Coordenando uma sala de exibição de animes

Nesta última terça-feira (11/01) aconteceu em Manaus a 1º Amostra Cosplay realizada pelo grupo Zona Negativa e pelo SESC. A ideia do evento era possibilitar de forma gratuita um lugar para que os fãs desse hobbie se reunirem, se divertirem e conhecerem mais. Apesar de ser realizado em uma terça-feira marcada por uma forte chuva na cidade, o público compareceu em ótimo número (cerca de 1000 pessoas no dia inteiro) e pelos comentários que surgiram posteriormente, parecem ter se divertido.

Mas não é sobre isso que venho comentar hoje no blog. Juntamente com as atividades voltadas para o cosplay, havia na Amostra uma exibição de animes, algo obrigatório em eventos do tipo, da qual eu e o grupo Anime Sharing Day ficamos responsáveis.

Como fã de animes e mangas já fiz várias coisas que poderiam estar em uma daquelas listinhas para seu nível de fã, mas nunca havia feito parte de um evento por dentro. Acho que nunca comentei isso por aqui, mas tenho uma grande vontade de realizar meu próprio evento, muito para sanar a falta de certos elementos voltados realmente para animes e mangas que infelizmente não se vê nos chamados “Eventos de anime” hoje em dia.Ao ser convidado pelos organizadores do evento para cuidar da sala de exibição, mil ideias pipocaram na minha cabeça, mesmo que eu soubesse que não pudesse realizar todas. A primeira era fugir do óbvio: Não, nada de Naruto, Bleach, One Piece, Soul Eater ou outros shounens muito populares. Não que eu tenha algo contra eles, na verdade sou muito fã da maioria, mas eu entendo que a exibição de animes em um evento, principalmente quando se tem apenas uma sala e pouco tempo como foi o meu caso, deve ser voltado para mostrar as possibilidades que os animes possuem.

Claro, com isso em mente eu gostaria de ter passado coisas como Cencoroll, Giant Killing, Paprika, para citar alguns. Mas algo importante que eu logo percebi, é que em uma exibição de animes você não pode pensar no que você gosta, você precisa pensar no seu público, sem perder a ideia central de abrir os horizontes de quem for lá conhecer animes. Assim, minha proposta de lista inicial era: Ponyo, Sengoku Basara, Tiger & Bunny, Seto no Hanayome, Kimi ni Todoke, Usagi Drop, Ouran Host Club e Summer Wars.

Percebam que apesar de serem todos animes elogiados (alguns pela crítica, outros pelo público, alguns por ambos), não são obras grandiosas demais ou que puxassem excessivamente para quem já conhece esse mundo (com exceção de Ouran, é verdade). Além disso, primei por expandir nos mais diversos gêneros: aventura, ação, histórico, comédia, romance, drama e familiar (que não é um gênero, mas vocês entenderam). Além claro, de balancear as coisas por demografia também, mostrando que animes podem alcançar homens e mulheres. A ideia também foi não só jogar os animes na tela, mas antes de cada exibição falar um pouco sobre cada um para que as pessoas pudessem conhecer mais.

Isso, claro, no papel, pois na hora da exibição as variáveis sempre surgem e tudo precisa ser mudado. Primeiro o atraso inicial para começar eliminara o espaço de tempo para um episódio. Tivemos problemas com o projetor, com o cabo de som, com a caixa de som, com o computador, enfim, tudo que poderia dar errado, deu. Vocês não conseguem imaginar a minha frustração de ver uma sala inteira indo embora no meio de um filme do Miyazaki porque o notebook usado resolveu esquentar demais e se desligar.

No fim, o que conseguimos passar foi Ponyo, Tiger & Bunny, Sengoku Basara, Kore wa Zombie Desu Ka? (sim, apesar de eu ter odiado o anime, sabia que o primeiro episódio era hilário e iria agradar ao público jovem presente. Nessas horas que é bom ter visto de tudo um pouco, mesmo as coisas ruins). Frustrado? Um pouco, mas satisfeito por ter conseguido passar alguns animes que eu gostaria que outras pessoas conhecessem e que muitas vezes desconhecem justamente pelos eventos repetirem o mais do mesmo.

