, tem que fazer a coisa do modo certo, e esse é o problema.
    Outra coisa, alguem tem os indices de casos de estupro e pedofilia no Japão? São maiores do que em outros lugares do mundo? Será que mangas e animes influenciam esse tipo de coisa?
    Aposto que alguém vai comentar que eu não gosto de mulher. Falar coisas ruins de animes apelativos sempre ocasiona esse tipo de coisa…
    Valeu

  27. gilps disse:

    Realmente! O Almondaga falante escreve bem mas pelo jeito não sabe ler muito bem!
    Eu vejo gyaboo falar de tudo que tem a ver sobre cultura japonesa, falar sobre uma lei que esta sendo alterada, para cobrir falhas, existentes é normal, pricipalmente se for no japão.
    Muita gente estava postando sobre o conteúdo sem saber o que era exatamente, dizendo que era uma lei anti-otako, achei muito legal da parte dele, e esclarecer para para quem não havia entendido.
    Como o boogiepop disse, você é muito ingênuo, em pensar que você é o único, ater entendido alguma coisa.
    Acho muito legal de sua parte falar algo, tentar criar polêmica, sem se identificar, alias esta é uma coisa que a internet tem de “bom”, qualquer um fala o que quer, fala bobagem ou não, e se manter anônimo na web.
    São poucos que criam um blog, e expõe sua opinião, e sua visão de fatos, e um pouco de sua vida, sem medo, para qualquer um ler e comentar.
    Acompanho tanto ele no twitter quanto o blog dele, posso disser que faço isso a muito tempo, sou otako a mais de 10 anos, tenho meu emprego e minha familia, tenho uma vida além do meu hobby.
    Peço até desculpas a ele, por não comentar no blog dele.

    E continue postando, e falando o que você quiser, sempre vai ter alguem que vai ler, e também um nome sem rosto, para falar bobagem, e char que é o bom! XD

    Acabei de falar um monte de bobagem, hehehehe… mas eu tenho um rosto e não tenho medo de mostrar ele para expressar minha opinião!
    E disser que apoio a lei 156, e que no brasil as leis são capengas quase todas merecem uma revisão, alias mais que uma revisão que se façam cumprir, pois o desleixo do brasil em relação a isso é enorme.
    Otako não faz nada! meldels E o brasileiro faz o que então, quando tem a chance de fazer algo espera que o próximo o faça! Prefiro ser chamado de otako do que de brasileiro!

    Gyabbo excelente post! Parabéns!

  28. Sima Yi disse:

    Aff tomara que nao acabe com mangas Lolicons nem de estrupo nem de incesto lol
    porra quem nao curte é so iginorar e pronto ,tao facil
    deixem a galera ler a vontade ……

  29. Hatsu disse:

    Realmente, o melhor texto sobre o assunto!
    Mandarei agora mesmo para alguns colegas que até pouco estava “xingando” essa lei, sem nem entender exatamente o que ela proibia!

    Parabéns Fanta! Ótimo blog e post perfeito! =]

  30. Tsuki disse:

    Bem, a melhor crítica que já li até agora sobre essa lei.
    Sinto que divulgarei ela a todos aqueles que estavam reclamando sem ter a mínima idéia do que ela tratava, eu mesma tava meio por fora mas não formei uma opinião antes de buscar mais informações sobre o assunto.
    Como diversas leis que rolam tbm pelo Brasil, a proposta dessa lei é até interessante. Do ponto de vista feminino, não é agradável ver mulheres sendo submetidas a td tipo de coisa como ocorre nos animes/imagens/etc do Japão. Porém ela dá margem a diversas interpretações e é bem ai que reside o problema. Pois ao mesmo tempo que ela pode melhorar a classificação e dar uma filtrada nos animes que rolam pela tv aberta japonesa ela pode ser, como vc mesmo disse, uma caça às bruxas.
    Creio tbm que a questão é esperar e ver o que irá acontecer =)

