Guilty Crown – Conclusão

Depois de longas 22 semanas, um plot extremamente duvidoso, uma qualidade gráfica acima a média e uma animação que conseguiu enganar bem quem assistia, chega ao fim Guilty Crown no bloco noitaminA.

Antes de falar do seu final, vamos retornar 22 semanas e relembrar das expectativas construídas a partir do primeiro episódio dessa série. Tomando meu post de Primeiras Impressões é fácil perceber a minha grande empolgação com aquele que foi pra mim um dos melhores primeiros episódios do ano passado, juntamente, apesar de completamente oposto, do primeiro episódio de Usagi Drop.

Ambientação, apresentação dos personagens principais, combinação de ação com as músicas, roteiro instigante, character design bonito, tudo isso criou um sólido primeiro episódio que me deixou realmente empolgada para ver Guilty Crown.

Até que o episódio dois veio.

O dois, o três, o quatro e 90% dos episódios onde os roteiristas pareciam ignorar o que aparentemente seria uma trama política em prol de uma ficção científica na maioria das vezes sem sentido apenas para justificar cenas cool, principalmente com o uso dois voids. Guilty Crown ficou marcada por ser uma série onde o roteiro só dava as as caras em um ou outro episódio, para logo tudo que foi construído ser destroçado para dar lugar a um plot twist que soasse brilhante, ainda que apenas soasse.

A verdade é que o anime começou com o intuito de falar de um Japão controlado por uma organização externa, sem poder real para conseguir sua auto-gerência e soberania sobre seu próprio território, algo que se refletia de forma interessante no apático protagonista Shuu. O que era pra ser a história do crescimento pessoal de um jovem, em consonância com a retomada de poder da sua própria nação com uma pitada de nacionalismo talvez exarcebado, acabou virando uma história de amor de Shuu para a boneca (quase um dakimakura) Inori.

Inori, desde o começo da série uma personagem vazia, servindo a um ou a outro personagem de acordo com as cordas embaraçadas que o roteiro desenvolvia parece muito mais um vaso onde protagonista e espectadores podem depositar seus desejos, frustrações e expectativas (assim como é de fato feito por Shuu após sua pseudo-transformação em um ditador já para o final da série).

O que chega a soar irônico quando vemos que Shuu é rejeitado como possível novo rei, novo Adão, o escolhido para criar uma raça superior. Por quê? Por amor. Ou será mesmo? Os sentimentos de Shuu, que ao final da série percebemos que eram o motivo-mor da sua existência, eram realmente puros (no sentido de serem verdadeiros, não no sentido sexual da conotação)? Ou era apenas uma devoção cega (sem trocadilhos com a condição do personagem ao final da série) de um personagem que nunca cresceu verdadeiramente, sempre ancorado na imagem quase divina de Gai?

E é justamente este o ponto maior da minha crítica a Guilty Crown que terminou por se mostrar uma série divertida de assistir apenas quando se conclui que buscar entende-la é perda de tempo. Toda questão política é na verdade um pano de fundo que vai episódio por episódio se complicando mais, tentando se apoior em plot twists e cenas impactantes a fim de manter o espectador dentro da audiência, quando na verdade o que temos aqui é o sonho irreal de um jovem alienado e sua devoção por sua idol.

Antes fosse uma crítica aos fãs hardcore e seu apatismo em relação aos problemas reais, seja no Japão ou no mundo. Não, Guilty Crown vangloria essa relação de devoção ao vazio, deixando ao final da série uma sensação de dever cumprido no protagonista que na verdade não fez absolutamente nada a série inteira. Shuu é um mártir de si próprio. Nunca lutou por ninguém, nem por uma causa. Lutou pelo incômodo que seu próprio jeito de ser causava em si e pela necessidade de defender aquilo que entendia como amor.

Isso significa que Guilty Crown não vale a pena? Não iria tão longe, ainda é um anime bonito de se ver, mas é preciso se despir completamente de qualquer expectativa mais elevada e deixar-se levar pelas cenas cool como a perda do braço de Shuu. Não tente entender como Shuu sobrevive no final ou por que ele fica cego, você não vai encontrar respostas para essas e várias outras perguntas.

Mesmo com uma animação que economiza recursos para apenas alguns momentos-chave, é no traço bonito e nas músicas muito bem feitas por Supercell que GC acaba convencendo os espectadores de que merece ser assistido. Não é uma perda total de tempo, mas com certeza poderia ser um tempo investido em uma experiência bem mais interessante.