Foi gratificante ver mães e seus filhos chegando e rindo com Ponyo, foi satisfatório ouvir no final as pessoas perguntando o nome dos animes novamente para que pudessem ir atrás, mas principalmente, foi ótimo saber que ainda é possível ir para um evento e fazer as pessoas conhecerem mais animes.

Provavelmente participarei de outros, com outras ideias (ninguém vai me impedir de fazer uma amostra Satoshi Kon e outra do Mamoru Hosoda) e com mais preparo. Muito se reclama dos eventos atuais de anime, mas a verdade é que às vezes só reclamar não adianta, você precisa por a mão na massa. Quem é fã sabe como é divertido conhecer outros fãs ou mostrar algo que você gostou para os outros, foi pra isso que eu criei o blog!

Esse meu primeiro contato só me fez perceber algumas coisas que eu não via antes e ter mais certeza de que aquilo que nos deixa insatisfeito no mercado brasileiro de animes e mangas pode sim mudar se os fãs cobrarem e os responsáveis tiverem vontade e retirarem suas bundas da maldita zona de conforto.

Gostaria muito de ouvir a opinião das pessoas que já fizeram parte de um evento, ou quem não fez, que ideias vocês acham que poderia ajudar (principalmente no caso dos animes) e as experiências semelhantes que tiveram. Aguardo vocês nos comentários!

Esse post foi publicado em Artigo, Eventos e marcado , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para Coordenando uma sala de exibição de animes

  1. Panino Manino disse:

    Ganhando a vida com animes, Gyabbo fazendo carreira.

  2. Suzi disse:

    Bom,já fui a quatro eventos de animês daqui, e depois desanimei porque é tudo a mesma coisa. Nas salas de exibição eles passam episódios aleatórios. Era sempre Naruto episódio cento e lá vai pancada.
    O mais curioso é que também já pensei em coordenar uma sala de exibição (pretensiosa,eu?). E,sim, do jeito que você pensou,por diretores. Só que, quando pensamos num vento, temos sempre que ver o outro lado, o dos fãs babões (eu também não curti esse do Zumbi. Se não me engano, é sobre um menino que vira uma mahō shōjo,né?).
    Você fez uma lista muito diversa. Gostei. Ponyo é muito família ^^. Tiger & Bunny é hilário. Mas, ainda são episódios aleatórios D:’ [sei que não teve como fugir disso]. O ideal seria exibir apenas filmes, curtas, histórias fechadas. Ou mesmo, pegar aqueles episódios divertidos de certos animês (Ex.: os episódios em que o InuYasha ia pro mundo da Kagome eram muito bons). Anyway, sorry pelo comentário grande.

  3. Chiizuda disse:

    Eu ja cheguei fazer salas no AnimeDreams e AF, atualmente estamos meio sem tempo e n pudemos montar faz uns 3~4 anos. Nossa sala Sempre foi de passar animes so animes nunca passamos nada de bleach naruto essas coisas, queremos a mesma coisa que vcs passar animes bons pra que as pessoas conheçam, mas como hj em dia eh mais facil ver uma previa no youtube as pessoas ja n se interessam tanto mais nessas salas, mas damos sempre um jeitinho para atrais mais gente e costuma funcionar. Nao falo q minha sala eh otima e perfeita, mas me encomoda mto fato der ver algumas salas que n fazem quase nada, ou mesmo outras, nada contra os fãs, como sala de crepusculo e Harry potter, até aonde eu sei isso é um evento de anime. Mas isso não quer dizer que vc n possa fazer uma boa sala em nesses eventos so exibindo anime . ha diversas atividades e gincanas que podem ser feitas.

