Senki Zesshou Symphogear – Primeiras impressões

Senki Zesshou Symphogear, apesar de possuir um manga lançado antes do anime, pode ser considerado praticamente um anime original, visto que o manga começou a sair em Dezembro recente, tendo o anime estreado em 06 de Janeiro deste ano. Começamos o anime com uma triste cena onde a jovem Miku chora aos pés da lápide de sua sua grande amiga (e possível interesse amoroso pelo que vemos nos primeiros episódios) Hibiki Tachibana, a protagonista da série.

Somos estão levados há dois anos no passado quando em um show da dupla de idols Tsubasa, com interpretação de Nana Mizuki, e Kanade Amou, com a voz de Minami Takayama, Hibiki acaba sendo envolvida em um grande desastre e quase morre após o ataque de estranhos seres denominados “Noise” – criaturas sem emoção, mecânicas e que atacam os humanos, transformando-os em pó de carbono. Para lutar contra esses monstros as duas idols se transformam em guerreiras, utilizando-se do poder de suas músicas para derrotar os inimigos. No entanto, Kanade, para salvar Hibiki acaba tendo que usar uma canção de auto-sacríficio, salvando a todos, mas morrendo.

Após um tempo, Hibiki descobre ter ganho os poderes de Kanade por ter dentro de si fragmentos de uma pedra mística (pedras essas usadas para conseguir os poderes ao reverberar com o som de determinadas músicas e vozes) deixados após o desastre no show e é obrigada a lutar junto de Tsubasa contra os monstros que ameaçam a terra.

A primeira coisa que é preciso ser dita para comentar Symphogear é que este é um anime feito para vender singles. Sim, eu sei, praticamente todo anime é feito para vender algo (e se der os próprios DVDs), mas aqui as coisas são bem sinceras. Assim, uma das primeiras cenas e uma das poucas relativamente bem animadas de todo anime até o momento foi do show das duas idols. Para lutar, as garotas cantam durante seus golpes, afinal, é da música que vem seus poderes. Então se você reclamava das musiquinhas que a Saya de Blood-C cantava na voz da Mizuki Nana, fique longe de Symphogear. Verdade seja dita, no seu principal objetivo o anime já é um grande sucesso, tendo o single “Synchrogazer” da Nana – que contém a música de abertura do anime – vendido mais de 50.000 cópias em uma semana.

Ok, mas todo mundo aqui no Brasil que está baixando seus animes em algum lugar que não o MegaUpload muito provavelmente não irá comprar nenhum single que tenha a ver com essa série (menos o Leo Kusanagi do Mithril que está no Canadá que já deve ter reservado o seu), logo, vale a pena assistir?

Eu diria que não. Apesar do primeiro episódio ter sido bem frenético e ter um final que poucos esperavam, os episódios seguintes não conseguiram manter o mesmo ritmo e foram uma grande sequência de clichês mal animados pelo estúdio Satelight, claramente ou sem muito dinheiro para investir ou não querendo investir muito sabendo que o objetivo principal será alcançado da mesma forma, resultando em um traço extremamente inconstante e uma animação bem precária.

As lutas das mahou shoujo cantantes não empolgam, principalmente pelos inimigos não serem de forma alguma algum obsctáculo. Além, claro, de não fluirem como deveriam para passar a emoção necessária. O roteiro é bem raso, com Tsubasa odiando Hibiki por estar usar os poderes de Kanade, algo que com certeza mudará para o final da série de 12 episódios com as duas virando boas amigas.

Apesar de tudo, a série parece ter alguns trunfos na mão que podem soar como algo interessante e até salva-la de ser uma bomba total, mas são coisas que não conseguem me empolgar e por isso, após três episódios da série, estou largando-a.

Se você for fã de seiyuu ou especificamente da Mizuki Nana, esse anime certamente irá lhe agradar já que existe um foco muito grande nisso, mas para as outras pessoas que não possuem este interesse, Senki Zesshou Symphogear dificilmente passará de algo mediano para baixo com um final excessivamente dramático.

 PS: Esse post foi feito hoje para, de alguma forma, parabenizar a Mizuki Nana pelo seu 32º aniversário que se dá hoje, dia 21/02. Feliz Aniversário (apesar de que lá no Japão ele já acabou)!

Esse post foi publicado em Animes, Primeiras impressões e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Senki Zesshou Symphogear – Primeiras impressões

  1. ronaldes09 disse:

    gostei um pouco do primeiro episodio mas os outros 2 são realmente ruins

  2. Ivo M Pereira disse:

    Nem vou experimentar ver 1 episódio, definitivamente ia dropar e perder tempo.
    Mas obrigado pela review!

  3. Jessica disse:

    Droga, o primeiro ep me deu tantas esperanças :/

  4. Carlos disse:

    Como ja tinha comentaod em outor blog:

    Esse anime não é nada d+ alem de uma mistura de Freezing(os alies invadindo) + K-on( meninas cantando pra lutar?) + Pantsu stock( as 2° que aparecem no começo bem parecidas + Eureka seven ( os inimigos sao = aqueles anticorpos coralianos la + saikano ( com armas saidno das costas da menina no final)+ nanoha ( movimentos de luta iguais)

    Resumindo é uma mistura de tudo que vc ja vio em outro lugar…

    Ainda to esperando a novidade.

  5. Carlos "Dack_Ralter" Barreto disse:

    Yo!!

    Não vi o anime, mas pela descrição, parece muito mais uma cópia de “Macross” (principalmente do último, Frontier, que apesar de fã, tenho de admitir que foi horrível… :s) sem os Valkyries. Pena…

  6. lkpsp disse:

    realmente obrigado pelo review me economizou muito tempo

  7. abobora disse:

    Eu estou assistindo, estou no epi 8 já e to gostando bastante.

Os comentários estão encerrados.