Ichiban Brasil 3 – Resultados e considerações dos animes e mangas

Depois de duas semanas de votação chega finalmente o grande dia de sabermos o resultado do Ichiban Brasil 3, a maior (e única) premiação brasileira dos melhores do ano do entretenimento pop japonês – Anime, Manga, Dorama/Live-action, Música. Depois de uma segunda edição que superou todas as nossas expectativas com 11.000 votos, este ano conseguimos crescer mais ainda e chegar aos mais de 35.000 votos, algo espetacular e que mostra que estamos indo pelo caminho certo. Com algumas aparas para acertar, mas no caminho certo.

Claro que isso eu e o Leo Kusanagi não conseguiríamos sozinhos, precisamos agradecer, primeiramente a todos que já fizeram parte do Ichiban Brasil, como a Camila “Tsuki”, que sem a ajuda dela ainda em 2009 não teríamos nada disso. Agradecer ao designer Julian Fisch pelo design do site desde ano passado e agora agradecer demais ao Leonardo DNA que de maneira ninja deu uma melhorada considerável na parte de trás do prêmio, conseguindo com que tenhamos algo bem mais forte estruturalmente.

Claro, também precisamos agradecer a todos os blogs/sites que aceitaram ser parte do júri e mesmo aqueles que foram convidados, mas que um motivo ou outro, não puderam/quiseram participar. E por último, mas mais importante, agradecer aos fãs de cada fandom que mais uma vez votaram – em peso! – em seus favoritos, ajudando a espalhar o Ichiban Brasil por aí. Obrigado a todos.

Mas agora vamos analisar os vencedores que é isso que todos estavam esperando! Irei comentar apenas as categorias de animes e os mangas do mercado brasileiro, onde posso falar com mais propriedade.

Anime

Melhor Série – Steins;Gate

A grande discussão do ano possivelmente, principalmente quando começaram a sair os melhores de 2011 nos blogs. Madoka Magica realmente teria obliterado a concorrência ou Steins;Gate, uma incrível surpresa, conseguiria fazer jus na disputa? No meu próprio post de melhores do ano eu dei uma vantagem para Madoka, mas pelo visto o público brasileiro em geral gostou mais da corrida temporal de Okarin do que da de Homura que ficou em segundo lugar. Claro, isso muito possivelmente seja resultado de uma aceitação maior de uma ficção científica do que de um mahou shoujo, mas é difícil precisar.

Já a disputa pelo terceiro lugar ficou com o dramático Ano Hana que conseguiu ultrapassar os super-heróis patrocionados de Tiger & Bunny, de certa forma um resultado não muito surpreendente visto a comoção que eu vi em cima da Ano Hana na época do seu término por aqui.

Melhor Original Video Animation (OVA) – Hellsing Ultimate OVA VIII

Esta categoria é uma das que eu não posso opinar muito bem por não ter assistido aos principais concorrentes. A vitória tranquila do oitavo OVA de Hellsing mostra que, mesmo com a conturbada questão da produção dos mesmos, a série possui um peso forte no fandom brasileiro, vindo desde pouco depois da época do começo dos fansubs no Brasil.

Em segundo lugar um outro OVA que eu não assisti, até por não ter visto a série original completa, Deadman Wonderland para concluir o pódio com um pouco mais de doçura com Usagi Drop 2.5. Uma pena é ver Baka to Test to Shoukanjuu: Matsuri apenas em quarto e pressinto os fãs de Gundam odiando o resultado.

Melhor Longa-Metragem – Sengoku BASARA: The Last Party

Sendo uma votação popular era fácil prever que disputa aqui ficaria entre os filmes com mais apelo pop: Sengoku Basara – Let’s Party e REDLINE. Com duas temporadas nas costas para ajudar, Let’s Party vence com certa facilidade, deixando seu adversário mais próximo do terceiro lugar (Macross Frontier: Sayonara no Tsubasa) do que do primeiro.

