Vendo animes antigamente e agora

Olá  para todos, como estão? Eu não estou no meu melhor momento, ainda doente, os exames que fiz não deram nada, o que praticamente impossibilita um tratamento por enquanto. Estou usando uns remédios e espero que eles façam algo, mais de dois meses assim praticamente, bem frustrante. Torçam por mim.

Bem, hoje o post vai ser meio filosófico (ok, não). Dois posts atrás, quando comentei sobre aquilo que pretendia assistir da nova temporada de outono, comentei sobre o sentimento de nostalgia que as obras da CLAMP me dão, e é justamente sobre isso que vou falar hoje.

rayearth

Hoje em dia assistir animes, ler mangas, ver doramas é muito fácil. Indo do Google ao camelô do centro que vende dvds piratas dos mais diversos animes, a acessibilidade que existe hoje para os animes é imensamente maior do que aquilo que se via na década de 90 ou mesmo nos anos 00’s. Eu posso até estar confundindo esse sentimento com nostalgia, mas a verdade é que o ato de assistir animes  hoje tem um sentimento muito diferente daquele que eu tinha anos atrás.

Não estou aqui querendo dizer o que se ouve muito por aí, que a indústria de animes está morrendo, está saturada, não se fazem mais animes como antigamente e outros blablabla’s, acho tudo isso bobagem, animes como Baccano!, Higashi no Eden e Nodame Cantabile, apenas para citar alguns, mostram que existe muita coisa original e de qualidade sendo feita no Japão. O que eu quero falar é da forma como tudo isso era encarado.

551A2E_2

Antes de tudo acredito que eu preciso me contextualizar para que vocês possam entender melhor. Eu tenho 20 anos, sou de 1988, logo, a infância que eu lembro começou na segunda metade da década de 90. Como muitos que gostam de animes hoje em dia e tem essa idade, tudo começou na extinta Rede Manchete e no Sábado Animado do SBT. Na primeira foi onde conheci os animes Shurato, Sailor Moon, Yuyu Hakusho e o que teve mais sucesso, Cavaleiros do Zodíaco. Já no SBT, mesmo com sua programação maluca, lembro de acompanhar Dragon Ball (que nunca passava para a saga do Piccolo), Guerreiras Mágicas de Rayearth e Fly. Nessa época eu ainda via tudo como desenho animado, sem fazer distinção alguma quanto às nacionalidades das obras. Foi apenas com mais ou menos 11 anos, quando meu pai assinou pela primeira vez uma Tv por Assinatura e voltei a ver Dragon Ball, agora na sua fase Z,  que comecei a entender e dar maior atenção aos animes.

Nesse momento a internet ainda era uma realidade limitada, o máximo que eu tinha eram alguns minutos de uma conexão discada à 64kb. Tudo que eu consumia era o que aparecia na televisão, El Hazard, Tenchi Muyo, Pokemon, Monster Rancher, Digimon, Sakura Card Captor etc, não havia uma real escolha, você (ou pelo menos eu) assistia todos os animes que surgiam pela escassez de possibilidades.

E é nessa escassez que estava metade de graça! As (poucas) informações que eu tinha eram as que apareciam em revistas como a Herói, então a maioria das estreias eram uma grande e feliz surpresa. Não existia para mim a possibilidade de ir na ANN ou na MAL para ver sobre o que se tratava aquele anime, você ficava na apreensão total até que assistisse ao primeiro episódio.

1ShamanKing

Não sei quantas aqui fizeram parte da geração de animes por VHS, eu admito que não estive muito presente nessa época, foi de uma geração mais antiga que a minha. Toda a escassez de informações e de possibilidades tornava a experiência quase mágica. Lembro de quando um amigo me emprestou uma fita VHS com dezenas de aberturas de animes diversos, todas em original japonês. Eu basicamente não conhecia praticamente nenhum anime dali, mas só aquelas aberturas já eram suficientes para me entreter durante boas horas, mesmo com uma imagem e som péssimos. Já hoje, com a popularização da Internet, as informações estão na sua frente bem antes mesmo do anime estar no ar. Em blogs, como o Gyabbo! mesmo, você sabe de tudo sem ao menos ter visto a obra. Antigamente subar alguma produção era um trabalho incrivelmente árduo, hoje em dia novos fansubers surgem todos os meses, trabalhando em praticamente dos os animes disponíveis.

Não é que eu esteja reclamando, se não gostasse de tudo isso não teria um blog para comentar sobre animes. Mas às vezes, talvez por nostalgia mesmo, aquela época faz falta. Toda a dificuldade de se conseguir um episódio, um AMV, um filme, tudo isso parece que fazia a experiência toda valer muito mais.

O que vocês acham?

Mercado brasileiro de anime e mangas

Olá todos! No dia em que o Gyabbo chegou às 1000 visitas (Obrigado a todos!), resolvi fugir um pouco do esquema que vinha escrevendo para falar um pouco sobre o mercado brasileiro de animes e mangas.

Há alguns anos atrás eu via no mercado brasil de animes e manga uma evolução. Acreditava eu, ingenuamente, que estávamos seguindo para uma verdadeira consolidação de uma nova forma de entretenimento que havia chego no Brasil. Pelo visto eu estava enganado.

