Deadman Wonderland – Primeiras impressões

Muitas vezes fantasiamos sobre como nossa vida seria caso algo incrível acontecesse de uma hora para outra. Dando um exemplo mais realista, quem nunca se pegou pensando no que faria com aqueles milhões ganhos na mega-sena?

Mas e o contrário, você costuma pensar?

E se sua vida calma se transformasse em um verdadeiro inferno de forma muito rápida? A verdade é que estamos sempre nos preparando para o melhor, estudando, nos aperfeiçoando, criando expectativas boas, mas pensar no pior não faz parte da nossa rotina, muito por isso seja tão difícil encarar a morte, mesmo que ela seja a única certeza de nossas vidas.

O anime Deadman Wonderland, baseado em um manga de Kazuma Kondou (arte) e Jinsei Kataoka (roteiro) publicado originalmente na revista Shounen Ace desde 2007 e contanto com 8 volumes atualmente, coloca seu protagonista em uma situação limítrofe como essa. Em um dia normal de aula toda a sua turma é assassinada por um bizarro homem de vestimentas vermelhas, deixando apenas Ganta Igarashi vivo. Não tendo outras explicações plausíveis e sendo alvo de uma armação, o garoto acaba sendo sentenciado a morte pelas mortes ocorridas.

Após a sua sentença e completamente desnorteado, afinal, não só presenciou o assassinato de seus melhores amigos, mas também acabou culpado por eles ainda que seja inocente, Ganta é enviado para a única penitenciária privada do Japão, a Deadman Wonderland. Meio prisão e meio parque de diversões, o lugar utiliza-se da mão de obra dos seus detentos para divertir o público geral e lucrar com isso. As regras do lugar são extremamente rígidas, transpassa-las na maioria das vezes resultará em punições físicas severas. Além disso, aqueles no “corredor da morte” são obrigados a comerem uma espécie de doce no intervalo máximo de três dias, ou irão realmente morrer.

Deadman Wonderland joga uma criança confusa em um mundo surreal, quase incompreensível para ela. O questionamento sobre a razão do seu destino e a tristeza pelo que aconteceu são explorados em todos os episódios até o momento (vi até o terceiro), mais que o próprio manga, focado mais nos extremos visuais.

Ganta no entanto, carregado mais pela raiva e pelos instintos de sobrevivência, vai mudando progressivamente as suas formas de comportamento a fim de não perecer e conseguir vingança contra o tal homem de vermelho. Além disso, o garoto ainda possui uma habilidade ganha no primeiro encontro com este homem de transformar o seu próprio sangue em arma, o que terá uma forte influência na sua dinâmica com toda a prisão.

Mais forte que um shounen, menos denso que um seinen caprichado, Deadman Wonderland está ali em um limiar que divide o público juvenil do adulto. Ao mesmo tempo que temos o sofrimento psicológico do personagem sendo explorado, também nos é colocado um sistema de batalhas típico dos shounen com “poderes especiais”, influenciando fortemente a história.

Entre os pontos fortes do anime temos a boa, ainda que não muito exuberante, animação feita pelo estúdio Manglobe, seu time de seiyuu (com Paku Romi de Ganta e Kana Hanazawa de Shiro, uma estranha garota que parece ter uma ligação não revelada com o passado do protagonista) e sua parte sonora. Seja com a ótima abertura que em muito lembra um clip musical ou seja pelas insert songs, é notável o capricho nessa área, o que já era de se esperar já que temos Yoshikazu Iwanami (Sengoku Basara, Baccano!) no comando.

O ponto fraco fica para as infelizes censuras nas cenas mais violentas e em parte do enredo. Originalmente a história de de Deadman Wonderland se passa em um Japão no futuro após o acontecimento de um grande terremoto. É claro que isso seria retirado após os acontecimentos anteriores à estreia do anime. O que é realmente decepcionante são as censuras colocadas em cenas de maior impacto visual. Todas as cenas onde teríamos uma morte mais violenta são censuradas, seja pelo escurecimento grande da imagem ou por clarões como pode ser observado na imagem acima. Muito provavelmente nos DVD/BD isso seja alterado, mas para quem está assistindo pela TV acaba sendo ludibriado. E não estou reclamando disso apenas por querer ver sangue, não é isso. A questão é que muito do sentido que Deadman Wonderland vem dessa violência desmetida e surreal, criando toda uma atmosfera de tensão, o que acaba se perdendo em parte no anime, sendo mais difícil ainda de recuperar já que teremos apenas 12 episódios.

Qualidade ténica, enredo interessante e instigante, personagens que vão crescendo com o passar da história e boas cenas de ação dão a medida certa de Deadman Wonderland. Se você for um fã de shounen de lutas, deve gostar, se preferir algo mais reflexivo, dê uma olhada também.

Esse post foi publicado em Animes, Primeiras impressões e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para Deadman Wonderland – Primeiras impressões

  1. judson disse:

    Boa análise, me deu vontade de ver

  2. JonhMaster disse:

    O anime é meio previsível so em 3 episódios eu ja sei quem é o “red man” pessoas extremamente boazinhas sempre escondem um lado psicopático.