Em um ano em que nomes de peso como o estúdio Ghibli e seu Karigurashi no Arrietty e Makoto Shinkai com Hoshi wo Ou Kodomo não foram sucesso de crítica, era difícil bater Sengoku Basara e todo seu apelo pop, misturando história do Japão com muita ação.

Melhor Personagem Principal Masculino – Okabe Rintarou – Steins;Gate

The MAD SCIENTIST não deu chance alguma para os concorrentes, vencendo por uma larga vantagem em cima de… Bossun! Sim, a grande disputa entre Okarin e Kotetsu de Tiger & Bunny não aconteceu e o pai de família/super-herói perdeu seu posto de vice para o fundador do SKET Dance. Devo dizer que contando apenas com 2011, foi um resultado não merecido para o pobre do Kotetsu, mas que ele não venceria Okarin, não venceria.

Melhor Personagem Principal Feminino – Saber – Fate/ZERO

Naquela que para mim era uma das categorias mais complicadas de todo Ichiban Brasil 3, vence (na minha opinião) o cavalo paraguaio. Não que Saber não seja uma ótima personagem, adoro ela, ainda mais com seu terninho preto em Fate/Zero. Mas como ela conseguiu vencer facilmente, deixando a disputa pra valer apenas pelo segundo lugar entre Makise Kurisu de Steins;Gate e Homura Akemi de Puella Magi Madoka Magica, é um mistério para mim, principalmente se contarmos que ela é uma das mais fracas servas da série (em carisma). Sem contar personagens com Rin Kaga de Usagi Drop e Chihaya de Chihayafuru que não conseguiram ficar nem no TOP5.

É esse o país que vai sediar a Copa?!

Melhor Personagem Coadjuvante Masculino – Rider – Fate/ZERO

Outra vitória fácil e dessa vez muito merecida ficou para Rider como melhor personagem coadjuvante masculino. Mesmo com uma votação expressiva para Kyuubei e (não sei porque) para Gai de Guilty Crown, não foi difícil mais essa conquista para o Rei das Conquistas, Alexandre, O Grande! Só acho uma verdadeira pena as pessoas não enxergarem o carisma de Daru de Steins;Gate, mesmo que a séria seja tão bem quista.

Melhor Personagem Coadjuvante Feminino – Naruko “Anaru” Anjou – Ano Hana

Surpresa é pouco para expressar o que eu senti quando vi a vitória de Anaru nesta categoria. Por mais que tenha sido a categoria mais disputada de todo Ichiban, com uma diferença de meros três votos para Mami Tomoe, ainda assim acho incrível essa vitória, sendo que eu já havia achado estranho ela sequer ter sido indicada! Mas está aí e a pobre garota apaixonada venceu, fazendo suas outras concorrentes perderem a cabeça! A constar, em terceiro lugar, mas um pouco mais distante das duas primeiras tivemos Mayuri Shiina de Steins;Gate.

Melhor Seiyuu Masculino – Daisuke Ono

Tá certo que Daisuke Ono é Daisuke Ono, mas certamente ele não seria a minha escolha para 2011. O segundo lugar de Mamoru Miyano acaba sendo injusto, não só pela ótima atuação no papel de Okarin de Steins;Gate, mas pelo fantástico ano que ele teve e da evolução que ele vem tendo há anos. Esse era O ano dele. Mas pelo menos para o público brasileiro não deu. Para fechar o pódio, outra figurinha fácil de ver nesses rankings e de forma merecida, Fukuyama Jun.

Melhor Seiyuu Feminino – Mizuki Nana

Antes que você venha tacar pedras, tenha uma coisa em mente: Tanto eu quanto o Leo achamos bizarro a Mizuki Nana ter ganho nesta categoria. Bizarro. Se em 2009 ela foi a melhor seiyuu, em 2011 seu foco era muito maior na sua carreira musical que chegou ao auge com seu show no lendário Tokyo Dome. Mas votação popular é assim mesmo, difícil prever os resultados e algumas injustiças inexplicáveis acontecem. Sendo assim temos aquela que para mim deveria ser a vencedor em segundo lugar; Yuuki Aoi. E para completar, Hanazawa Kana.