Ainda em 2006 nós tínhamos três grandes editoras trabalhando com mangas, a Panini vinha se estabelecendo como uma boa editora depois de erros com Peach Girl e Gundan Wing. A Conrad, pioneira nesse mercado, trazia títulos diferentes como Battle Royale e prometia um trabalho espetacular com as chamadas edições definitivas, como as de Dragon Ball. A JBC, quase tão antiga nesse meio quanto a Conrad, repetia erros como lançar mangas em formato de meio-tankobon e não se dar ao trabalho de corrigir os chamados “quadrados brancos”, mas esperava-se que o crescimento da Panini a obrigasse a mudar. Agora em 2009 vemos que tudo isso não passava de esperanças.

Onde estará a segunda edição?
Onde estará a segunda edição?

A Panini realmente cresceu, hoje é na minha opinião a melhor editora, mas isso não faz dela uma editora realmente boa. Somente esse mês tivemos NOVE títulos reprogramados, em um total de 14. Se os problemas dela se limitassem à péssima distribuição, as coisas não seria tão ruins. Mas casos como a volta de Peach Girl e seu subsequente cancelamento com menos de 3 meses e o sumiço da segunda edição de Lodoss War – A Dama de Pharis mostram que a Panini está bem longe de ser uma boa editora, mas é das piores a melhor.

A Conrad foi das três a mais decepcionante. Escolhida por muitos como sua editora favorita (o que era o meu caso), passou por um grande litígio, chegando a ficar meses sem lançar nada. Recentemente conseguiu ser vendida para IBEP/Companhia Editora Nacional e retomou alguns títulos como DBED, Nausicaa e Bambi, mas seu futuro ainda é incerto, visto os outros títulos parados, como One Piece e Monster.

A JBC por sua vez, segue lançando mangas populares e ignorando a qualidade. Apesar de ter feito um trabalho decente com Death Note, repete erros como gírias excessivas (ler Tenjo Tenge é um desafio para pessoas fora do Sudeste), meio-tankos e preços abusivos (FMA?).

Se o mercado de mangas não parece nada promissor, com a qualidade dos mesmos não chegando nem perto das edições japonesas ou americanas, o de animes não muda muita coisa.

Na TV aberto tivemos recentemente o relativo sucesso de Pokemon na RedeTv, o que não pode ser chamado de um grande trunfo, visto que Pokemon já teve sua febre no Brasil e os episódios inéditos terminaram. Na Globo, a estréia de Yugioh GX ajudou a levar a emissora carioca ao primeiro lugar do horário, mas até quando?

O que poderia ser a nova febre de anime no Brasil, Naruto, está a anos esperando pelo lançamento da segunda temporada, tanto no SBT quanto no Cartoon Network.

Já nos canais fechados, temos um Cartoon Network que limou praticamente todos seus animes da programação, mantendo apenas shounens como o novo Bakugam. Chegou a passar Histórias de Fantasmas e Trigun, mas em um péssimo horário, obviamente como tapa-buraco. Jetix e Nickelodeon mantem alguns poucos animes, mas novamente, nada de expressão.

O Animax, canal que veio com a proposta de 24hr de animação japonesa, hoje em dia investe mais em programas e séries americanas, muitas vezes sobras de outros canais do grupo Sony (Como Lost). Vendo assim, é difícil voltar ao otimismo de anos atrás quando o Animax estreava no Brasil e o CN mantinha um bloco de animes na madrugada. Mesmo com um lançamento de peso como Death Note, percebe-se que a tendência é investir cada vez menos em animes.

Os DVD’s de animes como FMA e Hunter X Hunter, ótimos lançamentos da Focus, foram cancelados por baixas vendas, sobrando apenas shounens de peso como são os casos de Naruto e Cavaleiros do Zodíaco, vendidos a preços altíssimos e alguns outros, como foi Akira.

Um dos poucos que se salvaram
Um dos poucos que se salvaram

Reflexo desse quadro que descrevi, hoje no Brasil temos três “grandes” portais de notícias para o público nacional: AnimePró, Jbox e ohaYO!. Admito que conheço pouco do último, de onde nunca fui um leitor. Sobre o AnimePró, apesar de ter retomado com suas notícias diárias, passou muito tempo quase que abandonado, hoje está reduzido a reproduzir notícias que saem antes em outros sites. O Jbox, que para mim era o melhor desses três, mostrou essa semana que não existem sites nacionais realmente profissionais para tratar de animes e mangas, caindo em uma pegadinha e reproduzindo uma suposta notícia adquirida em uma comunidade do Orkut. Preciso dizer mais alguma coisa?

Percebe-se assim que os tempos são mais negros do que  se anunciava a menos de três anos atrás, hoje em dia é difícil manter o otimismo que existia. Não sou tão radical como o que se diz nos EUA, onde a indústria inteira de animes já foi dada como morta por diversos fatores, de fansubs à crise mundial. Mas é perceptível que eu estava errado em pensar em uma grande evolução nesse nicho de mercado.

Fontes:

Naruto Inédito no Cartoon Já em Março

Naruto em Março no Cartoon: Pegadinha…

http://animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=40&Data=032009

http://animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=41&Data=032009

http://shoujo-cafe.blogspot.com/2008/02/panini-e-o-desrespeito-ao-consumidor.html

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=8418389&tid=5311878177171766811&start=1

http://www.animeblade.com.br/noticias/1233863036/

http://www.animepro.com.br/forum/viewtopic.php?f=2&t=1032&start=15#p43257

Fullmetal Alchemist na Piscina!