  3. FANFINIR disse:

    Eu ja vi os 4 episodios e ja li 43 capitulos do manga. O que posso dizer é que é viciante assistir. Mesmo com a censura oque mais me deixa ligado e ver o Ganta sendo tragado para uma tragedia inimaginavel para ele. No manga o mais interessante e ver os laços de amizade crescendo e se perdendo co mo andar da historia. Alem da musica maravilhosa de abertura, ao qual nao consigo achar ela inteira. Afinal a banda DWB (Deadman Wonderland Band só existe para o anime) e pegaram os arranjos da musica (nao lembro o nome) da banda Fade. No mais, nos creditos e interessante ver as fotos que revelam muitas coisas e dao o tom da tragedia que se desenrola. Adoro as intervenções da Shiro e espero que no fim eles possam encontrar um no outro a felicidade………..

  4. Monad disse:

    Você realmente achou a animação boa? Eu acho que ficou muito abaixo de outros animes da Manglobe como Samurai Champloo, Ergo Proxy, Michiko e Hatchin e Sarai-ya Goyou. Mesmo The Sacred Blacksmith que é o único anime mediocre deles (até agora) tem valores de produção mais elevada. Talvez para um estúdio pequeno como Manglobe, fazer dois animes ao mesmo tempo exige um certo sacrificio, principalmente se todos seus animes foram flops comerciais. E nota-se mesmo pela segunda temporada de TWGOK que na minha opinião está a ser melhor que a primeira, que estão a ter mais cuidado na animação e na direcção.

    Voltando em Deadman Wonderland, o único ponto positivo que encontro é parte sonora, a OST do anime que está boa e as vozes também (ok, no principio a voz de Shiro parecia a da Nessa, mas a seyuu finalmente remendou isto). Animação é mediocre, nem falo da censura que isto é provavelmente uma desculpa para vender BDs mas a arte e animação são muito inconsistentes. Sobre a história, não está a ser bem adaptada, mudanças desnecessárias aqui, cenas cortadas ali, tudo dar uma ar de versão inferior, comparado ao manga.

    Com 4 episódios visto posso finalmente dizer: bem-vindo The Sacred Blacksmith 2.0!

  5. Feiqueman disse:

    Apesar de estar curioso para entender a história desse anime, não pretendo continuar assistindo, pois esse gênero “Jogos Mortais” de violência sem sentido definitivamente não me agrada.

  6. fanfinir disse:

    putz deadman wonderland pior que michiko to hatchin pegou pesado…animação mediocre lol…pessoal assiste anime aqui para se divertir ou para tecer criticas com ose fosse um expeert..pessoalaqui deve ser bem fod@#..como eu digo faça melhor…entre para a manglobe e escrache com seus dotes artisticos….e cada um que aparece…descontar frustração em anime..ve se pode. vai ver pica pau..aquilo sim e ruim!

  7. fanfinir disse:

    hahaha generos jogos mortais..ja rotulou e nem viu o anime direito kkkkkk..tem um porque de ser assim…caso tivesse lendo o manga seria de mais facil compreenssão. de uma chance ao anime..leia o manga e creio que va gostar. caso nao goste de animes mais truculentos e melhor ver outros tipos como exemplos: K-ON, Tokyo Magnitude 8.0, Summer Wars, H2O: footsprint in the sand, Sora no woto; The world god only knows e por ai vai…..

  8. Monad disse:

    @fanfinir.

    Sim, animação de Deadman Wonderland é mediocre, se tás satisfeito, bom para ti, mas para um estúdio que produziu os três animes originais citados e Sarai-ya Goyou, eu não me contento com esta animação e arte inconsistente e desleixada. Em relação à Michiko e Hatchin, tirando umas caras feias aqui e ali em alguns episódios, animação e arte foi muito bom, portanto não entendo esta de pegar pesado. Não acho certo ficar comparado os dois visto que Deadman Wonderland está no começo mas até agora (e duvido que ultrapasse) Michiko e Hatchin é muito superior, as personagens, a história, a música, o ambiente, etc.

    Claro que assisto anime para divertir mas isto não quer dizer que sou cego, não vejo mal em criticar, principalmente, quando a adaptação de um dos meus mangas preferidos tem sido mediocre, claro que espero sempre o melhor, não? E nem vem com essa de “não gosta, faz melhor”, porque além de entretenimento e arte, isto é uma industria e como tal, eles devem agradar os consumidores (ok, não é bem meu caso, porque vejo ilegalmente), mas como fã de um estúdio que produziu animes excelentes, é sempre mal ver adaptações mediocres como esta quando sabemos que eles têm talentos.

    Dá próxima se quiseres argumentar, faça direito inves de “atacar-me” sem razão ou fundamento. São pessoas como tu é que animes como K-on! ou Naruto vendem milhões enquanto animes com excelentes histórias vendem uma miséria… é triste. /facepalm

  9. Roberta disse:

    Wooh, mexe com gaúcho xD

    Por outro lado, eu estou gostando bastante da adaptação, só me desagrada um pouco a censura mas não há como evitar néah, acontece nas melhores familias.

  10. Pingback: Yopinando Shinbun – Animações – Especial sobre animes sobrenaturais « YOpinando…

  11. Pingback: Deadman Wonderland – Editora Panini |

Os comentários estão encerrados.