    -Coordenar uma sala realmente n é facil, nem semrpe tudo da certo, e temq colocar pessoas as quais vc confia, ja tive problemas quanto a pessoa em x de ficar na sala acaba dando uma volta de 4hrs qto os outros estão com fome e sem almoçar, isso e´ate simples de resolver uma conversa e rodizios para q todos aproveitem o evento.

    -Outro ponto é SALA DE EXIBIÇÂO NÃO É GUARDA VOLUMES, por mais que sejam seus amigos EVITEM ao maximo esse tipo de coisa, d pois some algo a culpa será de quem ficou tomando conta da sala , portanto deixo bem claro, pode até deixar, mas sumiu n é problema meu, vou tomar conta das minhas coisas e outra coisa é que normalmente as salas fecham as 6hrs e essas pessoas n voltam e sala tem q ser trancada atrasando todo o resto ou mesmo vc ter q ficar esperando/carregando/ligando pra pessoa vir buscar, isso é mto chato

    – Equipamento sempre tente testar 1 semana antes ver se os animes estão encodados certos, ou o dvd ta passando direitinho, se n esta cortando nada pq sabemos que Shit happens all the time. E a certeza que seus amigos podem levar os equipamentos MESMO, pra n chegar na ultima hr e vier falar ” n vai dar =(”

    -Limpeza da sala, deixe bem claro aonde é o lixo e num lugar visivel, se n no final do evento vc vai passar catando lixo pela sala e ter que perder um tempinho ai, não seja tão mao de vaka, se precisar leve um saquinho seu de casa de reserva.

    -Pegação na sala. Lembre-se sua sala n é um motelXD as x costuma ter um casal q exagera um pouco jogando o casado em cima das pernas e acha q ninguem percebe

    -Decoração e divulgação da sala é bem importante tbm, se vc n tem mto $, tente improvisar com o que der nem que sejam cartolinas, desenhos na lousa, papeis e posters colados nas paredes. Mas tome cuidado ate isso as pessoas gostam de levar como souvenir.

    Fazer uma sala so com exibição de animes ainda é bem divertido e vale a pena, não se intimidem só pq a outra sala esta cheia de cosplayers e etc..nada que um pouco de criatividade n resolvaXD
    Obs: escrevi mta coisa sem acento mesmo =P

  4. Vamos lá:
    Eu estive no SESC… E assim como meus amigos fui sem expectativa nenhuma de encontrar algo diferente do mesmo de sempre.

    Parece falta de respeito falando assim, logo alguém como eu que não sou envolvido no meio de produções, equipe de cosplayers, fãs, empolgadices etc. Mas acho que a minha visão é válida… É quase uma visão de quem tá de fora (Quase!).

    Nos últimos anos eu tenho ido a esses eventos, e é claro que notei crescimento/melhoramento.

    Mas faço-me perguntas bestas que já deveriam ter sido respondidas (não por mim, sou só expectador). Do tipo: “Como pode uma amostra cosplay ter tão poucos cosplayers, eles estão ‘recrutando’ da maneira certa?” – “Será que um Stand bem elaborado mostrando na prática a confecção das roupas/materiais/perucas/ enfim um processo sólido, tangível, respondendo dúvidas não seria mais eficaz que essas típicas palestras chatas?” e assim vai.

    Sala de exibição de animes (já que esse é o tema do tópico) – Essa eu vou contar a historinha que aconteceu lá mesmo no SESC, é breve: Estávamos eu e uma amiga indo em direção a dita sala, não sabíamos o que era e perguntamos para uma garota que tava do lado de fora da porta – “o que tem aí?” e ela “Ah tão passando anime, saí na metade”. Eu e minha amiga -e outros que estavam atrás da gente- viramos e fomos pra outro lugar. O que provavelmente todos pensaram (ou pelo menos eu pensei) foi: “Eu não saí de casa (na chuva) só pra assistir anime”. Se lá dentro tava uma maravilha eu não sei, mas faltou informação pra me fazer entrar lá. Sei lá, qualquer coisa me faria entrar sabe, um banner com as frases: “Você já conheceu a nova temporada de inverno? Não? ENTRE e veja o que você tá perdendo!”.

