A morte do Animax

Hi folks! Como vão? Eu estou indo… só na espera pelas férias, preciso urgentemente delas, ficar em casa sem grandes preocupações é tudo que eu preciso no momento! Mas, enquanto ela não vem, eu continuo na rotina acadêmica, acompanhando o Flamengo (que acredito que será o campeão!) e vendo um anime aqui e ali.

E como esse é motivo do Gyabbo!, vamos falar de anime. Meia hora atrás eu consegui assistir ao último episódio de Death Note pelo canal Animax. Por isso hoje eu pretendo analisar esse canal e o que vem acontecendo com ele.

Animax2

O Animax é um canal fundado em 1998 no Japão, para transmitir animes e outros programas relacionados. Além da Sony, outros participantes dessa fundação incluíram a Sunrise, a Toei Animation, a TMS Entertainment e a NAS, empresas tradicionais nesse mercado. No dia 31 de Julho de 2005, o Animax chegou na América Latina, logo, no Brasil.

Com séries de sucesso como Fullmetal Alchemist, Wolf’s Rain, Hellsing, o canal iniciou aquilo que poderia ser um sonho para todos os fãs de animação japonesa. Infelizmente o começo foi meio atrapalhado, poucas pessoas tinham acesso ao canal, principalmente por ele não fazer parte da Net. Ainda lembro bem do dia em que o canal foi liberado aqui em casa, a simples ideia de um canal com 24 horas de animes era algo fantástico, me fazendo assistir até Hungry Heart (ainda bem que depois da empolgação inicial eu parei de ver isso). Além dos animes ainda era possível ver clips de JMusic entre um programa e outro, o que mais poderíamos pedir?

Infelizmente aquilo que era um sonho acabou por virar um pesadelo. Se lembro bem (muito desse post está sendo feito de cabeça, me corrijam se eu estiver errado), o início do fim começou com a entrada do bloco Reciclo e dos informerciais. O primeiro, um bloco exclusivo para filmes mais velhos… Como alguém da Sony pensou que isso poderia dar certo, eu realmente não sei. Enquanto o público pedia por movies de animes, por uma grade mais diversificada, com shoujos, joseis e seinens, eles deram Godzilla. Não que eu fosse contra a exibição de produções ocidentais, nunca fui tão purista, me divertia bastante com o peculiar “Distraction”, mas a imagem que ficou é que nenhuma desses estreias foi realmente estudada. O público fiel ao canal não queria filmes ocidentais, aqueles que não viam o canal dificilmente começariam a ver por causa de filmes velhos.

Além disso, tivemos a famigerada faixa do informerciais, mais especificamente, o Medalhão Persa. Aqui a coisa vai além do canal, visto que essa faixa existe em outros canais. Ao pagar por uma tv por assinatura, estamos financiando também todos os canais. Em troca do dinheiro que o cliente pega, quem presta o serviço deveria prezar por dar entretenimento aos assinantes. Lucrar utilizando não somente comerciais, mas faixas inteiras da programação é algo que o PROCON deveria estar em cima, vai totalmente contra o consumidor. Infelizmente uma movimentação dessa é muito difícil de acontecer, especialmente no meio de animes e mangas, visto que os “canais de mídia” desse meio procuram muitas vezes se atacarem do que se unir.

Se isso tudo era péssimo, as estréias dos peso-pesados Bleach, Evangelion e posteriormente de Death Note deram uma sobrevida ao canal e manteve a esperança de muitos, incluindo a minha. E na verdade as coisas pareciam tranquilas, apesar da estréia de Lost, o canal mantinha seu propósito e trouxe animes como Bokurano e Fate/Stay Night e apesar dos problemas da adaptação desse último, ainda era um bom sinal.

O grande problema foi a chegada de novembro. Sem que nenhum anime no estreasse, nada menos que nove programas ocidentais foram marcados para tomar a maioria dos horários. Sem respeito algum com seus clientes, animes que ainda estavam sendo exibidos pela primeira vez tiveram seus horários alterados, o que, sinceramente, causou a minha revolta pela primeira vez contra o canal.

