APCast 7 – International Saimoe League

Eu falando sobre Moe? É, por incrível que pareça é verdade.

Há um tempo fui convidado a participar da sétima edição do podcast do blog Anime Portifolio, o APCast, dessa vez sobre o International Saimoe League 2011.

Além da minha participação, temos também o dono do blog Netoin!, Carlírio, o dono próprio cast, Kyon e seu amigo conhecido por Angel of Death. Em aproximadamente uma hora e meia vocês podem conhecer tudo sobre essa premiação, desde a sua história até as concorrentes favoritas para esse ano! Não sei até onde eu pude acrescentar à discussão, mas foi certamente divertido e eu agradeço pelo convite.

Sem mais delongas, para baixar, só clicar aqui.

PS: Preciso resolver os problemas de microfone que tenho. Só assim pra melhorar minhas participações em podcasts e voltar com o Anime Records.

Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai – Primeiras impressões

Olá pessoal! Infelizmente o feriado prolongado terminou e estamos de volta à batuta.  É engraçado voltar de um feriado no meio da semana e ter que retornar pra rotina normal, parece que estamos voltando de um fim de semana em um dia errado.

Coisas a fazer, mas o Gyabbo! não para! Hoje é dia de comentar mais uma das estreias da temporada de outono, mas antes, não deixe de votar na enquete do Censo Gyabo!, muito importante para o crescimento do blog. Só dois clicks no menu à direita.

Mas vamos lá! Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai.

Continuar lendo

The World god Only Knows – Primeiras Impressões

Olá a todos! Estão se divertindo neste sábado? Eu não, dormi a tarde toda e os planos para sair essa noite furaram, pelo visto terei que ficar em casa vendo o SWU no Multishow, enfim.

Continuando com os posts de primeiras impressões, hoje trago um dos animes mais esperados por mim nessa temporada de outono; The World god Only Knows.

Mas antes de ler o post não esqueça de votar na nova enquete do Censo Gyabbo! logo à sua direito no menu. Por enquanto estamos tendo um empate, não perca a chance de dar a sua opinião para ajudar no andamento do blog.

Adaptação de um manga feito por Tamiki Wakaki, e lançado nas páginas da Shonen Sunday, já contando com 13 volumes, The World god Only Knows juntamente com Bakuman era provavelmente o anime mais aguardado por mim nessa temporada de outono.

Keima Katsuragi, protagonista da série, ou “Otamegane” (Otaku + Megane-óculos) como é conhecido, tem um gigantesco vício: garotas! É, com seus 17 anos era de se esperar seu interesse pelo sexo oposto, certo? O problema é que na verdade ele só está interessado em garotas 2D, aquelas de jogos como Eroges e Visual Novels, achando totalmente desnecessário se envolver com as garotas reais. Seu vício nos jogos é tão grande que é basicamente tudo que ele faz o dia inteiro. Esse tempo de jogo acabou levando Keima a ser conhecido como o “deus da conquista” entre os fãs, (daí o nome da série) recebendo emails das mais diferentes pessoas que procuram por orientação.

Entre as centenas mensagens Katsuragi recebe uma estranha, questionando se ele conseguiria “capturar” (termo usado para quando se consegue fazer uma garota do jogo se apaixonar por você) uma determinada garota. Orgulhoso demais, Keima acha isso ultrajante e prontamente clica em um botão, aceitando o “desafio”. Nessa hora os céus escurecem, e do absoluto nada surge uma estranha garota!

Essa garota na verdade se chama Elsee e é um demônio enviada do inferno para recapturar espíritos malignos que fugiram de lá e se escondem no coração das pessoas (claro, no de garotas). Ela explica que ao ter aceitado o desafio, Keima assinou um contrato com o inferno, sendo obrigado a ajudar Elsee em seu trabalho à custa cabeça de ambos (literalmente). O problema é que para isso é preciso fazer com que as garotas se apaixonem, de preferência finalizando com um beijo, fazendo necessário que Keima utilize tudo que aprendeu nos jogos, na vida real. Será que irá funcionar?

Essa é a premissa básica de TWgOK, que apesar de se encaixar na categoria de harem (várias garotas para um garoto) foge de muitos dos seus clichês, residindo aí sua graça e originalidade. Ao contrário do que estamos acostumados, o protagonista da série não é um idiota, na verdade ele é perspicaz e inteligente, sabendo exatamente o que quer (jogar!). Como disse a Panina em sua review no Subete Animes, “assim como o protagonista, as garotas não serão imbecis. Se tiver um homem querendo se relacionar com elas, elas aceitarão se julgarem que o garoto tem valor, inclusive tomando a iniciativa”.

Com uma animação muito acima da média feita pelo estúdio Manglobe (o que na verdade já é corriqueiro no caso desse estúdio), BGM bem colocadas em cada cena, além da ótima abertura, a experiência desse primeiro episódio foi sensacional, superando bastante o início o próprio manga.