    Myla~Tsuki~Lay

  31. Hantaro disse:

    Ótima critica. Mostrou certa parcialidade sobre o assunto .
    Não tem essa de deixar para ver, para mim tem que protestar mesmo. Esses políticos sempre tentam colocar essas leis de censura e como sempre utilizam o argumento que essas mídias (jogos, filmes, animes etc) possuem cenas de violência, sexo, abuso etc.. Dizendo que vão criar indivíduos violentos, estupradores, pedofílicos entre outros. Apesar de não existir nenhuma comprovação ou especialista que confirme, mas essas leis acabam sendo engolidas por senadores, deputados e até mesmo a população que claramente acha isso errado, jogando fora a lei de livre expressão já que em muitos países ( no Brasil também) essa lei é só uma fachada para dizerem que são democráticos (outra).
    Algumas pessoas que isso é desagradável do ponto de vista feminino, de religiosos e etc, claro que é já que grupos e pessoas podem não gostam de algo e não queiram ver, mas eles não tem o direito de impedir que outro assista.
    Se essa lei tiver um sentindo pratico e não somente proibir por proibir, essa lei será um elefante branco como já tido, existe um achismo de políticos que comparam a mídia de hoje com a da época deles e a considera pior. Acham oq aparecer irá criar assassinos, estrupadores etc.. E nunca percebem que isso tudo é fruto do mundo que eles criaram, o mundo do consumimos , o mundo dos relacionamentos rápidos, a estrutura familiar fraca etc…

  32. WooD disse:

    Eu sou contra essa lei… para mim não há motivos para a criação dessa leis.

  33. Almondaga falante disse:

    Que bom Gyabbo! Fico feliz que isso não represente nem 10% da sua vida. Pois há pessoas que deixaram de viver á um tempo para ficar vegetando no computador, sonhando estar cercado por diversas garotas. Esquecendo assim, que existe vida aqui fora. Entendo que o mangá/anime é uma forma de entretenimento. Mas depois do entretenimento voltamos à realidade. E não se esqueça nunca que você é um formador de opinião. Muitos adolecentes lêem o seu blog e o que voê escreve no Twitter. Sempre que puder, incentive, leve-os a reflexão, quem sabe assim, aguns deles começem a ver que para o Brasil se tornar um lugar melhor, só depende de nós. Mas se nos fecharmos para o mundo e nos esquecer que para o Brasil se tornar um país de primeiro mundo, precisamos sair do mundinho cor de rosa, nada irá mudar.

    E gilps, você não merecia nem resposta. Não por te dito um monte de besteiras ao meu respeito, mas sim por isso: “Otako não faz nada! meldels E o brasileiro faz o que então, quando tem a chance de fazer algo espera que o próximo o faça! Prefiro ser chamado de otako do que de brasileiro!”

    Eu senti uma enorme vergonha alheia aqui agora. Quer dizer que você não se considera brasileiro? Só uma coisinha para você, quem faz um país, é seu povo e infelizmente, o retrato do MEU país, são pessoas como você (sinto muito, estar generalizando). Tem muitas outras coisas que queria te dizer, mas seria inútil e também não quero descer o nível e muito menos causar confusão.

    E Robson, muito boa a sua observação. Sobre isso, o que eu tenho a dizer é: Quando os pais não querem se preocupar com esta função “reguladora”, transferem esta responsabilidade para o “poder público”. Que parte do “houve um apelo da população japonesa” (leia-se: pais e mestres ), vocês não entenderam ainda? Começa a guerra quem atira primeiro (e neste caso não foi o governo japonês que abriu fogo). E se acham que o governo é contra esse tipo de mídia, saibam que não é bem assim. A lei foi aprovada, vai entrar em vigor e isso é um fato. Cabe a indústria se adequar as novas regras do sistema.

    Que matemática maluca! ¬¬
    Reajuste do Salário Mínimo 2011 = 5,83%
    Reajuste dos Parlamentares 2011 = 62%
    Mas quem liga, né? Otaku só quer ver irmãzinhas em situações ecchi u_u
    Votação do Orçamento 2011 com corte na educação? Mera coincidência. ¬¬

    Encerro por aqui. Nos vemos em algum outro post, em que valha a pena eu perder meu tempo dando minha opinião.