    Pode parecer superficial e clichê (logo por mim que comecei o texto falando sobre inovação), mas não tem outra: Evento desse tipo é aquele quarteto: ‘Bons cosplayers’ – ‘Música’ – ‘Informação Temática/Cultural’ – e dependendo do tipo de evento ‘Produtos’.

    Acho que esses eventos incorporaram o estilo “encontro” e esqueceram de que precisam do estilo “entretenimento”. O objetivo em si tá errado, uma amostra sem amostras: se é encontro presume-se que as pessoas já sabem o que é um cosplayer(sinceramente) e se não é, as pessoas vão entender com aquelas palestras mixurucas?

    Ok, divertimento é super importante, mas eu particularmente fico desanimado ao ver cosplayers mais ‘influentes’(puff) falando para iniciantes fazerem gambiarras de qualquer coisa. Eu não vou pra uma amostra ver essa papagaiada, e sei que é geral o sentimento positivo de ver um bom cosplay, dá vontade de voltar no próximo.

    Quando eu estava na parte do palco vi a logo do Gyabbo no monitor, e sinceramente criei uma expectativa de que nos próximos eventos vão ter melhoras substanciais. Sei que provavelmente essa Amostra Cosplay foi uma forma de captar como proceder com o público, já que (creio eu) essa é a estréia do ‘Zona Negativa’ e por isso, eu que não me meto, nem ouso comentar sobre esses eventos, estou comentando agora. Por que se tem uma coisa que me botaram na cabeça nesses anos de faculdade de Administração é que Feedback é importantíssimo. E aqui está o meu. Espero realmente não ter, em momento algum, ofendido-os.

  5. Wilian Hendz disse:

    @Henrique Sandim

    Suas Criticas serão aceitas e principalmente bem vindas. Eu vou adotar seu texto por topicos e tentar responder ok?
    “Do tipo: “Como pode uma amostra cosplay ter tão poucos cosplayers, eles estão ‘recrutando’ da maneira certa?” – “Será que um Stand bem elaborado mostrando na prática a confecção das roupas/materiais/perucas/ enfim um processo sólido, tangível, respondendo dúvidas não seria mais eficaz que essas típicas palestras chatas?””

    Ter tão pouco cosplayers? Meu caro, eu não circulei durante o evento porque estive no palco o tempo inteiro, mas uma coisa eu tenho certeza, na hora de apresentar os cosplayers, o palco lotou, imagino eu que a grande maioria dos cosplayers ja deveria ter ido embora, e mesmo assim conseguimos lotar um palco, acho que estivemos em eventos diferente.

    Sobre o stand de cosplay, podemos até pensar sobre isto, só acho dificil, cosplay não é algo que é fabricado por linha de montagem, é algo pessoal, a menos que eu tenha entendido errado seu pedido, ainda é melhor o sistema de palestra, mesmo sendo chatas, somos os unicos a dar palestras e se importar com o publico.

    “Acho que esses eventos incorporaram o estilo “encontro” e esqueceram de que precisam do estilo “entretenimento”. O objetivo em si tá errado, uma amostra sem amostras: se é encontro presume-se que as pessoas já sabem o que é um cosplayer(sinceramente) e se não é, as pessoas vão entender com aquelas palestras mixurucas?”

    Olha, para muitos ainda é um encontro certo? Pois bem, a parte de entretenimento é o que não faltou, tanto que tivemos que cortar até algumas atrações porque o nosso tempo estourou. Quem chegava comigo e pedia pra cantar, dançar, anime quiz, qual é a musica, palestras, apresentação dos cosplayers e apresentação dos proprios cosplayers…ufa, cara, você ainda acha que não teve “entretenimento”? E sobre as palestras acho que você nem notou o tema, as palestras foram voltadas aos cosplayers, houve uma explicação por cima do que era cosplay, mas as palestras foram voltadas a ajudar os cosplayers.