Depois de decepções consecutivas com animes que começaram muito bem e terminaram de forma infeliz (HOTD, alguém?), deixo aqui um pouco de precaução. Apesar do ótimo início e da qualidade técnica, é sempre possível que tudo se perca. Mas pelo fato do material já contar com um bom número de volumes originais e usar de uma fórmula episódica ou no máximo de pequenos arcos, não me parece difícil finalizar a série antes do tempo se necessário. Mesmo o teor moe que não pode ser negado desde a primeira cena não parece que irá atrapalhar os andamentos.

Uma boa comédia, personagens que fogem levemente dos padrões, ótima animação, boas músicas, premissa interessante, sem fanservice, a lista de motivos é grande para eu apostar minhas fichas nesse anime. E eu certamente apostarei!

PS: Fico pensando em que nome dariam se a série fosse lançada (o anime) aqui no Brasil.

PS2: Queria saber o que a Sony acha do “PFP”, fico curioso.

Sora no Woto – Primeiras impressões

E começou! Finalizando 2009 com os melhores animes na minha opinião, o assunto agora é 2010. E dos animes esperados finalmente saiu o primeiro, Sora no Woto.

*Se você é uma pessoa sensata e que sabe interpretar um texto, pule os dois próximos parágrafos*

Antes de começar com as minhas primeira impressões sobre esse novo anime, queria deixar umas coisas claras antes. Recebo muitos comentários ruins pelo meu já antigo post sobre as primeiras impressões sobre o anime Nedless, que não tive paciência e vontade de ver mais que um episódio. Tirando os xingamentos e outras coisas inúteis, muitos afirmam que eu devia ver o anime inteiro (ou pelo menos 5 episódios em média) pra poder julgar um anime. Mas a questão é, como o próprio nome diz, e eu achava que isso era claro já que é algo corriqueiro em qualquer blog de anime, são apenas as primeiras impressões.

É claro que eu posso estar errado ao dizer que algo é bom ou ruim baseando no primeiro episódio, mas a ideia é apenas dar uma ideia sobre as novidades. Muitos blogs fazem acompanhamento episódio por episódio dos animes. Não é o meu caso e nem pretendo isso. Por isso quero deixar claro, são apenas opiniões iniciais, não veja um anime baseado apenas na minha opinião, leia outros blogs (tem vários excelentes aqui no menu ao lado), veja o anime por conta própria, tire as suas conclusões.

*Pode voltar a ler*

Outra coisa que queria avisar é que viajo essa quinta-feira e só devo voltar na terça, então minhas primeiras impressões sobre Durarara!! e Dance in the Vampire Bund vão atrasar um pouco. Peço a compreensão.  Mas agora sem mais enrolação vamos ao que interessa!

Duas coisas chamaram a atenção de todos quando esse anime foi anunciado. (1) “K-ON! 2”, “K-ON! no exército?!”. É, o enredo básico de um grupo de garotas moe em uma história que envolve música com certeza lembraria (e muito provavelmente foi pensado para lembrar) o sucesso de K-ON!. Animado pelo estúdio A-1, o traço lembra e enganaria qualquer um, podendo muito bem pensar que se trata de um anime da KyoAni, o que inclui uma animação bonita, fluida e bem executada, marca dos dois estúdios.

Outro ponto que chamou atenção no seu lançamento foi por se tratar do primeiro anime de um novo bloco, o Anime no Chikara, voltado para produções originais, algo que muitas vezes já foi sinônimo de qualidade no mundo dos animes (Cowboy Bepop, Higashi no Eden são exemplos). Então, a questão era muito 8 0u 80. Ou seria um plágio mal feito de K-ON! ou um bom anime original. Assistindo ao primeiro episódio, fico com a segunda opção.

Apesar do traço semelhante (pra não dizer igual), do enredo básico e do moe, as duas obras não tem tanta semelhança. Enquanto K-ON! foi um eficiente anime slice of life, Sora no Woto parece que será muito mais. Situado na cidade de Seize, a jovem Kanata Sorami é destacada para a 1121º tropa, onde só trabalham garotas. Seu sonho? Ser a trompetista do exército, apesar de ser muito ruim nisso.

Esse episódio inicial, apesar de muitas cenas do quotidiano e de alguns momentos moe/ecchi, tratou de apresentar logo uma grande história na cidade de Seize, chegando a um ponto bem interessante, o que me faz acreditar em um bom desenvolvimento no enredo, diferente do que vimos em K-ON!.

Sora no Woto parece uma mistura de slice of life com aventura, e apesar das semelhanças técnicas, tem tudo para trilhar um caminho próprio e começar bem a temporada de inverno (ok, na verdade ela já começou tem tempos com coisas como Chu-Bra, mas vamos ignorar).

Infelizmente a abertura do anime não foi apresentada nesse primeiro episódio. Seu encerramento porém, foi, sem nada de empolgante, apenas mediano. Sora no Woto é dirigido por Mamoru Kanbe que já trabalhou em animes relevantes, foi diretor de Elfen Lied, trabalhou em Baccano! e Sakura Card Captor, então é possível esperar dele um bom trabalho, que já foi mostrado nesse primeiro episódio.