Faltando apenas dois episódios para terminar Death Note, mudaram seu horário das terças para as sextas. Sem contar com Fate/Stay Night que foi parar nas manhãs de sábado. A verdade é que o Animax deixou de ser um canal voltado para animação japonesa a muito tempo, mas a punhalada veio mesmo esse mês.

A pergunta que fica é “o que faltou para que o Animax tivesse sucesso?”. A verdade é que faltou inteligência. Será mesmo que um mercado que não consegue se consolidar em lançamentos de dvd’s está preparado para receber um canal desse tipo? Prefiro acreditar que a Sony fez suas pesquisas antes de iniciar seu canal por aqui, logo, percebeu que valia a pena.

Mas então o que deu errado? Muito difícil dizer, mas na minha opinião o primeiro problema foi ter iniciado suas operações sem estar dentro da Net, principal tv por assinatura do país. Junto a isso, diversas escolhas duvidosas como Humanoid Monster Bem, dificultaram até mesmo que os fãs de anime realmente se empolgassem com o canal. Quando animes que realmente chamavam atenção começaram a estrear no canal, já era tarde, os executivos do grupo Sony já haviam perdido a paciência e se desesperaram atrás de ibope.

Mas o que será do canal? Muito provavelmente a tendência é que cada mais teremos menos espaço para os animes. Se o canal terá sucesso nesse novo formato, difícil dizer, mas o Boomerang está aí para mostrar que talvez esse seja o caminho certo.

E você? O que acha que vai acontecer com o Animax?

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Animax#Latin_America

http://pt.wikipedia.org/wiki/Animax_Brasil

Animax Esculhamba de Vez em Novembro

http://www.anmtv.com.br/search/label/Animax

Mercado brasileiro de anime e mangas

Olá todos! No dia em que o Gyabbo chegou às 1000 visitas (Obrigado a todos!), resolvi fugir um pouco do esquema que vinha escrevendo para falar um pouco sobre o mercado brasileiro de animes e mangas.

Há alguns anos atrás eu via no mercado brasil de animes e manga uma evolução. Acreditava eu, ingenuamente, que estávamos seguindo para uma verdadeira consolidação de uma nova forma de entretenimento que havia chego no Brasil. Pelo visto eu estava enganado.

Ainda em 2006 nós tínhamos três grandes editoras trabalhando com mangas, a Panini vinha se estabelecendo como uma boa editora depois de erros com Peach Girl e Gundan Wing. A Conrad, pioneira nesse mercado, trazia títulos diferentes como Battle Royale e prometia um trabalho espetacular com as chamadas edições definitivas, como as de Dragon Ball. A JBC, quase tão antiga nesse meio quanto a Conrad, repetia erros como lançar mangas em formato de meio-tankobon e não se dar ao trabalho de corrigir os chamados “quadrados brancos”, mas esperava-se que o crescimento da Panini a obrigasse a mudar. Agora em 2009 vemos que tudo isso não passava de esperanças.

Onde estará a segunda edição?
Onde estará a segunda edição?

A Panini realmente cresceu, hoje é na minha opinião a melhor editora, mas isso não faz dela uma editora realmente boa. Somente esse mês tivemos NOVE títulos reprogramados, em um total de 14. Se os problemas dela se limitassem à péssima distribuição, as coisas não seria tão ruins. Mas casos como a volta de Peach Girl e seu subsequente cancelamento com menos de 3 meses e o sumiço da segunda edição de Lodoss War – A Dama de Pharis mostram que a Panini está bem longe de ser uma boa editora, mas é das piores a melhor.

A Conrad foi das três a mais decepcionante. Escolhida por muitos como sua editora favorita (o que era o meu caso), passou por um grande litígio, chegando a ficar meses sem lançar nada. Recentemente conseguiu ser vendida para IBEP/Companhia Editora Nacional e retomou alguns títulos como DBED, Nausicaa e Bambi, mas seu futuro ainda é incerto, visto os outros títulos parados, como One Piece e Monster.

