Don’t Panic!

Oi pessoal, como estão? Estou começando a escrever esse post sem saber exatamente o seu propósito, mas o que seria da vida se não nos perdéssemos um pouco, certo?

Hoje, dia 25 de Maio é comemorado o tão aguardado Dia da Toalha, uma data onde os fãs do autor britânico Douglas Adams, conhecido principalmente pela série “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, prestam suas homenagens carregando uma toalha consigo o dia inteiro. Maiores informações, clicar aqui. Além disso, o dia é também marcado por datas relevantes, como o dia de Star Wars (fazem exatos 34 anos da sua estréia) e o Geek/Nerd Pride Day. Antes de continuar com o texto devo salientar que apesar de tudo que será escrito aqui, tenho que concordar com o amigo Didcart do MBB Anikenkai, de todas essas datas comemorativas, só ligo realmente para a primeira.

Se a gente parar para pensar um pouco no que seria um nerd, mesmo que você seja um, provavelmente virá à sua cabeça uma imagem estereotipada de um nerd. Possivelmente um garoto magro, branco, de óculos e americano. Ou não, quem sabe você se lembre de um amigo da escola, enfim. Mas sabemos que estereótipos midiáticos são meros exageros de características selecionadas principalmente para ser mais cômico e afastado da imagem de perfeição visual/social, logo, o que seria realmente um nerd? Eu poderia pesquisar em livros e artigos, puxar as diversas características teoricamente atribuídas a esses seres: são antissociais, são estudiosos, estão sempre na internet, vão concertar o seu computador quando necessário! Mas não irei fazer isso, a ideia aqui é deixar o texto fluir de cabeça, então prefiro colocar a forma como eu classifico um nerd de forma básica;

Uma pessoa que tem um interesse maior que o padrão por algum assunto e que desenvolve uma vontade muito grande de conhecer sempre mais desse assunto.

O que acharam? Eu sei, é imcompleto e superficial, mas para mim está bom. Pensando desta forma podemos encaixar aquele cara que com 14 anos entende mais de computação do que 99,99% dos técnicos da NET que vão na sua casa. Também entra os fissurados em filmes; Star Wars, Indiana Jones, De volta para o futuro, Matrix (nesse caso envolve pessoas que adoram amar o primeiro e xingar o terceiro) etc. Não esqueçamos dos clássicos, os caras dos quadrinhos americanos, nas boas discussões entre a Marvel e a DC.

Sabe quem mais entra?

Nós.

Sim, eu, você, quem parou nesse texto e pensou “Acho que tem algo legal para mim aqui!”, aquele que entra aqui para conhecer mais, discutir com outras pessoas sobre aquele tal “mundo dos animes” que consta no subtítulo do blog. Opa, você é mais fã de mangas do que de animes? Sinta-se em casa, somos todos nerds!

Talvez você esteja pensando “Epa, eu não sou nerd, que isso?”. Tudo bem, talvez você não seja mesmo, quem sou eu para definir o que você é ou não é? Quem é você para definir isso? Isso sequer importa? Por motivos que vão desde o avanço rápido das tecnologias até a popularização do acesso às mais diversas formas de entretenimento, hoje em dia se dizer “nerd” é algo legal. Tem muito nerd e “nerd” por aí aproveitando o bom tempo. É a festa da uva! Não somos o Bill Gates, mas estamos na moda. Já diria a internet, somos os “life rulers” do momento! Ou pelo menos é isso que o excessivo uso desse termo fez as pessoas entenderem.

Lembra quando você era excluído por algumas pessoas por ser “nerd”? Tá tudo bem agora. Lembra quando riram dos seus gostos? Tá tudo bem agora. Lembra quando… ou será que não é preciso lembrar? Acho que não. Quem é nerd, e não vou discutir com ninguém se tal pessoal é ou não, sabe que não é tão simples assim. Claro, acredito que o maior conhecimento (ou pseudo-conhecimento) das pessoas sobre algumas coisas ajuda a diminuir certos preconceitos. Mas eles não deixaram de existir, só que agora tem muito mais gente curtindo a parte boa da coisa.