Melhor Abertura – CORE PRIDE – UVERworld – Ao no Exorcist

Outra categoria muito complicada! Talvez a mais complicada de todas. Acho que todos já sabem que a minha preferência estava com a segunda abertura de Nichijou (que ficou apenas no 8º lugar), mas não dá pra realmente dizer que o resultado é injusto pois a abertura de Ao no Exorcist é realmente muito boa! Se outras favoritas minhas também não chegaram perto do pódio (como a abertura de Level E), tivemos One Reason – DWB feat. Fade de Deadman Wonderland em segundo lugar e uma das favoritas, Oath Sign – LiSA de Fate/ZERO em terceiro.

Melhor Encerramento – Just Awake – Fear, and Loathing in Las Vegas – Hunter x Hunter

Difícil, o primeiro encerramento de Hunter x Hunter é bom? Sim, com certeza. Seja pelo bom uso do pouco dinheiro para um encerramento até o junção ótima com a música, merece elogios, mas não vejo como poderia vencer outras como a de Ano Hana (segundo lugar) ou a de Fractale (bem longe do pódio). Eu estava esperando uma vitória fácil de Ano Hana, mas a dupla HxH/Fear, and Loathing in Las Vegas com certeza pesou mais. Em terceiro lugar Ao no Exorcist marca novamente presença com Wired Life – Kuroki Meisa.

Melhor Trilha Sonora – Puella Magi Madoka Magica

A única vitória do “anime do ano” no Ichiban Brasil 3 se dá pela trilha sonora, que se poderia discutir com Fate/Zero (segundo lugar), ainda assim merece sua vitória. Em terceiro, e também muito merecida, foi a posição de Ano Hana que deve muito do seu drama as suas boas escolhas musicais.

Melhor Estúdio – Madhouse

Se a Mizuki Nana como melhor seiyuu de 2011 foi uma grande injustiça, aqui temos outra. Está certo, a segunda temporada de Kaiji e a primeira metade de Chihayafuru foram realmente relevantes, mas nada extremamente marcante. Já o estúdio favorito, SHAFT, ficou apenas em segundo lugar, o que não é tão injusto assim já que no conjunto das obras eles não foram tão fortes tirando Madoka, e Production I.G em terceiro lugar, possivelmente aquele que deveria vencer (ou a A-1 Pictures, mas esse ficou apenas em 7º).

Manga – Mercado Brasileiro

 Melhor Editora – Panini

Em três anos de prêmio Ichiban Brasil esta é a terceira vitória da editora Panini, mas se antes tínhamos algum tipo de disputa, dessa vez a vitória foi massacrante em cima da sua principal rival, a editora JBC. Com uma diferença superior a 700 votos a Panini superou a JBC que ficou bem mais próxima do terceiro lugar do que da disputa pelo primeiro. Terceiro lugar que ficou com a novata no mercado, editora L&PM. Isso porque ela surgiu já no final do ano, prevejo melhores posições para ela no Ichiban Brasil 4.

Melhor Shoujo/Josei – Kimi ni Todoke

Difícil pensar em outro título para vencer, ainda mais quando sabemos que ele é o shoujo que mais vende no mercado, além de contar com animes de sucesso (e um filme live-action) para dar mais força ainda a Kimi ni Todoke. Em segundo lugar tivemos Kaichou wa Maid-Sama, ambos da editora Panini e em terceiro D.N.Angel. Estranho é Black Bird não ter ficado entre os três primeiros, esperava mais força desse título.

Melhor Shounen/Seinen e Melhor Lançamento – Bakuman

Se a Editora JBC ficou longe do pódio de melhor editora, um lançamento seu conseguiu superar os problemas da editora e vencer nesta e na próxima categoria. Claro, Bakuman é um nome de peso independente da editora que o lançasse, mas até onde eu sei é um manga com pouco problemas da JBC, o que acaba ajudando. Em segundo lugar, de forma impressionante, temos Naruto, que tantos já dariam como vencedor em qualquer categoria (no próximo Ichiban Brasil terá que disputar com One Piece, aí sim eu quero ver!) e para fechar o pódio, Air Gear.

