Considerações sobre o terremoto que assolou o Japão

Acredito que todos vocês já estão sabendo da terrível tragédia que acometeu o Japão durante esta semana. Na sexta-feira (11/03) um terremoto de magnitude 9,0 (de acordo com novas informações da Agência Meteorológica do Japão) atingiu o mar do Pacífico na parte Noroeste do Japão. Esse fenômeno natural seguiu-se de outros tremores menores que continuam até hoje e devem continuar por um bom tempo (esperam-se tremores acima de 7 pontos para os próximos dias), mas principalmente por Tsunamis, as ondas gigantes, principal fonte de destruição e mortes.

Até o momento a contagem oficial já passa dos 1.300 mortos, com mais de 10.000 desaparecidos ainda. Equipes de resgate japonesas e internacionais trabalham arduamente na busca por sobreviventes, mas o número de mortos deve aumentar bastante. Até Abril o país deve passar por racionamento de energia e atualmente muitas pessoas não têm acesso nem à água potável.

Esse é um resumo mínimo do terrível momento que passa o Japão, considerado pelo Primeiro Ministro do País, Naoto Kan, como a maior crise desde a Segunda Grande Guerra. Como um admirador da cultura japonesa, sendo o segundo país mais próximo de mim, essa tragédia foi muito complicada de acompanhar. Na sexta-feira eu estava estudando quando começaram a surgir as primeiras notícias e comecei a acompanhar pelo canal de notícias CNN e pela NHK. Quem estava online pode ver no Twitter minha ansiedade pelo o que acontecia. Ver ao vivo as ondas gigantes se aproximando cada vez mais da terra e consequentemente devastando tudo pela frente, com carros tentando fugir e nem sempre conseguindo, casas sendo derrubadas, enfim, destruição total, foi terrível de acompanhar.

Por isso mesmo alguns projetos relacionados ao entretenimento pop japonês foram adiados e não me senti confortável para escrever um post normal. Ainda que a angústia que eu passei não chegue nem aos pés do que passaram os japoneses e pessoas com amigos/parentes lá, pelo menos por enquanto as coisas não são as mesmas.

Aqui eu deixo minha soliedariedade a todos atingidos direta ou indiretamente por essa tragédia. Além disso, gostaria de reproduzir alguns links e informações que podem ser úteis.

Se você quiser fazer uma doação confiável para ajudar nesta situação, o tumblr “Porra, GazettE!” fez um post esclarecedor de como isso pode ser feito. O blog Muito Japão também fez um post com possibilidades de doações.

O J-Wave fez um post com diversas fontes de informações e fontes que podem ajudar a entender bem a situação, vale conferir. Entre eles temos o Lost in Japan, de um brasileiro que mora no Japão e desde o começo da tragédia vem ajudando no repasse de informações.

Ainda no começo disso tudo eu comentei no Twitter o seguinte:

Se você viu as notícias de terremoto no Japão e a primeira coisa que você pensou foi em não ter mais animes/mangas, mude sua vida. Sério.

http://twitter.com/#!/Gyabbo/status/46133742858813440

Nesses momentos, hobbies estão longe de serem uma prioridade. O sofrimento, a possibilidade de ajuda, o entendimento da situação, o repasse de informações, tudo isso é muito mais importante do que se determinado manga vai continuar ou se essa semana vai passar anime tal, por favor vamos ter discernimento. No entanto, não é como se fosse proíbido pensar nisso. Como comentou Alex Lancaster, do Maximum Cosmo, no seu Twitter, o entretenimento tem um papel fundamental em momentos como esse para elevar a moral, o humor e a auto-estima da nação. Isso não significa que você aqui no Brasil, sem relação alguma com a situação pode fazer piada sobre a situação. Não é um fato para fazer piada, principalmente se você só quer tripudiar e aproveitar a situação e não em ajudar.

Sendo assim, para aqueles que ficaram preocupados com seus ídolos dessa indústria, o usuário @azurekitsune está constantemente atualizando uma lista com nomes de seiyuu, mangaka e outras pessoas relacionadas que confirmaram estar bem, clique aqui para ver. Temos também essas duas listas com artistas de J-Pop e J-Rock que também estão bem.  Por fim, outra lista, dessa vez do site Anime News Network com o mesmo teor.

Além disso, alguns animes como Madoka Magica e o chamado Super Hero Time (Gokaiger e Kamen Rider OOO) tiveram seus episódios adiados. Aqui uma lista da ANN com outros programas que não irão ao ar.

Se você acredita em alguma divindade reze, ore, se não, torça, enfim, nesse momento de um tragédia tão grande toda ajuda é bem-vinda, tanto física quanto não-física. Mais do que um problema de uma nação, a dor é de toda humanidade.

PS: A imagem que ilustra esse post é da obra de Osamu Tezuka, Hi no Tori, uma fênix. Todos temos certeza que o Japão irá se reerguer e sair mais forte dessa situação!