Já o time de seiyuus está bem equilibrado, temos as experientes Kobayashi Yuu, Endo Aya e Eri Kitamura, além da pouco experiente Yuuki Aoi e de Juri Aikawa, que em seu primeiro papel conseguiu logo uma protagonista, fazendo seu trabalho com qualidade, é para ficar de olho nela!


Fullmetal Alchemist: Brotherhood, K-ON! – Primeiras impressões

Olá a todos em mais um domingo. Apesar de não ter sido um dos melhores, isso não é motivo para não postar, certo? Aproveitando a chance, viram o último episódio de Soul Eater? Foi MUITO ruim. Os produtores não sabiam mais o que fazer e terminaram daquele jeito. Uma pena, Soul Eater começou tão bem, agora é ler o manga. Mas hoje vou falar dos três animes da nova temporada que comecei a acompanhar:

Fullmetal Alchemist: Brotherhood #1

FMA2

Falar de Fullmetal Alchemist já é algo complicado. Comparar FMA com alguma coisa é mais complicado ainda. E comparar FMA com… FMA?

Lembro que FMA foi o primeiro anime que baixei por torrent e possivelmente foi o primeiro que assisti com legendas em inglês e foi um dos momentos mais marcantes da minha vida de fã de animes. O início do primeiro episódio, aqueles gritos de desespero do Ed, o sangue, tudo escuro, foi marcante. E é aí que começam as diferenças.

Brotherhood (vou falar de FMA2 assim, ok?) não é ruim, definitivamente não, mas nem de perto tem um primeiro episódio como FMA. Claro, seria chato se eles tentassem fazer a mesma coisa novamente. Quando anunciaram esse “remake”, muitos se perguntaram como fariam com os primeiros capítulos, que é bem próximo do manga. Ficaria igual a FMA? Acho que esse primeiro capítulo responde bem essa pergunta.

Um erro que eu acredito que não deveria ser cometido, mas que é inevitável, seria comparar uma série com a outra. Digo que é inevitável por questões óbvias, mas você com certeza aproveitará Brotherhood melhor se esquecer que já existiu outro FMA.

Saindo das comparações (ok, FMA parece melhor que Brotherhood, ok? Está satisfeito?), a animação está boa, especialmente nas cenas de ação, só achei o desenho pouco detalhado, mas nada que atrapalhe. O trabalho dos seiyuus está bom, a abertura é ótima e a ending tem uma animação interessante. Um ponto que achei interessante foi a maior interação entre Ed e Al durante as cenas de luta, dando mais espaço para o irmão menor. Outra coisa que me chamou a atenção foi a aparição do Führer Bradley, deixando-o mais misterioso.

Enfim, Brotherhood promete, tem todos os elementos que fizeram de FMA o que ele é hoje, inclusive as piadas com a altura do pobre Ed, se será melhor ou não que FMA anterior é difícil dizer, mas que tem tudo pra ser um ótimo anime, com certeza tem!

K-ON! #1

K-ON!

Apesar de eu não ter colocado na minha list do que realmente quero ver nessa temporada, estava de olho em K-ON! desde que a primeira lista saiu. Afinal, para quem não sabe, sou um grande fã de “Slice of life“, principalmente escolares. Unindo isso a música e garotas kawaii, o que poderia sair errado?

Eu respondo: o excesso.

K-ON! tem uma animação muito boa, tudo é bem fluente e com bons detalhes, principalmente os instrumentos musicais e eles sendo tocados, mais um ótimo trabalho do estúdio Kyoto Animation. O que me deixou levemente irritado, e eu sei que muitos vão dizer “Então por que tu está vendo esse anime?!”, foi o excesso de moe, principalmente da protagonista Yui Hirasawa. Seja na voz, seja no jeito, nos comportamentos, é moe pra todo lado, TODO lado, achei meio exagerado.

Mas a proposta de K-ON! é bem legal, 4 garotas que tentam formar uma banda, mesmo que a guitarrista nem saiba tocar. Acredito que mesmo com esse excesso de moe, o anime vai se desenvolver bem e ainda vai me pegar, continuarei acompanhando e você também devia dar uma chance.

Ah! E tenho que concordar com os blogs Mithril e Tsundere, a ending ficou ótima, dêem uma olhada:

Charady no Joke na Mainichi

charady-no-joke-na-mainichi

Esse eu peguei mais pela curiosidade e pelo fato de ter menos de cinco minutos. Com a proposta de ter um episódio por dia durante um ano inteiro, Charady no Joke na Mainichi tem uma premissa bem simples, contar uma piada a cada dia. O traço é meio esquisito, até por ser feito por estudantes da Universidade de Kyoto, mas pra uma coisa rápida como pretender ser, está bom. A piada em si que é contada no primeiro episódio não é das melhores, mas me fez dar uma risadinha. Quem sabe não melhora?