    “Ok, divertimento é super importante, mas eu particularmente fico desanimado ao ver cosplayers mais ‘influentes’(puff) falando para iniciantes fazerem gambiarras de qualquer coisa. Eu não vou pra uma amostra ver essa papagaiada, e sei que é geral o sentimento positivo de ver um bom cosplay, dá vontade de voltar no próximo.”

    Meu caro, você fica desanimado quando seu professor te ensina algo? Fica desanimado quando sua mãe ou pai te ensina algo? Porque logo os cosplayers com mais tempo neste ramo desanimam você? Todos foram de boa vontade e principalmente com o intuito de AJUDAR, ninguem quer que o outro faça gambiarra, por sinal a Areka ensinou muito bem, sobre como fazer um cosplay e ele não ser uma “gambiarra”.

    Mas no geral, anotamos suas criticas, tambem espero que tenha entendido nosso lado, ja que foi uma terça feira, dia de chuva e mesmo assim conseguimos encher o SESC. Estou muito contente que houve uma critica, ja que você foi o unico a criticar seremos bem atenciosos para num proximo poder melhorar cada vez mais

    PS: Gostei da sua foto com o Komamura. Viu como tinha cosplayers =P

  6. Suna disse:

    Nunca participei de staff de coisa nenhuma, mas posso dar palpite assim mesmo?

    Bão… Não sou frequentadora assídua de eventos de anime, mal ou bem acho que não cheguei nem ao décimo desde que me entendo por otaku. Entre o primeiro e o mais recente deve ter uns 8 anos. Não lembro de todos os detalhes do mais antigo, só que uma coisa é evidente: Os animes viraram figurantes em sua própria festa. E não posso culpar só os organizadores por isso, foi o gosto do público que mudou também.

    Nesse último Anime Family, por exemplo, a sala de exibição de animes era tão “grande” quanto qualquer outra sala temática. E tão escondida quanto, mas acho que aí conta o espaço disponível também. Eu teria preferido que ela fosse no palco principal, mas esta já estava reservada para os inúmeros desfiles, campeonatos de cosplay e apresentação de bandas e grupos de dança. -_- Agora, comparo com os dois primeiros eventos, sem o peso do nome da Yamato, quase uma década atrás: A exibição aconteceu num auditório, umas 5 vezes maior do que essa salinha do ano passado. E não tava vazio, não, muito pelo contrário.

    Eu acho que ninguém mais vá em evento só pra ver anime e comprar mangá. Dez anos atrás, quando não existiam tantos sites e fansubs e mangá ainda era novidade, a curiosidade era maior. Hoje é moleza conseguir isso, nem precisa sair da frente do pc.
    Pra quem não gosta das demais atrações, sejam referentes à cultura pop oriental ou mundial (sala crepúsculo? WTF?) e não gasta dinheiro com aquele monte de peduricalhos caríssimos que os estandes vendem, evento só vale mesmo como ponto de encontro, seja pra rever amigos ou fazer novos. Aí é que tá, eu posso fazer isso em qualquer outro lugar e até sem custos. Quem só vai pelos animes e mangás não sente a necessidade de frequentar esses eventos, o que é o meu caso.

    Sinceramente, não tô otimista. A tendência é que eventos de anime se distanciem cada vez mais do que deveria ser seu foco. Uma sugestão? Exibições em separado, fora desses eventos. Tipo a mostra que aconteceu aqui no RJ com animes do Miyazaki, se não me engano.
    Essa eu perdi, mas acho que é por aí que a coisa vai.

    Ps: Dar tudo errado não é exclusividade de quem tá começando, não. O que tem de imprevisto bobo em evento maior… Pior é esse pessoal calejado que não admite que erra, nem aprende nada com isso.

    Ps2: Pelo visto eventos fora do eixo RJ-SP ainda não foram atingidos pela “Síndrome do multicultural”. Teve alguma sala temática aí que você estranhou?