Já na parte dos lançamentos em 2011, apesar de Bakuman continuar com taça, sem a participação de Naruto temos o pulo de Air Gear para o segundo lugar com o manga nacional Ledd, da editora Jambô, em terceiro, ultrapassando títulos como Solanin da L&PM (quarto) e Kimi ni Todoke (quinto).

Mais aguardado para 2012 – Ao no Exorcist

Para fechar, o título mais aguardado pelo público brasileiro, e ano passado acertamos com One Piece, será que acertamos novamente com Ao no Exorcist? Com mais de 50% dos votos, o exorcista azul venceu com facilidade títulos de peso como Toriko (segundo) e Sailor Moon (terceiro). Fica o destaque também para o quarto lugar de Nodame Cantabile, um manga que há muito tempo já deveria ter chego ao Brasil. Pensando bem, seria interessante se esse quatro viessem, são bons títulos, com forte apelo e dariam um bom equilíbrio ao mercado (dois shounen, um shoujo e um josei).

E é isso, agora quero ver a opinião de vocês sobre os vencedores, as posições, sobre essa terceira edição do Ichiban Brasil, o que mudar, o que manter. Agora a palavra é de vocês!

Esse post foi publicado em Relativo e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para Ichiban Brasil 3 – Resultados e considerações dos animes e mangas

  1. Ryogachan_Michelangelo disse:

    Steins; Gate ganhar como melhor do ano não me surpreende.
    Foi um dos meus animes preferidos do ano passado junto com Madoka e Mawaru Penguindrum(que deveria estar entre o top 3 ao menos) e diferente dos meus outros “queridinhos”. Steins é mais pop! Consegue atingir outros públicos mais facilmente do que Madoka Magica que é o anime do tipo bem “ame ou odeie”, sendo amado pelo público mais critico(para não dizer “cult”, já que de “cult” eu não tenho nada ;D) e visto como “nada demais” pela grande massa.

    Personagem feminina foi realmente uma surpresa. Eu gosto da Saber mas quando comparada a personagens como Akemi Homura (Madoka Magica) ou Makise Kurisu(Steins Gate), ela deixa muito a desejar como personagem.

    Quanto a melhor estúdio: A Ufotable tava participando da votação? Pois se tava era ela que tinha que ganhar pelo trabalho que vem fazendo com Fate Zero e se não estava o prêmio deveria ser da SHAFT pois Madhouse realmente não fez nada memorável ano passado.

  2. Hidekee disse:

    Steins;Gate tem o que agrada mta gente e ainda tem o lance de lembrar De Volta para o Futuro em alguns pontos, aumentando ainda mais o seu apelo popular. Sempre soube que meu “anime do ano” não estaria entre os pops, Mawaru Penguindrum, então nem me estresso. Ainda acho Steins;Gate melhor que Madoka, mas por pura questão pessoal, ambos são ótimos animes, mas sinceramente, nada revolucionário como algumas pessoas me disseram. Acho interessante que todo o hype ao redor de Madoka por parte da “mídia especializada brasileira” mostrou-se nulo nessa eleição.

    Melhor trilha sonora Madoka ganhou merecidamente para mim, é maravilhosa, especialmente para se ouvir ao longo do dia, coisa rara com mtos animes.