  34. Laurinha Moonie disse:

    Querido Gyabbo,
    Venho pedir um auxilio. Sei que você não é muito chegado nesse anime, mas dê uma força ae ao pessoal do SOS SAILOR MOON, para que, mesmo vindo a série pelo meio (que infelizmente a Angelotti, ao invés de trazer a serie desde o começo adquiriu a fase S e pior que lascar a odiada dublagem da BKS nos DVD´s), por causa da burrada do Angelotti, está rolando no site uma enquête de como queremos estes DVDS (áudio original e legendas e áudio REDUBLADO).
    Coloca uma nota ai no blog e ajude-nos a conseguir votos na opção áudio original e legendas e áudio REDUBLADO, para que o Angelotti possa por a mao na consciência e no bolso e mandar rebublar estes 38 episodios decorrentes da fase S, Peço essa ajuda, pois em uma semana de enquete obteve-se poucos votos, não sei se pelo cansaço dos fãs quanto ao assunto, ou sei lá, e sabemos da popularidade de seu blog quem sabe esses números aumentem. PEÇA AJUDA POR FAVOR!!!
    Ajude-nos a mudar essa situação já complicada de Sailor Moon no Brasil, e um lançamento que tinha tudo para dar certo, o Angelotti está fazendo o favor de começar a afundar o barco das Sailor por aqui. Afinal ele encomendou a pesquisa (aquela que você ate colocou nota aqui no site) E simplesmente ignorou a vontade dos fãs, e iniciou essa aquisição com a TOTAL FALTA DE RESPEITO aos fãs e tudo mais, o que está repercutindo feio para ele e para a empresa no meio dos fãs por aqui e até no exterior, já que todos os sites sobre as sailors noticiaram essa total falta de consideração do Licenciador+TOEI com os fãs.
    Ajude-nos a mostrar que realmente JUNTOS SOMOS MAIS FORTES, e quem sabe conseguiremos essa redublagem.
    (Ah e se quiser, não aprove esse coments tá bom, fica em Off só por força de contato com você desculpa usar este espaço para pedir esse auxilio!!!!)
    Beijao e feliz natal!

  35. Leonardo Tadahiro Ito disse:

    Pra começar já vou adiantando q sou Brasileiro, cresci no Japão a infância e adolescência, e hoje adulto estou no Japão.

    Desde pequeno costumo ler manga, ver anime e crescendo senti gosto pelo modo de vida Otaku… Por isso quando esse tipo de lei, que somente e feito para o governo ganhar pontos com pais, mestres e países que querem impor opinião de coisa q nem e da cultura deles, só posso ficar furioso.

    Em primeiro lugar! A imagem q se tem de Otaku do Japão, e de um cara sem vida social, sem dignidade, sem saúde… sem trabalho! O que não e bem assim.

    A realidade e que esse tipo e a grande minoria. Otaku q conheci são pessoas cheios de talentos, bem de saúde [alguns faz esporte todo dia], bem no serviço, e para aqueles q o conhecem há muito tempo, não sentem q ele seja um bicho de 7 cabeças.
    Muitos aqui mesmo falam de Otaku, baseado na própria mídia q muitos por ai dizem não crer.

    E se existem Otaku ruins, o culpado mesmo e a própria sociedade Japonesa, o povo aqui e extremamente hipócrita e sínico, frio e calculista… Retardado q toma influencia de algo e sai cometendo crime são pessoas propensas a serem maníacos, algum ou outro e Otaku por acaso. Porem como todos não querem dividir a culpa, e jogar tudo em cima de uma minoria vulnerável, acabou ficando assim… Sociedade contra Otaku.

    Concordo Tb com o que Robson disse… Aqui as pessoas começaram há muito tempo atrás, com uma guerra contra Otaku, os filhos herdaram essa idéia sem nem saber exatamente o pq [eles somente repetem a mesma coisa], e como não sabe mais como prosseguir, passaram os últimos anos em cima do governo, para resolver o pepino q foi deixado nas mãos deles.

    Denys Fantasma Almeida disse q [eu não vou sentir falta] se dirigindo as principais coisas q serão censuradas nessa lei porem, e pq ele cresceu em outra cultura, onde o cristianismo predomina [ocidente], o que torna a opinião dele a não dar a mínima pra isso.
    Não digo q ele ruim, ninguém e! Ele somente falou em cima do q ele conhece… Aqui no Japão mesmo, escuto bastante [pq o Brasileiro não fica no Brasil, onde e tão bonito] ou [La e tão grande, pq a necessidade de trabalharem aqui?] eles aqui Tb só conhecem a nos por informação no final das contas.

    Mas veja… Aqui onde estou e o JAPAO! Aqui mora japonês, q cresceram mergulhados na cultura moderna Japonesa. Tirar essas coisas deles e como proibi o futebol pro Brasileiro, aqui no Japao poucos vão se importar tb.