  7. Fanfinir disse:

    Bom tenho algumas sugestões:
    • Primeiro: não tente narrar nada ou fazer alguma apresentação. Edite no windows movie maker ou outro programa qq uma abertura contando em 3 quadros com letras grandes o resumo da historia e edite uma cena que venha a agradar e de facil entendimento devido ao contexto. Ex: eu editei o episodio 5 e 6 de claymore para mostrar como surgiu o amor de clare por teresa. ficou com 10 minutos cravados.Emocionou, fez rir, chorar, ficar atento a cena esse é o bojetivo: vender o peixe para chamar atenção aos animes.
    • Segundo: quanto ao que deve mostrar. Faça sessões diferentes. Não exponha o mesmo material o dia inteiro. Se forem 4 sessões diárias faça 3 apresentações de 50-60 minutos com 4 -5 desenhos, sendo que na ultima sessão para quem não chegou cedo será repetida a primeira .pronto. Como escolher os desenhos: vão ser random só me atendo a questão fdos módulos a serem exibidos, pois como dito a pais e filhos muitas vezes. Ex: Ranma ½ (antigo/comédia) Baka to Test (Comédia);Shikabane Hime (ação/sobrenatural); Bakuman (ou algum ligado a manga atual ou em andamento); Deadman Wonderland/Hellsing Ultimate/ Dance in the Vampire Band (algum mais violento) ; algum da atual temporada qdo o evento estiver ocorrendo tipo Brave 10.
    • Terceiro: ambiente e divulgação: coloque se possível muitos posters e usem uma camisa com um desenho legal e dizendo que ali vai ocorrer o evento de sala de animação ou outro nome que venda a ideia. Sejam um tanto relax e coloquem algumas cadeiras para pessoas com deficiência.
    Espero ter conseguido contribuir de alguma forma. Sucesso ao Gyabbo mais uma vez!!!

  8. Usei ‘amostra’, e é ‘mostra’ hahaha enfim…

    Wilian Hendz

    Se eu me lembro bem você era um dos apresentadores, certo? Deve também fazer parte do staff do Z.N., obviamente.

    Como disse, eu não tentei dar uma opinião técnica ou algo do tipo (e nem poderia), tentei dar uma opinião de alguém que visitou a mostra e tentou expor o que viu.

    Entendi perfeitamente o seu ‘lado’ (porém continuo não concordando, hahaha enfim…), prefiro não voltar ao que já foi comentado, já que você disse (ou pelo menos eu entendi) que você compreendeu o meu ‘lado’ também.

    No entanto, gostaria de comentar sobre um item, no que você mais deu ênfase (acredito), e até entendo, já que eras um dos que estavam no palco. Expressei-me errado sobre ‘palestras mixurucas’, deu a entender que eu falava das pessoas no palco, mas NÃO, me refiro ao método, à palestra. A vocês que estavam lá em cima só tenho aplausos.

    E não, apresentar algo tangível não é mostrar uma ‘linha de montagem’. Talvez não seja um método que todos gostam, mas quem sabe. Eu particularmente gostaria. E repito: não estou dando opiniões das massas, e sim única. Mas já pensou se por acaso o público partilha dessa ideia? xD

    Obrigado por responder, sinceramente. Definitivamente estarei no próximo.

    ps. Gostei MUITO daquele cosplay também, pena que foi a única foto que tirei lá.

  9. Wilian Hendz disse:

    Bem, é quase impossivel agradar a todos, e como disse, até agora você é o unico que saiu insatisfeito que se manifestou, mas como disse, vamos escutar a sua ideia, na proxima reunião sera discutido. E vem ca, 2 equipes de Naruto, personagens de bleach, Saya de Blood+, Kitana de Mortal Kombat, Steach, e various outros cosplayers parar tirar fotos, e você só tirou uma? A chuva molhou seu pé? =P

  10. hahahahahaha é parece que sim. perdi de tirar foto com a Kitana! Mas era chegar em casa e a namorada obrigar a fazer cosplay de ‘dormidor de sofá’.

  11. Pingback: 3 anos de Gyabbo! – A consolidação de uma trajetória |

Os comentários estão encerrados.