    Estranhei não ter Gundam Unicorn 3 nos tops de OVAs, pois foi um episódio em que acontece de TUDO em poucos minutos, emocionando quem assiste, coisa que mtos animes falham com 12 ou 24 episódios. Mas como “anime de mecha” no Brasil é sempre vítima de preconceito, é outro resultado que não estranho. E Hellsing merecia ser campeão sim, pois Hellsing é Hellsing XD

    Melhor estúdio deveria ser Brain’s Base, pois produzir Mawaru Penguindrum com aqueles efeitos todos e sem deixar a animação cair não é para qqer um. Madhouse é piada. Só ganhou pelo nome mesmo, só! De resto era até esperado por mim…

  3. wildcat17 disse:

    Naruko “Anaru” Anjou – Ano Hana: TOTALMENTE MERECIDO! Tanto ela como a Mami merecem, aliás.
    Mizuki Nana: TOTALMENTE MERECIDO! A melhor Seiyuu de sempre! (Tenho mesmo que importar os álbuns dela… fica caro :/)
    Melhor Trilha Sonora – Puella Magi Madoka Magica: TOTALMENTE MERECIDO! É fenomenal ;)

  4. LNR disse:

    Ok, não acertei nenhuma das categorias. Até concordo com alguns dos vencedores (ao menos tento entender), mas outros… simplesmente não dá. A impressão que eu tenho é a de que o pessoal sequer conhecia as opções, e votou naquilo que lhe soava mais familiar, ainda que não tivesse assistido.

    Não concordo com Steins;Gate para melhor anime. Por mais que eu goste dele, não tem como negar suas inúmeras falhas no roteiro e parte técnica mediana. Ao meu ver, Madoka Magica seria a opção mais acertada nesta categoria, pois, além de um roteiro surpreendente e praticamente intrincado, possui uma parte técnica bem superior a Steins;Gate.

    Não sou o mais indicado para opinar sobre o Melhor OVA, até porque, nem votei nesta opção. Só achei que Gundam UC, com sua produção a peso de ouro, seria o vencedor, mas entendo que pouca gente aqui no Brasil deva acompanhar a série (eu mesmo não assisti, ainda).

    Outra categoria na qual não votei foi Melhor Longa Metragem. Só digo que nunca nem ouvi falar no nome dessa série.

    Okabe como Melhor Personagem Principal Masculino dá até para aceitar. Ele é, de fato, um personagem divertidíssimo, e em tempos em que ser Nerd está na moda… O que não dá é o Kotetsu em 3º lugar. Pode ser um pouco de “síndrome de old school”, mas o Kotetsu é um protagonista perfeito: carismático, destemido, idealista, super-heroico, mas, acima de tudo, humano.

    Melhor Personagem Principal Feminino é outra que simplesmente não dá para engolir. Pra mim tinha que ser a Homura, a personagem mais surpreendente de 2011, mas eu ainda entenderia se fosse a Kurisu, agora a Saber… Não dá mesmo pra entender.

    O Melhor Personagem Coadjuvante Masculino também dá pra concordar. O Rider foi, sem dúvida, a maior revelação de Fate/Zero (um anime feito na medida pro Otaku médio que adora cenas de ação, violência e fantasia), mas, pra mim, a grande revelação de 2011 foi mesmo o Kyuube. Acho que nenhum outro personagem conseguiu divergir tantas opiniões quanto este no ano que se passou. “Falem bem ou falem mal, o importante é que falem de mim”, e é por isso mesmo é que ele deveria ser o vencedor desta categoria.

    A Anaru como Melhor Personagem Coadjuvante Feminino também é aceitável, visto que a categoria não tinha lá nenhum personagem muito expressivo. Ainda assim, muito mais justa seria a vitória da Ringo. Devo confessar que eu detestei Mawaru Penguindrum. A narrativa, além de extremamente confusa, terminou cheia de brechas e pontas soltas. Mas se o anime tem algum mérito, este está em seus personagens muito bem construídos e cheios de humanidade. Dentre eles, merece destaque a Ringo, que adquiriu um destaque tão grande na série, que poderia muito bem ser colocada na categoria de protagonistas.

    O Melhor Seiyuu, tanto masculino quanto feminino, foi uma decepção a parte. A única explicação plausível que eu consigo encontrar é aquela que eu dei no início do post: o pessoal ignorou as opções e simplesmente votou naquele que lhe soava mais familiar, aquele que era mais conhecido. Pra mim, a única escolha acertada seria o Mamoru Miyano e a Hanazawa Kana, embora a Yuuki Aoi também fosse uma escolha razoável.