De acordo com a tradução que ficou por aqui, hoje é dia de comemorar o “Dia do Orgulho Nerd”. Parece importante não? Existe o “Orgulho Gay”, o “Orgulho Negro”, por que não o “Orgulho Nerd”? Sei lá, você esperava uma resposta? Não, pense por si mesmo. O que eu posso dizer é que eu não acredito em um “orgulho nerd”, o que não quer dizer que eu não tenha orgulho de quem eu sou e certamente os meus gostos, no caso específico desse blog, animes e mangas, fazem parte do meu ser. Isso não quer dizer, no entanto, que eu tenha orgulho de ler mangas ou de ver animes. Muito menos vergonha! São meus gostos, será que eu preciso mesmo ter orgulho? Eles são melhores que os gostos de outras pessoas? Me desculpem, talvez eu decepcione alguns, mas eu realmente não vejo as coisas dessa forma.

Diferente de temas como cor e sexualidade, que são indissociáveis de uma pessoa como ser humano no mundo e de toda uma história, gostar de um entretenimento, seja qual for, é algo bem mais volátil e relativo. Seria necessário essa seriedade toda? O que eu acredito é que antes de ficarmos pensando nos rotular; “nerd”, “otakus”, “geeks” etc; antes de tudo isso vem a coisa em si. Antes de ser um “fã de animes e mangas”, vulgo otaku, eu gosto é de animes e mangas! Confuso? Um pouco.

Mas como eu disse antes, não sou eu quem vai dizer o que você é, essa parte eu deixo para você cuidar. Nós somos nerds? Sim! Com orgulho? De nós mesmos eu espero que sim. Tenha respeito e orgulho do ser que você é. Não deixe que um rótulo lhe rebaixe ou lhe coloque em lugares mais altos. É você que está aqui e deve estar lá, não uma marca na sua testa. Mais do que ter um dia para você, mais do que achar isso o suficiente, seja você mesmo. Hey, isso já é muito mais, ok?

—–

Esse texto fez bastante sentido para mim, mas provavelmente não fez muito para alguns e para outros fez um sentido totalmente diferente. Vamos aproveitar os comentários para criar um debate sobre isso. Ser nerd? Ser fã de animes/mangas (otaku)? Preconceito? Orgulho? Quem eu sou? Quem são vocês?

Quer ler outra opinião sobre esse tema? Confira o post do Didcart no blog MBB Anikenkai.

Esse post foi publicado em Artigo e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para Don’t Panic!

  1. Mayara Rosa disse:

    muito bom post! Não conhecia o dia da toalha! Esse post me lembrou que tenho que ler o Guia do Mochileiro das Galáxias! \o

    Passei aqui para divulgar meu novo Blog! Encomende seu wallpaper personalizado! E confira sempre novidades! Acesse: http://mypersonalwallpaper.blogspot.com/

    =)

  2. Eduardo disse:

    Concordo totalmente com você, Denys. É comum para o ser humano rotular as pessoas próximas à ela. Coisas do tipo: “ela é patricinha, ele é o atleta, aquele é o viciado em computadores, aquele é o que assiste desenho japonês..” etc..

    A palavra nerd hoje em dia por exemplo… antes uma coisa que todo mundo repudiava, que se resumia a um grupinho de pessoas de óculos, que sempre tiravam dez e blá blá blá… Hoje todo mundo, pelo menos a maioria, parece que tem prazer em falar eu sou “nerd”, virou sinônimo de pessoa “descolada” e ao mesmo tempo, posso dizer por experiência, uma “modinha”. A pessoas esquecem que os seus gostos, o que você assiste, lê, joga, faz.. etc são parte de você, são suas escolhas e não apenas uma “embalagem”, um “flashmob” cultural para ficar se exibindo por aí…

    Eduardo.-

  3. Esther disse:

    Ontem vi no jornal que era ‘dia do orgulho nerd’ e achei tão estranho pois sempre fui CDF com direito a óculos(que uso desde os 7 anos), espinhas e notas altas. Sempre fui conhecida como a CD, a Barsa e outros apelidos, nunca liguei e eles nunca ‘pegaram’ pra valer. Na escola era do fundão e meus amigos eram super bagunceiros. Cresci assistindo muita tv(todos os telejornais, desenhos, animes, séries estadunidenses, documentários e novelas mexicanas) e sem ler nada porque os livros eram caros pro meu padrão financeiro (infelizmente sou pobre até hoje) e as bibliotecas escolares não tinham livros que não fossem didáticos . Só no final da minha adolescencia comecei a colecionar mangas e só ano passado voltei a assistir animes( dessa vez pela internet). Então fico pasma com esta moda dos nerds porque pra mim meus gostos nunca facilitaram a minha vida(não sou rica nem tenho uma fila de homem interessados em mim) só a tornaram mais divertida.
    Ps: Aliás porque ninguém nunca fala no lado das nerds, CDFs ou o que seja.