    Que estou defendendo somente meus interesses? Isso e lógico, eu tenho uma forma de vida, tenho hobbies! Gosto de manga onde um irmão se apaixonou pela irmã [ou vice e versa], não vejo problemas, de aparecer um personagem feminina de 18 anos com aparência de 13. q se apaixonou pelo herói, ou de exibir animes q atraiam pelo olho, desde q seja exibido como sempre, em horário apropriado, ou por canal pago e restrito[AT-X] como sempre foi . Eu gosto da historia por entretenimento, e sei discernir ficção e realidade.
    Tenho amiga q gosta de ler yaoi, ou manga shotakon.
    Tenho amigo q gosta de ler manga lorikon.
    Ambos tb cientes da realidade e ficçao, e com os direitos livres de gostar do que quiser ler, oprimidos e com risco de serem varridos do mapa.

  36. Leonardo Tadahiro Ito disse:

    e somente pra reforçar.
    Almondaga falante q fala fala e foge, disse.

    [Que bom Gyabbo! Fico feliz que isso não represente nem 10% da sua vida. Pois há pessoas que deixaram de viver á um tempo para ficar vegetando no computador, sonhando estar cercado por diversas garotas.]

    pois e o tipo q acha q sabe da cultura de um pais, e das pessoas q vive nele, sentado a bunda vegetando na frente do computador, delirando q ta cercado por diversas razões.

    So quero esclarecer tb, que.
    Sou a favor da opinião de muitos aqui, porem tem coisas q vejo q estão baseados, em conhecimento não por convivio, mas por conhecimento visual.

  37. WooD disse:

    concordo com Leonardo Tadahiro Ito, afinal tbm sou oriental. Apesar de sempre ter morado no Brasil eu conheço suas culturas.

  38. Shaidon disse:

    Tudo depende da boa educação. Já mechi com tantos jogos e filmes cabeludos que poderiam me transformar num verdadeiro demônio, mas apenas adquiri uma imaginação sem limites de tabús. Sei diferenciar o real do imaginário e não vou causar mal a ninguém por ter visto certos desenhos japoneses. Mas acredito que se uma pessoa só se deixa educar por eles, provavelmente não vai formar um bom caráter.
    De qualquer forma, é a mesma história, governo atacando o efeito ao invés da causa.
    Também não vou sentir falta de lolicon e incesto.

  39. gilps disse:

    XD o almôndega é fogo! Só enrola!
    Exatamente por estes numeros no final, do seu comentário, que eu não me considero um brasileiro, ou pelo contrario, tenho vergonha de infelizmente ser um!
    Um pais onde o povo escolhe, um representantes que preferem encher os próprios bolsos do que investir na saúde ou na educação!
    Da sua pessoa não falei nada! Falei só do almondega… que para mim é um Zé Ninguém!
    Bom eu também vou parar por aqui! Se quiser continuar o papo, você tem o meu facebook, twitter, MSN, E-mail, Orkut, endereço, last.fm, e por ai vai… se quiser vir tomar um café é bem vindo!

    O Denys, deve adorar este tipo de coisa. Eu pelo menos, dou boas risadas com isso! (Alivia o stress!)

  40. Tanko disse:

    Quem critica a falta de posts sobre política brasileira num blog sobre anime e mangá compara-se àquelas pessoas que ao saber que alguém cuida de cães e gatos abandonados, dizem que este alguém deveria adotar uma criança. (lógico que quem critica geralmente não cuida de cães, de gatos e muito menos adotou uma criança)

    Eu acho que a questão de Tokyo inclusive traz uma reflexão para nós brasileiros: cuidado em quem você vota! Já estão querendo vetar nossos jogos com uma lei extremamente vaga (http://jogos.uol.com.br/ultnot/multi/2010/12/22/ult530u8892.jhtm)

    Daqui a pouco vão resolver que os mangás, animes e jogos são os culpados pela pedofilia, violência e desestruturação da família no Brasil também. =p E gente DELIRANTE vai dizer que o Brasil não vai para a frente por causa de sua grande quantidade de otakus (Aham, Cláudia, senta lá.)

    Por favor, né? Mangá e anime são GRANDE PARTE da minha vida e me orgulho disso! Sou cidadã, tenho meu trabalho, minha casa para cuidar, o meu noivo, pago meus impostos, reciclo meu lixo e este é um país livre, como dizem os “estadunidenses”.