 

Esse post foi publicado em Artigo e marcado , , , , . Guardar link permanente.

10 respostas para Considerações sobre o terremoto que assolou o Japão

  1. alchemistnany disse:

    O pior terremoto da história desse país que está acostumado a eles, mas o que destruiu e minimizou casas, carros, prédios, VIDAS foi o tsunami, algo que não havia como evitar, não havia como se proteger, uma destruição lamentável.

    Sem contar a radiação presente em determinado local do Japão, o terror da Segunda Guerra Mundial estaria de volta? Racionamento de energia, economia sendo afetada, mais tremores a cada dia, e o pior de tudo: a cada dia a descoberta de mais e mais vítimas, o número de mortos só aumenta, isso é algo MUITO triste!

    Nesses momentos de tristeza acabo sempre por lembrar do nome da terceira abertura de Naruto, “Transformando a Tristeza em Bondade”, acho importante fazermos algo pelos japoneses, sem que seja apenas orar como sugere a hashtag que está nos Trending Topics desde o dia do desastre! (#prayforjapan)

    E Denys, parabéns pelo post, pelo blog, isso prova o grande ser que é, usando um dos seus meios de comunicação com muitas pessoas para apresentar sua opinião formada sobre uma tragédia que ficará na história do mundo para sempre! :D

    E bom… 日本のための祈り (Pray for Japan)
    “Enterre a dor dos seus entes queridos nos braços dos seus amigos.” – Erza Scarlet (Fairy Tail)

  2. Saudações

    Eu acho totalmente válida a iniciativa, e a sua postagem está ótima, Denys. Não fiz uma postagem sobre o assunto em meu blog não por achar desnecessário, mas sim pelo fato de que não considerei tal espaço como o local apropriado para tanto…

    Gosto muito de postar sobre animes, sobre o ISML, sobre mangás. Mas esse assunto é de um nível de cuidado e seriedade muito elevado para o conteúdo trabalhado em meu blog (ao menos, da forma como trabalho ele no blog). Mas é apenas um modo pessoal de ver a situação, mas nem por isso não procurei me atualizar sobre o problema, bem ao contrário: fui atrás de informações para ter uma opinião bem formada.

    É lamentável o que ocorreu no Japão. Por mais que seja um País estruturado (e que com o tempo irá se recuperar do ocorrido), o Japão também sente os resultados de uma catástrofe. É algo com o qual o Chile teve que lhe dar no início do ano passado, e que os haitianos sentem as seqüelas até hoje…

    Obviamente, tivemos a apresentação daqueles que procuraram se vangloriar do que ocorreu: com mentiras, boatos, e até brincadeiras de mau gosto. Isso é o que posso chamar de “o outro lado da humanidade”. Os mais sensacionalistas de plantão também não perderam a oportunidade…

    Sem hipocrisia: não posso ajudar financeiramente o povo japonês. Fico feliz em citar aqui que dez Reais do meu salário, todo mês, é revertido em prol das pessoas que precisam de ajuda (por exemplo: nas recentes enchentes em SC e no PR). Sei que é pouco, mas é o que posso fazer no momento. E depois que fiquei sabendo (hoje) de uma certa questão financeira aqui em casa (mas isso é um outro papo)…

    Vi em outros blogs e sites comentários de internautas que, em parte, exaltavam uma situação em comum: “no Japão, a população aprende desde cedo a se precaver (no máximo possível) destas ocorrências naturais e, se isto tivesse ocorrido no Brasil – por exemplo – eles, os japoneses, não dariam a mínima”. Há um belo contra-senso nesta frase, certo!?

    Foi um comentário longo demais, peço desculpas pelo mesmo. No mais, bela postagem, Denys.

    Até mais!

  3. Dih disse:

    O que dizer desse post? Foi perfeito!

    Queria dar enfase e concordar quando você fala a respeito da preocupação das pessoas com os “hobbies”. Acho válido a preocupação quando você não as coloca em primeiro lugar. Simplesmente dizer que você não pensou em tudo que você gosta do Japão é hipocresia. O problema é quando você dá mais valor para essas coisas do que para o acontecimento em si. Como eu disse no twitter, muitos ainda não perceberam que esse acontecimento afetará o mundo inteiro economicamente e socialmente, afinal, um país que é a terceira maior economia mundial interfere na vida de todos.
    Mas enfim, falar demais sobre isso é chover no molhado. Muitas pessoas simplesmente não se tocam e nem pretendem. Ainda acham que é questão de “implicar”, mas ok.

    Quanto à uma utilidade pública, o pessoal de São Paulo pode ficar de olho na festa que o bairro da Liberdade estará organizando nos próximos dias 26 e 27 de Março. O valor da renda obtida na festa, será revertida e doada ao Japão através da Associação Japonesa. Para os que tem “um pé atrás”, garanto que é tudo muito certinho por lá. A Liberdade está de luto nesses dias. Passei por lá nesse fim de semana e está irreconhecível.