Esse post foi publicado em Animes, Conclusões e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

31 respostas para Guilty Crown – Conclusão

  1. Na verdade olhando a crítica desse e de vários outros animes queridinhos do publico de sempre japonês, eu já cheguei a essa conclusão:
    O japonês de hoje deixou de dar importância ao que é importante – e dá importância ao desimportante. Por isso, pode até apresentar boas ideias, mas as queima em prol justamente de preservar aquilo que os ajuda a se manter isolados no útero.

  2. LUccasd disse:

    Na minha opinião o anime perde muitos pontos por não fazer sentido.Teve coisas que foram muito forçadas que foi só pra dar continuidade pro anime como a volta do Gai q não tem lógica nenhuma.O anime ficou muito forçado esmagando as expectativas que se tinha de ser um segundo Code Geass.
    Concluindo não acho que valha a pena trocar uma boa história por cenas bonitas.

  3. Tiago disse:

    pra mim o anime perdeu o gás la pro meio da série… infelizmente perdi o interesse em acompanhar até o final.

  4. darktrickster disse:

    Eu achava o “2º Evangelion” bom até a metade, qndo Shu ainda só “gostava” da Inori, não era realmente ruim o fato dele querer salva-la, mto pelo contrario, no entanto deveriam ter mantido o tema central q seria a apreensão em q se encontrava o povo japonês no atual momento, qndo a situação estava totalmente instavel e o país era controlado por uma organização internacional, seria melhor se o anime tivesse acabado msm com akela parte em q o Gai morre e deixar algumas pontas soltas, mas ao inves disso preferiram tornar o Shu um personagem completamente fútil e irritante, tendo como único objetivo proteger a Inori. Ta, ele queria tirar tds dakela escola, mas a unica prioridade era Inori, ele chegou ao ponto de se tornar um ditador e a usar pessoas como apenas objetos, a cada episódio que passava eu ficava com mais raiva do Shu, sendo que acompanhar os 24 min. dos episódios semanalmente era qse como uma tortura. Guilty Crown foi um anime agradavel de se assistir até o episódio 12, dps disso, começou a se tornar tao decaído como foi esse ultimo episódio… e só pra constar, não achei q o Shu tava realmente cego, tanto q o brilho dos olhos dele não sumiu como acontece na maioria (graande maioria) dos personagens q se tornam cegos em animes e mangás

  5. luanespinal disse:

    Inda bem que eu larguei então hauhauahua -brinks

  6. Ryogachan_Michelangelo disse:

    Eu tenho até vergonha ao lembrar que um dia falei para conhecidos meus que botava fé nesse anime antes de sua estréia. Que anime ruim!!! O pior é que um anime desse é capaz ainda de ganhar continuação(já que as vendas de BDs andam boas).

  7. Tai_KUN disse:

    É o anime (que pra mim) tem uma das musicas de aberturas mais empolgantes -My Dearest-
    É vergonhoso como essa animação teve uma uma estoria sem continuidade, mudando totalmente o FOCO nos últimos Ep. O uso de Mecha foi um desperdício , junto com os Voids, que por sinal, não teve uma lógica consistente, assim como personagens saindo do “nada”. É por muitas vezes assistir um Ep e ser trollado. (Ex: No ultimo, eu pensei que o Shuu teria morrido), se a intenção era construir com o passar da serie uma personalidade para o Shuu, algo saiu errado. Eu estava vendo o Shinji 2.0.
    Eu digo que pela sinopse, o foco seria a libertação do Japão controlado… nem explicaram como esse “Japão” é libertado, se é que foi controlado.Concordo que tudo foi jogado pela janela dentre os ultimo Ep, virando um Shumeu e Julinori.
    Talvez seria toda as expectativas colocadas em GC, fizeram com que a decepção fosse ainda maior. No final da serie que as lutas ficam até legais ( nipe de BRS kkkk -not ).

  8. Hidekee disse:

    Droppei essa coisa antes da metade, após o momento que parecia que ia engrenar para um final babaca e que estragou tudo construído. Acompanhei de longe o que acontecia e hoje vejo que não errei em largar. Esperava mais? Não, apenas o mínimo. Conseguiram estragar até poucos personagens que tinham carisma, para construir algo forçado ao redor do Shuu e Inori. Para me divertir sem compromisso prefiro Rinne no Lagrange do que isso aí. Anime ruim e sem mais….