    E agora voltando ao que interessa, as mangakás de yaoi estão confusas. Algumas já pararam de desenhar histórias com estudantes. No entanto a reviravolta: material digital não será mais regulado pela lei 156:

    http://shoujo-cafe.blogspot.com/2010/12/mais-comentarios-sobre-lei-de-censura.html

  41. Leonardo Tadahiro Ito disse:

    no japao e diferente.

    mas no Brasil, essa historia de quem gosta dessas coisas tem problema, muito vem do mesmo exemplo a seguir – [pq quem tem dinheiro, nao faz mais pelo povo, ao invez de so juntar cada vez mais]

    o que tem a ver? simples, e falta de algo q faz a pessoa criticar quem tenha… neste caso, e falta de inteligencia mesmo, pois tem medo de conhecer outra cultura, do q as pessoas vao falar dela se gosta, ou simplesmente nao compreende e critica, pq quem nao consegue dar opiniao construtiva, critica pq critico parece q entende do assunto, e da impressao de inteligente.

    e como Tanko disse, vc sendo uma pessoa trabalhadora, paga impostos, tenta se manter dentro da lei, e na medida do possivel tem uma vida normal.

    gostar de ler algo, por si só e crime? mas e diflamaçao, de generalizar todos q gostam? nao e um tipo de delito tb? cade a prova de q quem e otaku, e 100 por cento um marginal?

  42. Luiz Martins disse:

    Depois do que o Leonardo Tadahiro Ito disse, eu nem preciso dizer mais nada.
    Eu leio e assisto mangás e animes de diversos gêneros, e quero continuar tendo esse direito. Eu não costumo misturar ficção com realidade, e se alguém o faz, é porque já tem a personalidade fraca, mesmo; o faria de um jeito ou de outro. Mas precisavam – ou quiseram – eleger um culpado, e decidiram escolher mangás e animes para judas.
    Não apóio essa lei de jeito nenhum porque me recuso e sempre me recusei a apoiar qualquer coisa que tenha o mais remoto traço de censura – palavra que eu sequer gosto de falar ou digitar.

  43. CRISC5 disse:

    EU CONCORDO COM ESSA LEI EM PARTE POIS ESSES ANIMES MUITO ECHI Q MUITAS VEZES A HISTORIA É SENSACIONAL E SE PERDE PELO CAMINHO POR CAUSA DISSO GOSTO DE UM ANIME BEM DOSADO COM UMA HISTORIA E SE TIVER Q TER UMA FAIXA ETARIA SERIA BOM TIPO INDICAR Q TAL ANIME É PARA 12+ 16+ 18+ ISSO SERIA LEGAL POIS CADA UM ESCOLHERIA OQ QUISESSE VER MAS BANIR TUDO TIPO TIRAR DE VEZ É RUIM POIS TEM PESSOAS Q GOSTAM DE VER ESSAS COISAS E QUAL É O PROBLEMA…ACHO HORRIVEL ISSO DE PRECONCEITO ESSS PESSOAS Q SÃO HOMOSSEXUAIS NÃO VÃO DEIXAR DE EXISTIR NO MUNDO SÓ PQ ELE QUER E ACHA RUIM É IDIOTICE ISSO FORA Q QUEM COMPRA POR HOMOSSEXUAL ESSES ANIMES Q SÃO PRA ELES VÃO PARAR E A ECONOMIA VAI PRO RALO TBEM, QUEM PERDE É O JAPÃO…

  44. gabriel disse:

    eu sou contra essa lei

  45. Lock disse:

    “Almondaga, meio ingênuo da sua parte achar que ninguém aqui se preocupa com a legislatura brasileira. Aqui é um blog sobre animes, não leis brasileiras, qual cabimento teria uma discussão dessas? Fala sério, querido.”

    Espero que o seu filho não diga um dia: “Olha lá, só passa mulher nua na tv… Por isso que o Brasil não vai pra frente.”

    Quer dizer, que os pais devem aprender a se dedicar o que tem em mãos, e não algo como fazer passeata e tentar acabar com uma lei imposta lá fora. Em poucas palavras: Você fala só por não estar fazendo nada.

    “Outra coisa, alguem tem os indices de casos de estupro e pedofilia no Japão? São maiores do que em outros lugares do mundo? Será que mangas e animes influenciam esse tipo de coisa?”