  4. Feiqueman disse:

    A propósito, desde que eu me entendo por gente, me chamam de nerd/cdf, mas nunca me importei. Quando passei a gostar de animes, os pouco que conheciam o termo, passaram a me chamar de otaku, mas continuei sem importar. Hoje em dia ser nerd é tão normal quanto ser funkeiro, e por isso, não há tanto preconceito.

  5. LucasNavarro disse:

    Faz sentido SIM, Felipe Neto, digo, Denys (ao menos eu acho que faz).
    Apesar da definição de nerd como “uma pessoa que tem um interesse maior que o padrão por algum assunto” parecer vaga, para mim, consegue definir quase com perfeição o que é ser nerd, pois, se fosse uma definição taxativa, acabaria se tornando numa ideia estereotipada.
    Mas também as áreas de interesse dos nerd’s se encontram tão entrelaçadas com a cultura Pop hoje em dia, que é até difícil delimitá-las. Por isso, talvez só esse “interesse maior que a média” consiga diferenciar uma pessoa média de uma pessoa realmente nerd.
    Quanto ao termo Otaku, embora possa ser equiparado ao termo nerd, só que em japonês, é majoritariamente entendido como aquele que tem um interesse maior que o padrão especificamente por animes e mangas, ou, em outras palavras, o nerd dos animes e mangas.
    E por gastar de ficção científica, computadores, super-heróis, animes, mangas, de todas essas coisas mais que o “padão” é que, às vezes, as pessoas me olham torto. Mas isso não me abala, pois tenho orgulho de quem eu sou, e o que sou é que define os meus gostos, e por ter orgulho disso, não me desanimo, e até consigo trazer algumas pessoas para o lado nerd da força, de vez em quando. Tanto é que, ano que vem, não serei mais o único a ir de toalha para a faculdade (assim eu espero).

  6. robertaah disse:

    Bem, a concepção de ser nerd hoje em dia mudou bastante e agora até virou modinha. Por um lado é bom, o termo sai do gueto e passar a fazer parte da “cultura popular”. Isso quer dizer menos perseguições, menos bullying, menos preconceito. Mas…mas, será mesmo que é só isso? Ser nerd é usufruir de todo o glamour e ser vista como uma pessoa culta? Bem, acredito que ai há uma divisão entre grupos, A e B. Um continua com sua vida de nerdice normal… discutir suas séries, jogar, se encubar em casa/ou sair com alguns amigos e bater um papo legal numa balada (ai varia de pessoa pra pessoa néh), ler, se informar e tirar suas ótimas notas. Enquanto o outro grupo vai se especializar em um tema ou outro filmes/games/seriados/literatura e ser um nerd menos hardcore e que é visto como o descolado, cult mas que não se associa á aquela imagem que o Denys descreveu no inicio do texto.

    Se eu sou nerd ou não? Olha, sinceramente eu nem sei e nem faço questão de me colocar de um lado ou de outro. Faço o que eu gosto, me orgulho de ser como sou e não por fazer parte desse ou daquele grupo. Quanto ao otaku, acho que é algo bem mais fácil de discernir, principalmente aqui no Brasil, onde o termo é relacionado áquelas que curtem basicamente a cultura japonesa (se centrando bem em animes e mangás, que é o que ficou mais associado). Tenho um gosto anormal para animes, mangas e tudo que é relacionado a cultura japonesa… então mesmo sendo uma palavra que virou sinônimo bem negativo pra fã, eu me considero uma otaka D:

  7. Ronnyere disse:

    Também concordo contigo dennis, acredito que termos como “nerd”, “CDF”, “otaku”, etc, são estereotipos que a sociedade e até mesmo nós, que curtimos animes, mangás e outras mídias relacionadas com este tema, colocam nas pessoas. Realmente apreciar isso nada mais é do que uma forma de entrenimento, de divertimento e não coloca quem gosta acima ou abaixo das pessoas que não gostam. Posso dizer que eu gosto de assistir animes, de discutir sobre eles, não tenho vergonha desse hobby, mas nada mais do que isso. Tudo isso é um grande exagero que a sociedade impõe as pessoas que curtem determinada coisa.

  8. Pingback: MBB Anime Kenkyuukai · Não entre em pânico…

  9. Pingback: 3 anos de Gyabbo! – A consolidação de uma trajetória |

Os comentários estão encerrados.