  9. Ryu Nakamura disse:

    Eu acho q o Shu nao fiko cego, se nao ele usava a bengala na mão esquerda q é o braço q sobro dele, nao sei pq mas o pq de ele usa a bengala eu acho q é por outro motivo

  10. jonatasmattos disse:

    O que vemos na animação japonesa é simplesmente o mesmo que vemos em todas as outras artes no mundo, o Sistema capitalista faz com que as pessoas façam obras “artísticas” pensando em lucrar e não em expressar algo através de sua arte.
    De agora em diante teremos mais animes nesse porte, infelizmente, pois vende bem, é cool e é isso, o mesmo vale para echi exagerado e para o moe.
    E como disse é o mesmo em todas as Artes, á quanto tempo não temos uma tendência artística? ou um movimento? acho que o último movimento artístico no Brasil foi a umas 2 ou 3 décadas atrás, de agora em diante é tudo a busca do que Vende, quantidade ao invés de qualidade.

  11. Ed disse:

    Ele ficou cego sim, lembra que a Inori tava cega quando ele ela voltou? O void do Shoe absorve tudo das pessoas, ou seja ele absorveu a cegueira dela quando ele absorveu a infecção de todo mundo, mas a inori de alguma forma levou todo o virus mas é impossivel ela levar a cegueira do mlk.

  12. Panino Manino disse:

    Guilty Crown tem fartos problemas, fartos.
    Em primeiro lugar, clichês. Muita gente fala que cliche não é ruim e não é mesmo, ele só é quando é usado da forma como vemos aqui. Guilty Crown simplesmente copia e cola de um monte de animes e força muito a amizade na forma como executa as cenas. Eles decidem que algo vai acontecer “Assim” e “Assim”, mas não montam um cena convincente, as coisas simplesmente acontecem e ao longo da série foi mudando as regras estabelescidas ao gosto do diretor.
    Roteiro sem nenhuma credibilidade, com personagens fracos, vazios e cretinos, lutando pela força do amor e sendo salvos por ela, e recaindo naquela mesma obsessão com evolução. Os japoneses tem um complexo de inferioridade impressionante, sempre querendo evoluir a espécie. Por favor, não dá mais nem para rir.

    Engraçado que começaram comparando muito com Code Geass e a forma como os responsáveis fingiram ignorância nas entrevistas tornou essa suspeita de inspiração mais forte, mas como alguns mais velhos foram notando no fórum do Subete, o conceito básico de Guilty Crown é na verdade cópia de Parasite Eve, livro e jogo.
    Um vírus, no DNA, duas mulheres contra-partes que precisam ser fundidas para despertar o ser superior, um personagem que é infectado e usa o poder do vírus para lutar contra as duas e por aí vai.

    Seria até legal se fosse bem feito, mas no fim Guilty Crown só serviu para se humilhar como o seu protagonista e ser motivo de piadas sem fim.
    Só para isso que ele valeu a pena de verdade, fazer humor.

    O final com o Shu manco e virgem foi a cereja do bolo, de fato o amor cega mesmo.

  13. Mi disse:

    Guilty Crown foi feito para vender.
    O tanto de coisas que aconteceram do nada, que não foram explicadas, os wtfs e etc são suplantados por uma arte bonita.
    O engraçado é que todas as vezes que falam que vai ter um segundo Code Geass o anime acaba sendo ruim XD
    É um anime bonito, e a única coisa que me fez chegar até o fim foram as músicas do supercell. Estou comprando os CDs, mas não é pelo anime. Não, de jeito nenhum.
    Eles arruinaram os melhores personagens pelo bem da Inori e do Shu. Mataram o doutor doidão, o Daryl deixou de ser yandere, a Ayase aceita ajuda de todo mundo agora…
    É algo para se assistir sem grandes expectativas. Eu tinha desistido de assistir, mas aí voltei e fui até o fim. Desde o primeiro episódio senti que algo não se encaixava. Mas fui vendo naquele “talvez fique melhor…” e não ficou.

  14. Mi disse:

    Esqueci de mencionar que os Coveiros/Undertakers/whatever eram uma organização terrorista só de adolescentes.
    Achei que o Gai era um adulto, mas ele era só mais um adolescente.
    E não há ninguém para torturar a Inori no primeiro epi, a heroína deve permanecer bela e intocada; mas nada de escrúpulos em cortar fora o braço do protagonista.