    Sim meu caro, influencia os benditos animes, e sem falar dos hentai contendo criança. Isso sim, atiça e muito a cabeça dessas pessoas de cometer algo contra a lei (é ilícita só perante a lei, mas se ela mudasse, provavelmente as pessoas achariam “normal”)

  46. garbiel uzumaki uchiha kurosake himura tao asakura disse:

    nada ave isso e uma merda essa lei anime naum e so violensia emsina varios valores da vida naruto ensina o companherismo e os amigos assima de tudo e q nem tudo se resove com a força bruta e essa lei loga vai se devastada pelos otakus de todo o mundo pq nos somos unidos quando tentão meche com algo q agente gosto eu odiei essa lei e varios outros otakus no mundo tbem odiaran

  47. giro giro disse:

    o post a cima do meu, foi o unico que me deu raiva aqui, li todos, demoro, mas li.
    mando bem na sua opnião, gosto de anime n sou a favor dos animes de estupro e pedo, mas tbm n seram eles que vão influenciar uma pessoa a comete-lo, se alguem estuprou alguem ou teve relações sexuais com 1 menor, ele(a) ja tinha isso em mente antes mesmo de ver animes assim, mas uma criança ver esse tipo de coisa eu acredito que ira influenciar no desenvolvimento dela. Faço faculdade e curto animes e mangas violentos (gore) e nem se quer gosto de ver sangue, tbm n curto brigar e n sera vendo gore que vou sair pela rua tentado ou desmembrando outros. Achei a lei mt vaga, e aqui foi o 1º blog que realmente colocou como a lei é, eu só tava lendo sobre “FIM DOS MANGAS E ANIMES” com um monte de otaku(os inuteis, pq tem os que sabem discernir realidade de ficção) desenvolvendo umas teorias bem malucas e praticamente chorando pq n iam mais poder tocar punheta vendo irmão comendo irmã.

    uma coisa que eu concordei é que no brasil a pessoa n entende ou tem medo de conhece algo novo logo critica, mas n acho que para se sentir inteligente, no brasil futboll é cultura(pra mim é cultura é outra coisa) no japão é anime e manga, como n tem nd have com a cultura brasileira é “O DIFERENTE”, é “COISA DE MALUCO” e por ai vai, brasileiro tem mania/gosta de taxar e julgar então quando o caso é algo mt diferente da sua realidade, logo é 1 ameaça, ja que n conhece, conheço varias pessoas que são assim, se é algo que n conhece, n presta ou é pra maluco…

    mals ae nem sei do que to falando +, to cheio do sono já, e foi mal pelos erros ortograficos tbm.

  48. Jessy disse:

    Amei o texto, e eu sou a favor da lei nas partes de tirarem tanto fanservice e garotas lolis e exageradas, acho que isso está demais na indútria de animes, entretanto eu fiquei completamente contra o lado de que eles se mostram contra apenas as imagens gráficas, ou seja, se forem filmes ou pessoas reais não há problema algum, o que eu acho contraditório, pois pessoas reais não teriam um impacto maior na mente juvenil? Não haverão garotas de animes com calcinhas à mostra por todos os lados, mas garotas reais poderão haver? Não há muito sentido nisso. Fora isso achei uma lei boa, ainda mais pelo fato de que não irá banir a indústria, apenas restringir.

  49. Pingback: Lei 156 – A lei anti-otaku | Akatsukiprof's Blog

  50. PQbithy disse:

    concordo plenamente com vc!!!sabe, o problema msm naum é alei, e sim qm vai dirigila! sabe, eu asko q o governo japones, em vez d se preocupar com animes e mangás (o q para eles con certeza é uma coisa inutil) com apologia ao sexo, eu acho q eles deviam dar mais atenção a fotos reais, revistas pornos, sei la, essas coisas!qual é! mangás e animes proibidos por causa da temalidade sexual e violencia explicita…por q naum proibem filmes d terror(q eu odeio…)e revistas playboys, q daum uma ideia disso q eles estaum tentando proibir mil vezes maior! eu naum me incomodo sincerament d tirarem hentais das bancas, mas eles estaum levando isso a um extremo mto maior! proibindo historias q eles askam exageradas e tornando-as uma historia num nivel para els “aceital”…eles vaum sentir na pele o q estaum fazendo! a industria d mangá no japão é como a industria petrolífera no brasil, se cortarem isso, uma crise mto grand vai vim sobre eles!!!sabe, eu sincerament quero q eles repensem no q estaum fazendo pra depois naum se arrependerem tarde demais.

  51. Enrico disse:

    Por mim não teria censura nenhuma…

  52. Pingback: Vencedores do Tokyo Anime Fair 2012 | Nahel Argama

  53. Pingback: O Fim da Lei 156 | Nahel Argama

Os comentários estão encerrados.