    Melhor Abertura e Encerramento venceram, novamente, 2 animes de forte apelo popular. Acho que Nichijou e Ano Hana eram mais merecedores, mas infelizmente eles não têm o mesmo apelo das duas obras citadas anteriormente.

    Melhor Trilha Sonora foi outra que… opa… olha só, pelo menos essa eu acertei, até porque, por mais que Madoka Magica não tenha sido o melhor trabalho da Yuki Kajiura, foi, sem sombra de dúvidas, a melhor OST do ano passado. Sis Puella Magica e Credens justitiam são faixas belíssimas e que ficaram gravas para sempre na minha memória.

    É o segundo ano em que a Mad Hous ganha como Melhor estúdio, sem merecimento, diga-se de passagem. Só posso pensar em uma coisa: o pessoal já estava de saco cheio de preencher uma enquete tão longa que quando chegou ao melhor estúdio, ignorou solenemente as opções e votou no primeiro nome que lhes soava familiar. Production IG seria a escolha mais óbvia, embora a Sunrise também não tenha deixado a desejar.

    Na linha de mangas foi o óbvio… Mainstream, mainstream, mainstream e mainstream. Nada de surpreendente.

  5. chronadsi disse:

    decepcionei….

  6. Natália disse:

    Eu me decepcionei com os resultados. Eles foram pesadamente masculinos e priorizaram títulos populares a títulos surpreendentes.

  7. carlos disse:

    No proximo tem q ter a categoria Melhor FAP dai não acontece de personagems lols ganharem rsrs.

  8. Diego disse:

    Melhor anime não vi ainda Stein então não posso opinar, mas duvido que tenha sido melhor que Madoka.

    Homura foi bem melhor, merecia ter chanhado também, Anaru me surpreendeu, embora não tenha achado tão estranho, dá pra aceitar de boa, a Mami é boa, mas três epis só mal deu para vê-la.

    Abertura votei na de Deadman, mas Exorcist era a minha segunda opção, embora, ache que ganhou mais por popularidade. Encerramento, de verdade, assiti os outros dois que citou, mas prefiro bem mais o de HxH. O de Ano Hana achei no máximo mediano.

    Panini até que fez muito bem, além dos lancamentos desse ano terem ajudado na propaganda, mas acho que quem realmente merecia o segundo lugar era a L&PM, sem dúvidas.

    Prefiro Maid-sama, mas com popularidade, Kimi no todoke vence. Bakuman me surpreendi, mas com certeza mereceu, ainda mais estando sendo publicado ainda na primeira metade, a melhor parte do mangá. Mas sem dúvidas Solanin merecia no mínimo o segundo lugar. DMas diferente de Bakuman, em um votação, pública, quem vence é a popularidade.

    Sobre o lançamento, não vejo nenhum de verdade que almejo. Todos os que realmente queria já estão sendo lançados ou foram confirmados. Exorcist é divertido, mas está no começo e não considero muito mais do que mediano. Seria Soul Eater se a JBC não tivesse anunciado. Se for pra escolher, que venha Onani Master Kurosawa!(sonha moleque).

  9. Igor disse:

    Steins;Gate em 1° mais que justo,diferente de muitas pessoas não achei Madoka aquela coisa,para mim foi razoável…MASTER OF FAPPING,pode sonhar,Onani Master Kurosawa é um doujin e não um manga =/

  10. eiko-chan disse:

    Acho que aconteceu exatamente como falaram antes: as pessoas que votaram não conheciam/viram/leram/etc todas as opções. Eu mesma ia votar, mas, por não ter visto/lido/etc grande parte das opções, resolvi deixar pra uma próxima para não ser injusta.

    Prêmio popular é assim mesmo, sempre tem umas obras de gosto questionável que vencem e umas imperdíveis de perfeitas que nem chegam perto do topo.

  11. Pingback: Ledd – Editora Jambô – Vol. 1 |

Os comentários estão encerrados.