  15. Flavio disse:

    Vou ser levemente do contra e discordar um pouco do tom das opiniões. Também acho que este anime tem um enredo confuso e cheio de furos, mas acredito que também tenhamos coisas boas: belas aberturas, OSTs e algumas cenas tem animação empolgante.
    A maior revolta pelo anime foi a grande expectativa. Esperava-se muito e o resultado frustrou estas expectativas. Como vi GC aleatoriamente sem nem saber do que se tratava antes de assisti-lo não fiquei tão decepcionado e acabei com por julgá-lo com um pouco mais de benevolência. Anime mediano nota 6,5.

  16. Cloud Max disse:

    Assistir Guilty Crown sem nenhuma expectativas, e devo falar aque teve um enredo um pouco confuso, mas, eu curti muito o anime…. ele teve belas cenas, otimas OST, abertura otimas e muitas partes empolgantes.

    Pra mim mesmo com as falhas que ele teve, GC é um otimo anime, e valeu muito a pena assisti.

  17. Pingback: Guilty Crown | Nahel Argama

  18. perfeita a critica. eu sou fã do anime, discordo de certos pontos, mas os pontos basais sao isso mesmo. confusa, e algumas vezes ilogica. mas aq vou deixar um coment d alguem q considera anime simplesmente boa literatura: devemos respeitar as opiniões dos autores, pq afinal, eles são os autores.

    abraços, nos vemos numa critica dupla do meu amado Guilty Crown,
    no blog, afontegeek.wordpress.com. até la!

  19. feraboys disse:

    Final horrível, estou decepcionado.

  20. shun disse:

    vão se fuder seus merdas parem de criticar o anime e sinsitro code geas e uma merda agora vão se fuder seus bostas >:(

  21. blaze22 disse:

    kra serinho, andei lendo os comentarios aqui, acho que ninguem entedeu o anime, pq se tivesse entendido, veria que é uma trama perfeita e na minha opnião, melhor anime de 2012 no momento.

  22. bruno disse:

    bom gostei do anime mas assumo q tem falhas dantescas,o final foi tosko fazer o quê né,mas esse anime me empolgou tanto como nenhum outro,o mangà ta saindo vamos ver se consertam as falhas la,fikei puto qndo o gai volto pqp odeio manolo q volta a vida se morreu, morra e n volte.nunka vi anime sair antes de manga ou light novel,os cara tinham tudo pra arrebentar e fazer um anime top mas ferraram com ele=dou 10 a ele prq empolgo se n fosse isso daria 6,5.

  23. andre disse:

    olha na minha opinião o anime foi nota 10 o problema e q so foi 22 eps ai o pessoal disilformado sai soltando criticas q n tem nd a ver tp e eu n entendi n enteu ve oq mt simples ve o anime dnv ai vcs vao enterder eu garanto na real o anime e nota 10 essa e minha opiniao queria dar o parabens a Fuji TV q passo o anime e isso ai vlw

  24. eu achei q guilty crown e muito legal mas, o fina e muito trite para quem ja assistiu né.

  25. john lennon disse:

    Hoje em dia a maioria dos animes valoriza mais a arte do que o conteúdo, o que não é de um todo ruim, afinal, esse é um fator que torna-os emocionantes quase que automaticamente. No entanto eu não troco “fly – o pequeno guerreiro (dragon quest)”, com o qual aprende-se e emociona-se a cada episódio (salientando que fly foi considerado um fracasso, tanto que acabou no meio da história), por 90% dos animes de hoje.

  26. cleysimara disse:

    Eu confesso que gostei muito desse anime… quando eu escolho um anime para acompanhar, o design, as paisagens, a qualidade gráfica são o meus 1° critérios – não gosto de anime mal desenhado, exemplo: Dragon Ball. O anime é um clássico mas aqueles cabelos em formato de “banana” são o Ó! Nisso o Guilty Crown já ganhou alguns pontos!

    Outro critério: trilha sonora! Eu não me canso de ouvir o OST! Os openings e endings são excelentes! Já estou até decorando algumas músicas!

    Mas como nada é perfeito, o enredo em si, se perdeu bastante no andar da carruagem. Quando você acha que as coisas vão se encaixar ou que está caminhando para algo superior, a historia frusta! Eu tenho uma grande necessidade de entender os porquês… algumas situações são colocadas para depois serem ignoradas! E esse anime é aquele que você gosta mais dos personagens secundários do que os principais que são irritantes boa parte da história… o Shu tem hora que merece uns bons petelecos na orelha!

    Mas não tenho do que reclamar. Imagens lindas e impactantes, músicas envolventes, um pouco de tecnologia e destruição e voilà: consegui assistir até o fim! O que posso fazer? Guilty Crown me conquistou!

Os comentários estão encerrados.