A JBC por sua vez, segue lançando mangas populares e ignorando a qualidade. Apesar de ter feito um trabalho decente com Death Note, repete erros como gírias excessivas (ler Tenjo Tenge é um desafio para pessoas fora do Sudeste), meio-tankos e preços abusivos (FMA?).

Se o mercado de mangas não parece nada promissor, com a qualidade dos mesmos não chegando nem perto das edições japonesas ou americanas, o de animes não muda muita coisa.

Na TV aberto tivemos recentemente o relativo sucesso de Pokemon na RedeTv, o que não pode ser chamado de um grande trunfo, visto que Pokemon já teve sua febre no Brasil e os episódios inéditos terminaram. Na Globo, a estréia de Yugioh GX ajudou a levar a emissora carioca ao primeiro lugar do horário, mas até quando?

O que poderia ser a nova febre de anime no Brasil, Naruto, está a anos esperando pelo lançamento da segunda temporada, tanto no SBT quanto no Cartoon Network.

Já nos canais fechados, temos um Cartoon Network que limou praticamente todos seus animes da programação, mantendo apenas shounens como o novo Bakugam. Chegou a passar Histórias de Fantasmas e Trigun, mas em um péssimo horário, obviamente como tapa-buraco. Jetix e Nickelodeon mantem alguns poucos animes, mas novamente, nada de expressão.

O Animax, canal que veio com a proposta de 24hr de animação japonesa, hoje em dia investe mais em programas e séries americanas, muitas vezes sobras de outros canais do grupo Sony (Como Lost). Vendo assim, é difícil voltar ao otimismo de anos atrás quando o Animax estreava no Brasil e o CN mantinha um bloco de animes na madrugada. Mesmo com um lançamento de peso como Death Note, percebe-se que a tendência é investir cada vez menos em animes.

Os DVD’s de animes como FMA e Hunter X Hunter, ótimos lançamentos da Focus, foram cancelados por baixas vendas, sobrando apenas shounens de peso como são os casos de Naruto e Cavaleiros do Zodíaco, vendidos a preços altíssimos e alguns outros, como foi Akira.

Um dos poucos que se salvaram
Um dos poucos que se salvaram

Reflexo desse quadro que descrevi, hoje no Brasil temos três “grandes” portais de notícias para o público nacional: AnimePró, Jbox e ohaYO!. Admito que conheço pouco do último, de onde nunca fui um leitor. Sobre o AnimePró, apesar de ter retomado com suas notícias diárias, passou muito tempo quase que abandonado, hoje está reduzido a reproduzir notícias que saem antes em outros sites. O Jbox, que para mim era o melhor desses três, mostrou essa semana que não existem sites nacionais realmente profissionais para tratar de animes e mangas, caindo em uma pegadinha e reproduzindo uma suposta notícia adquirida em uma comunidade do Orkut. Preciso dizer mais alguma coisa?

Percebe-se assim que os tempos são mais negros do que  se anunciava a menos de três anos atrás, hoje em dia é difícil manter o otimismo que existia. Não sou tão radical como o que se diz nos EUA, onde a indústria inteira de animes já foi dada como morta por diversos fatores, de fansubs à crise mundial. Mas é perceptível que eu estava errado em pensar em uma grande evolução nesse nicho de mercado.

Fontes:

Naruto Inédito no Cartoon Já em Março

Naruto em Março no Cartoon: Pegadinha…

http://animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=40&Data=032009

http://animepro.com.br/noticias.php?IdNoticia=41&Data=032009

http://shoujo-cafe.blogspot.com/2008/02/panini-e-o-desrespeito-ao-consumidor.html

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=8418389&tid=5311878177171766811&start=1

http://www.animeblade.com.br/noticias/1233863036/

http://www.animepro.com.br/forum/viewtopic.php?f=2&t=1032&start=15#p43257

Fullmetal Alchemist na Piscina!