    Enfim, acho que é isso. =P
    http://chuvadenanquim.wordpress.com/

  4. Hakeru-chan disse:

    O comentário do Lancaster me lembrou algo que traduzi do twitter do Tite Kubo (o autor de Bleach). Do que entendi do Google Translator (‘^^), ele disse que parou de acompanhar as notícias pela tv e foi ver um pouco de programas de comédia, para dar uma risadas. Ele disse ainda que não tinha rido nenhuma vez desde o acontecido, e que achava que faria bem, pra ele e pra trazer boas energias.

    Muitas pessoas falam que estamos preocupados somente com mangakás, seiyuus, artistas… mas acho que é normal, afinal, no nosso caso, foi graças a eles que nos aproximamos do Japão. E justo por isso, nos preocupamos com eles e com todo o povo japonês em geral. Eu pelo menos fico pensando na apreensão que pessoas como o próprio Kubo, ou o Kishimoto, o Obata e suas famílias estão sentindo nesse momento. E trocaria com alegria todos os meus mangás pelo bem-estar deles :)

  5. Concordo com o que escreveu. Eu tenho me desapontado com muita gente Twitter afora e manifestei isso em meu blog:

    http://nagado.blogspot.com/2011/03/o-japao.html

    Sigo acompanhando as notícias, me comunicando com amigos no Japão e orando por todos. Não só porque se trata do Japão. Somos todos seres humanos.

    Nagado

  6. daniell disse:

    Gostei das considerações e acho importante demonstrar condolências ao povo vitima dessa catástrofe. Sempre gostei dos japoneses pela sua força é resistência, a séculos eles vivem enfrentando esses problemas ambientais é sempre conseguiram superar, agora mostram o grande pais que se tornou. Mais uma vez eles conseguiram se erguer dessa tragédia.
    Quanto aos animes: sim, eu pensei em não ter mais animes nem mangas, mas essa foi a segunda coisa que pensei, a primeira coisa que pensei foi: (deve ser mais um “terremotozinho” no japão), pra minha infelicidade estava errado. Não nos cabe mas questionar se terá ou não anime/manga ou desejar que essa indústria de desenhos não seja afetada e que os desenhistas passem bem e logo voltem a trabalhar.Isso não acontecerá.Vidas foram perdidas, se não a dos próprios a de familiares ou amigos, percas lastimáveis.Um prejuízo incalculável que abalou a todos no mundo.

    Voltar a trabalhar normalmente como antes é difícil, mas com dedicação, esforço e trabalho árduo sempre podemos reconstruir o que foi destruído e com isso ter novas experiências, novas emoções, novas idéias e assim oferecer algo novo, diferente, uma conquista com as lições que aprendemos e um novo olhar para a beleza do mundo.

  7. Pingback: Mais considerações sobre como ajudar- Japão. « caridadeagape

  8. Power Otaku ^^x disse:

    Tem alguns brasileiro desaparecidos tb pelo que vi no Jornal, espero que nada de grave tenha acontecido e é só falta de comunicação mesmo. Torço para que o Japão se recupere desse desastre mesmo, e vai se recuperar.

  9. Hidekee disse:

    Quando eu vi a notícia fiquei meio que chocado, nem pelo terremoto, pois como citou o alchemistnany acima, japonês está acostumado e tem como evitar problemas piores, mas sim a tsunami que matou mta gente e destruiu mto. Acho que pelas cidades atingidas terem um visual mais “conhecido” o impacto foi superior ao que atingiu a Indonésia (se não me falha a memória) no passado, fora acompanhar em tempo real praticamente.

    O problema da radiação é a falta de energia, que prejudica radiação. Essa fuga de radiação pode trazer problemas sérios ao Japão além da contaminação, como importação de energia e outros gastos extras.

    Quanto a quem pensou apenas em animes e mangas, só digo algo: tenderá a piorar. O Japão vai ter que economizar para poder reconstruir os lugares atingidos, com maior urgências nas usinas nucleares. Com isso dinheiro vai reduzir no país e provavelmente mtos estúdios vão ser afetados. E já falam em uma provável crise econômica em vários país ou até mesmo mundial por conta desse tsunami, já que os prejuízos a um dos países que mais consomem (importam) de outros são muitos e variados.

    E Denys, vc falou de gente tripudiando, mas aqui no Brasil não chegou nem aos pés de alguns (graças a Deus são alguns frente ao todo) americanos falando coisas como “bem feito, mereciam depois de Pearl Harbor” e similares, com alguns revoltosos pelo EUA mandar ajuda humanitária. Isso me deixou mto revoltado mas não considero como reflexo de ignorância, só isso pode explicar tanta crueldade escrita por alguns. Um bom exemplo é o rapper ridículo que vale apenas 50 cents…

  10. Pingback: 3 anos de Gyabbo! – A consolidação de uma trajetória |

Os comentários estão encerrados.